Compartilhe

Antes da Era do Streaming, consumidores estrangeiros ansiosos em assistir filmes coreanos só conseguiam ver tais produções nos cinemas ou em festivais, e apenas alguns poucos títulos eram lançados em DVD.

No Reino Unido, por exemplo, que já foi um mercado aquecido para mídias em formato físico, os últimos títulos de autores coreanos como Park Chan-wook e Bong Joon-ho ficavam disponíveis para o público rapidamente.

Os filmes disponíveis podem não refletir a verdadeira essência do cinema coreano, já que inúmeros títulos produzidos por Park Chan-wook foram incluídos na problemática categoria de “Asia Extreme”. Ainda assim, representam um incentivo enorme para aumentar o acesso às produções coreanas em um período de grande interesse pelo cinema sul coreano ao redor do mundo.

Pouco depois, downloads legalizados através de serviços como iTunes proporcionaram um novo método pelo qual cinéfilos podem assistir a essas produções. Enquanto isso, sites de streaming, incluindo o Netflix, causaram uma mudança completa no modo de distribuição e consumo de produções cinematográficas.

As produções coreanas tornaram-se mais acessíveis ao publico em geral, através do Netflix. Um grande exemplo é Man to Man. Foto: Netflix.
As produções coreanas tornaram-se mais acessíveis ao publico em geral, através do Netflix. Um grande exemplo é Man to Man. Foto: Netflix.

Filmes coreanos são geralmente vendidos para distribuidores estrangeiros, que então possuem direitos para distribuição em um país ou região. O que o Netflix tenta assegurar é o direito de distribuição global de seus conteúdos para que seus inscritos possam assistir em computadores, tablets, consoles de vídeo games e smartphones em qualquer lugar e a qualquer hora.

O serviço possui 109 milhões de inscritos ao redor do mundo e está disponível em 190 países, ou seja, assim que conseguir o direito de distribuição global de produções coreanas, como “Pandora”, pode ser o fim da linha para outros distribuidores.

Enfatizando seu apetite por cinema coreano, o Netflix anunciou a pouco que adquiriu os direitos de distribuição global ainda na etapa de produção de roteiro do filme “Forgotten”, que foi lançado na Coreia em 29 de Novembro.

Estreando Kang Ha-neul e Kim Moo-yeol, e dirigido por Jang Hang-jun, o filme segue a história de um homem que tenta descobrir a verdade sobre o sequestro de seu irmão mais velho. O filme estará disponível no Netflix para o mundo todo no início de 2018.

De modo semelhante, o suspense “The Chase” de Kim Hong-sun, que estreou nas telonas em 29 de novembro, também será lançado pelo Netflix no próximo ano.

O filme sobre a busca de um assassino em série, estreando Baek Yoon-sik e Seong Dong-il, está sendo distribuído por um dos maiores distribuidores da Coreia, o NEW. O estúdio também vendeu para o Netflix os direitos globais de dois filmes ainda em produção: “Steel Rain” e “Psychokinesis”.

O suspense “Steel Rain” é o mais novo filme de Yang Woo-seok, que dirigiu o sucesso “The Attorney” e estrela Jung Woo-sung como um ex-agente norte coreano que tenta prevenir uma guerra nuclear na península coreana. Está marcado para estrear nos cinemas em 14 de dezembro, em tempo para a temporada de Natal.

Outro exemplo de sucesso foi Sonhos Lúcidos. Foto: Netflix
Outro exemplo de sucesso foi Sonhos Lúcidos. Foto: Netflix

Psychokinesis” é o próximo filme a ser lançado de Yeon Sang-ho sobre um homem que adquire superpoderes. O filme “Train to Busan”, do mesmo diretor, foi um sucesso de bilheteria com mais de 11,5 milhões de ingressos vendidos na Coreia e se tornou o filme coreano mais bem sucedido no exterior.

O filme “Psychokinesis” será lançado na Coreia em fevereiro, antes do Ano Novo Lunar, tendo a chance de atingir a plateia local antes de ser lançado no Netflix no próximo ano. Isso permite que o filme tente recuperar o investimento, enquanto permite que a audiência estrangeira veja o filme pouco depois de seu lançamento na Coreia. Uma desvantagem em potencial é que talvez influencie a seleção de produções para festivais futuros.

O Netflix também conseguiu os direitos de distribuição de dois outros títulos do NEW, “Pandora” e “Sonhos Lúcidos”, enquanto o estúdio coreano distribuiu o filme “Okja” do Netflix em cinemas locais independentes. Em contradição, as grandes redes, incluindo CGV e Lotte Cinemas, se recusaram a disponibilizar o filme alegando que isso iria prejudicar o sistema de distribuição.

O filme dirigido por Bong Joon-ho conquistou 320.000 ingressos vendidos apenas nas redes independentes de cinema, uma prova da influência do diretor, apesar de estar disponível online. Os vencedores não foram os estúdios locais, mas o Netflix e Bong ilustraram o enorme potencial de cobertura do filme e sua controvérsia tanto local quanto fora do país.

Okja. Foto: Netflix
Okja. Foto: Netflix

Okja”, que recebeu um financiamento de US$ 50 milhões de dólares inteiramente do Netflix, demonstra o desejo da empresa em produzir conteúdos exclusivos. Enquanto os estúdios de Hollywood continuam ainda baseando em franquias, sequências e reboots, está claro que o Netflix procura ser mais audacioso em relação ao conteúdo que financia. É incerto se um gigante de Hollywood iria tomar um passo tão arriscado como investir em um projeto como “Okja”.

O enorme orçamento de produção anual do Netflix (cerca de US$ 6 milhões só em 2017) significa que possui as condições financeiras para apoiar conteúdo locais. Diferente dos estúdios de Hollywood, onde títulos legendados ainda são arriscados, o gigante do streaming, que não precisa se preocupar com vendas de bilheterias, está louco para produzir conteúdo que chame atenção de mercados específicos ao mesmo tempo que oferece títulos para o público em massa.

Considerando que o conteúdo coreano continua popular não apenas localmente, mas no meio internacional também, em especial na Ásia, não é de se surpreender que o Netflix esteja abraçando filmes e séries de TV coreanos.

De fato, o conteúdo original do Netflix inclui dramas coreanos como “Love Alarm”, sobre um aplicativo especial, e a minissérie de seis parte de Kim Seong-hun, “Kingdom”, que estrela zumbis na Dinastia Joseon, e apresenta as estrelas Ju Ji-hoon e Bae Doona. Esses títulos serão lançados online no próximo ano.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO