Compartilhe
Foto da Capa – Paju, Coreia – Pinturas murais no templo de Bogwangsa. O templo de Bogwangsa foi construído pelo grande monge Doseonguksa durante o Reino Silla sob a ordem da rainha Jinseong.

Hoje iremos continuar nosso estudo sobre a história da Coreia e, mais precisamente, iremos falar sobre os três reinos coreanos. Boa leitura a todos!

O primeiro Estado coreano teve início em 2.333 a.c. na Dinastia Tangun. Tangun continua sendo um elemento popular para a história coreana. Estudos antropológicos mostram que já existiam “cidades-estado” durante a Idade do Bronze, no século XI a.c. A Dinastia Tangun, também chamada de Dinastia Choson ou Gojoseon, terminou com a invasão dos chineses.

Após a queda de Gojoseon, toda a área – que vai da Manchúria até toda a península coreana – passou a ser governada por três reinos: Goguryeo, Baekje e Silla.

Mural do túmulo de Goguryeo perto de Pyongyang, Coreia do Norte. Foto: Thought Co.
Mural do túmulo de Goguryeo perto de Pyongyang, Coreia do Norte. Foto: Thought Co.

O reino de Goguryeo existiu até 668 d.c. Foi originalmente estabelecido no meio do rio Yalu, na Manchúria, e dentre os três reinos foi o mais avançado política e culturalmente. No século V estava no auge do seu poder e controlava um território que ia do sul da Manchúria até a metade norte da península coreana. Foi nesse reino que existiu a primeira Academia Nacional de Confúcio da Coreia, assim como foi o primeiro dos três reinos a aceitar o budismo como a religião apoiada pelo Estado. Porém, Goguryeo tinha uma postura agressiva o que fez com que seus vizinhos utilizassem de invasões preventivas. Esse reino conseguiu deter algumas, mas em 668 d.c. ele caiu, após Tang (dinastia da China) e Silla unirem forças contra ele.

Fonte: Consulado Geral da República da Coreia em São Paulo
Fonte: Consulado Geral da República da Coreia em São Paulo

O segundo maior reino foi Baekje, que durou até 660 d.c. e foi fundada na área que hoje está em torno de Seul. Devido as suas terras serem férteis para a agricultura, esse reino conseguiu se transformar em um reino rico e sofisticado. A relação amigável desse reino com o Japão, fez com que existisse uma transmissão cultural do reino para o Japão. Porém, diferenças entre a classe dominante e a população geral impediram o reino de crescer forte e coeso. Em 660, um ataque conjunto de Tang e Silla fez com que o reino Baekje chegasse ao fim.

O último reino, Silla, durou até 935 d.c. O desenvolvimento político e cultural desse reino foi lento, se comparado aos outros dois reinos, em parte porque a elite de Silla era conservadora e cautelosa. Silla apenas abraçou o budismo em 535, bem depois dos outros reinos. Porém, com o passar o tempo, Silla conseguiu superar os seus vizinhos devido a uma variedade de forças institucionais inerentes ao seu corpo político.

Por exemplo, diferente de Baekje onde existiam divergências entre os governantes e os governados, a instituição pro-democrática de Silla, o Tribunal dos Nobres, serviu como uma força coesa que incentivou a solidariedade entre os aristocratas. Além disso, a estrutura social altamente estratificada proporcionou uma estabilidade essencial para a manutenção de um Estado centralizado.

Os líderes de Silla foram capazes de recrutar militares motivados através de uma instituição educacional militar única. Além disso, os líderes utilizavam da diplomacia internacional para crescer, e a aliança com Tang da China é um exemplo disso. Com isso, Silla foi capaz de conquistar Gaya, Baekje e Goguryeo.  Após isso, em 668, Silla unificou toda a península e entrou em guerra contra Tang, seu antigo aliado. Porém, Silla venceu esse conflito e passou a governar 2/3 do sul da península.

Fonte: Consulado Geral da República da Coreia em São Paulo
Fonte: Consulado Geral da República da Coreia em São Paulo

O período de unificação (668-935) foi marcado por paz e prosperidade. Logo, Silla se tornou um Estado tributário, com relações harmoniosas com Tang e hegemonia na Ásia Oriental. O budismo foi adotado como a religião do Estado durante esse período, assim como o confucionismo recebeu apoio dos líderes de Silla, com o estabelecimento do Colégio Nacional de Confúcio em 682.

Muitos historiadores sul-coreanos reconhecem Silla como um transmissor legítimo da tradição coreana e, no próximo post, iremos falar do declínio de Silla e do aparecimento do Reino de Goryeo.

O que vocês têm achado da nossa coluna? Como vocês podem ver estamos ainda sem nome, por isso pensamos em abrir um espaço para que vocês nos ajudem a achar um nome bem legal para esse nosso novo “bebê”. Então, nos ajudem, ok? <3. Aguardamos suas sugestões, aí nos comentários!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO