Compartilhe

Olá galerinha, como vocês estão? Prontos para mais um post sobre a história coreana? Se lembram do post anterior? Falamos sobre como foi a libertação da Coreia e como eles estavam se organizando um governo… Mas isso foi antes da ocupação da União Soviética e dos Estados Unidos, que influencia a Coreia até os dias atuais. Então, vamos aprender um pouco mais sobre essas ocupações?

Existem controvérsias históricas acerca do período de libertação da península coreana: enquanto alguns historiadores argumentam que a União Soviética permitiu, em grande parte, que as forças revolucionárias seguissem no Norte, outro estudiosos argumentam que os Estados Unidos minou o crescimento dos movimentos sociais ao Sul.

Mas antes de falarmos mais sobre a ocupação soviética e estadunidense, precisamos esclarecer alguns pontos, ok?

Durante a ocupação japonesa o Norte desenvolveu centros industriais e, apesar de também ter experimentado mudanças, o Sul sofreu com a superpopulação. Com isso, os soviéticos assumiram uma região mais industrializada com uma população menor, enquanto os EUA continham uma área com uma população rural analfabeta e pobre.

É importante também ressaltar que a sociedade coreana estava sob o domínio japonês durante anos, inclusive durante a Segunda Guerra Mundial na qual o Japão e os EUA se enfrentaram. Durante esse período, o governo japonês fez propagandas de como uma ocupação militar dos EUA na Coreia traria terríveis consequências, como o maltrato as minorias raciais e o imperialismo ocidental.

Por outro lado, os soviéticos eram vistos como uma força anti-imperialista libertadora que foi acolhida pelos ativistas que clamavam por uma revolução.

A divisão da Coreia teve um impacto polarizador com os coreanos que buscavam a revolução se encontrando ao Norte e os mais conservadores ao Sul.

RUSSIA 1A OCUPAÇÃO SOVIÉTICA AO NORTE DA COREIA

Vocês se lembram que no post passado eu falei sobre os comitês populares e como os EUA não os aceitou enquanto a URSS o fez?

Então, os soviéticos optaram por não construir um aparelho administrativo totalmente novo, mas sim, trabalhar nas estruturas políticas que encontraram ao chegarem na península. Por isso, eles reconheceram os comitês e como estes já haviam iniciado o processo de descolonização no Norte, a URSS não precisou se preocupar com a política desses comitês, que acabaram com a colaboração japonesa-coreana, congelaram os recursos japoneses e criaram o início de uma força policial com o objetivo de manter a ordem pública.

Os comitês localizados no norte seguiu um plano que contrastava com o sul. Aqui foi realizada uma reforça agrária completa em fevereiro de 1946. As novas autoridades confiscaram todas as terras japonesas e a de 5.000 grandes proprietários coreanos e as redistribuiu a população, desde que essa se comprometesse a cultivar. Além disso, as principais indústrias do Norte foram nacionalizadas. Assim como foram estabelecidas novas leis trabalhistas que ditavam uma jornada de trabalho de oito horas, salário mínimo, proibição do trabalho infantil e regulamentação das condições de trabalho.

Dentro do programa de reforma econômica e social também se encontravam as leis para a promoção da igualdade de gênero e dos direitos das mulheres. Essas ações solidificaram o apoio da população aos comitês que cada vez mais – a partir de 1946 – passaram a ficar sob a direção comunista.

Kim Il Sung (avô de Kim Jun Un), foi nomeado pelas forças soviéticas para ser o primeiro lider da Coreia do Norte.
Kim Il Sung (avô de Kim Jun Un), foi nomeado pelas forças soviéticas para ser o primeiro lider da Coreia do Norte.

A OCUPAÇÃO NORTE AMERICANA NO SUL

Como já foi dito algumas vezes nesse texto, os acontecimentos no Sul e no Norte foram diferentes. O líder do exército dos EUA, general Hodge, tentou trabalhar com os coreanos que falavam inglês e apoiavam os EUA, porém, ao invés de trabalhar dentro dos comitês como a URSS fez, o governo dos Estados Unidos decidiu acabar com os mesmos e aplicar novas regras.

Uma das primeiras decisões do general foi não reconhecer a autoridade dos comitês no sul. Mesmo antes de chegar na Coreia, o general tinha sido avisado pelos japoneses que ocorreria uma subversão comunista dentro desses comitês e por isso os EUA desmanchou os mesmos. Entretanto, ao não reconhecer esse comitê, Hodge renunciou o esforço local da Coreia na construção de uma base para um futuro governo coreano.

O General Douglas McArthur foi o líder do Exército Americano na Guerra da Coreia
O General Douglas McArthur foi o líder do Exército Americano na Guerra da Coreia

No lugar dos comitês, Hodge estabeleceu o Governo Militar do Exército dos Estados Unidos na Coreia (USAMGIK) que abandonou o uso de funcionários japoneses quase que de imediato. Muitos coreanos, especialmente os que faziam parte dos comitês populares, ficaram indignados com essa ação do governo dos EUA, tendo em vista que isso equivalia a uma reversão do processo de descolonização. Afinal, estabelecer uma autoridade militar fez com que os coreanos não assumissem a organização da própria independência política. Por causa disso, todo o processo para acabar com os comitês populares no sul foi longo, demorando em torno de um ano, e com significante nível de violência.

Buscando apoio, Hodge voltou-se para os coreanos conservadores e encontrou-o no Partido Democrata Coreano (KDP). O KDP, organizado de forma apressada uma semana após a chegada americana, consistia em elites proprietárias e empresários viam com maus olhos a possível chegada do socialismo na região. Encorajado pela presença americana no Sul, o KDP pretendia fornecer uma alternativa ao KPR (República Popular na Coreia, governo que apareceu no post anterior) e proteger seus interesses na reorganização da Coreia.

No seu primeiro ano, a USAMGIK emitiu uma série de reformas sociais e econômicas que ficaram abaixo das expectativas coreanas e contrastava fortemente com as reformas já em curso no Norte. Além disso, muitas das novas políticas foram realizadas de forma lenta. Apesar da reforma territorial decisiva no Norte, USAMGIK atrasou a reforma agrária até 1948, e deixou intactas as propriedades de grandes proprietários coreanos, o que não ocorreu no Norte. O fracasso da reforma agrária no Sul foi um grande problema para a USAMGIK, e foi um erro significativo para uma autoridade de ocupação que precisava desesperadamente de apoio público.

Assim como ocorreu no norte, no sul foram emitidas novas leis trabalhistas que limitaram a semana de trabalho a 60 horas e proporcionaram tempo e meio de pagamento para qualquer hora acima de 40. Uma nova lei do trabalho infantil proibiu o emprego de crianças menores de 14 anos. Em geral, os programas de reforma social e econômica no Sul não legitimaram o governo americano de ocupação. Exemplo disso é a greve geral de 1946 que provocou manifestações maciças em diversas cidades do sul.

No próximo post iremos conhecer mais sobre as eleições de 1948 e sabem o que isso significa? Que estamos bem próximos de falar sobre uma das guerras mais antigas e que ainda está em curso, a Guerra da Coreia. Então, se vocês tiverem alguma dúvida sobre esse assunto é só comentar e irei tira-las no post referente sobre esse assunto.

Então, é isso pessoal!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO