Compartilhe

Um dos melhores papeis que um ator pode interpretar é o do Príncipe da Dinamarca, Hamlet, algo que requer muito talento artístico e expressões que vão desde as profundezas do pensamento até as alturas da loucura.

Apenas alguns atores na Coreia tiveram essa chance, e por causa do prestígio que vem do papel, a maioria deles possui uma idade maior, como Yu In-Chon, que estava com mais de 60 anos, e Jeong Bo-Seok, que fez Hamlet com mais de 50. Mas agora há um rosto mais novo na linhagem de “hamlets”: Ko Eun-Sung, um ator de apenas 28 anos que estrela o musical “Hamlet Alive” (Hamlet Vivo, em português), e que, com seu forte carisma, adquiriu o apelido de “Jovem Jo Seung-Woo”, ator já renomado.

O ator Ko Eun-Sung chama atenção do público através de seu carisma e voz cativante. Foto: JoongAng Sunday
O ator Ko Eun-Sung chama atenção do público através de seu carisma e voz cativante. Foto: JongAng Sunday

Já faz um ano que Eun-Sung apareceu no programa musical da JTBC “Phantom Singer” como um novo ator. Agora as pessoas já reconhecem ele pela expressividade e vocais cativantes.

Jo Seung-Woo é um ator realmente incrível, ele é o melhor e eu me inspiro nele.”, diz Eun-Sung. “Eu pareço muito confiante? Não dá pra parecer estar com medo no palco, mas eu fico bem nervoso. É o meu primeiro papel grande, da primeira vez eu fiquei tão nervoso que nem sabia o que estava acontecendo direito, só fui me acalmar depois que acabou”, completa.

Acima, o pôster de Hamlet Alive, abaixo, Eun-Sung atuando como Hamlet. Foto: CJ E&M
Acima, o pôster de Hamlet Alive, abaixo, Eun-Sung atuando como Hamlet. Foto: CJ E&M

Segue uma pequena parte da entrevista feita recentemente pelo JoongAng Sunday com o ator.

P- O nome da peça é “Hamlet Alive”, mas o Hamlet morre logo no começo. O que você acha da personagem?

O Hamlet morre logo na primeira cena, após entregar seu livro para Horácio, e pedir para que ele conte sua história. Quando o Horácio abre o livro, as pessoas mortas voltam à vida e a peça começa. Então quando ele morre, não é o fim. Pessoalmente, eu não acho que o Hamlet seja uma pessoa, mas sim a pessoa essencial no ciclo sem fim da humanidade.

P- “Hamlet” é um clássico muito famoso. A peça foca no aspecto clássico ou traz algo completamente novo?

O que acontece com a peça é que ela não está em nenhum desses dois lados, mas sim que ela é uma mistura de todas as eras. Honestamente, mesmo que a peça focasse em uma dessas coisas ela traria apenas conceitos e figurinos diferentes, porém os acontecimentos seriam os mesmos. É uma peça que foca na essência da humanidade, transcendendo o tempo. Shakespeare pode tê-la escrito há muitos anos, mas ainda é apropriada para os dias de hoje.

P- Antes de você, outros atores deram vida a Hamlet. Qual deles te marcou mais?

Todos os atores de Hamlet são muito memoráveis. O Mel Gibson (1990) e o Kenneth Branagh (1996) fizeram Hamlets parecidos com o meu, acho, por trazerem à vida um Hamlet forte e masculino. Então há Ethan Hawke (2000), que focou nas agonias mentais. Mas para mim o melhor Hamlet é o Simba, de “O Rei Leão”, uma versão animal do Hamlet!

O Scar mata o Mufasa e o Simba é banido do reino, vivendo preso pela experiência traumática, mas então ele volta para se vingar na pedra do Orgulho do Reino. Eu não sabia que era Hamlet no começo, porque tem um final feliz, mas eu sempre fui apaixonado por ele, desde criança, por alguma razão.

P- Eu não sabia que o Simba era um personagem tão sofisticado.

Não, realmente não parece. Eu também não pensei muito sobre o Hamlet, ele é apenas alguém em uma situação complicada, mas não é uma pessoa complicada. Todo mundo tem seus dilemas e desentendimentos quando estão em posições difíceis, mas isso não significa que todos são complicados.

Eu acho que as pessoas simpatizam com o Simba porque elas conhecem a situação em que ele está e seu passado, mas com Hamlet eles não têm essa informação, precisam descobrir sozinhos.

P – Você ganhou popularidade no musical “Interview” (Entrevista, em português), no qual seu personagem tem cinco personalidades, como cinco pessoas vivendo em uma só. Como foi viver esse papel difícil?

Você nem sempre recebe boas críticas, mas ninguém pode negar a sinceridade de uma pessoa. Eu acho que as pessoas aceitam quando você mostra seu coração. Eu não tenho a técnica perfeita, mas realmente dou o meu melhor com o que tenho em todos os momentos enquanto atuo, mesmo que não fique perfeito.

No começo foi difícil porque eu pensei que as cinco personalidades fossem cinco pessoas diferentes. Mas depois eu me senti mais confortável, quando percebi que era apenas uma pessoa com cinco personalidades.

O que importa é o por quê dessas personalidades existirem, e o quão difícil deve ter sido para a pessoa viver nessas condições. Então eu comecei a pensar nas raízes, e então a atuação foi crescendo a partir delas, e tudo se tornou mais fácil. É a mesma coisa com o Hamlet, ele age como um louco, mas no fundo tudo recai sobre a falta que ele sente do pai, o amor por esse pai, e a vingança que ele quer realizar.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO