Compartilhe

No início do mês de fevereiro, o coreógrafo Jay Kim esteve no Brasil ministrando um workshop para os brasileiros amantes de dança, e aproveitou a passagem para realizar um Meeting&Greet com os fãs.

Jay já levou seu trabalho para países da Europa, Ásia, América do Norte e, agora com a passagem pelo Brasil, marcou presença na América Latina.

Antes da dança, o coreógrafo já trabalhou como modelo e foi CEO de uma linha de roupas chamada “AM”. Em 2015, Jay começou a compartilhar seus vídeos dançando, no Instagram, e a partir daí, sua carreira como dançarino foi crescendo gradativamente, até que se tornou coreógrafo da academia de dança mais famosa da Coreia do Sul, a “1 Million”.

Ele trabalhou com artistas como Luhan (EXO) e na criação de outras coreografias em conjunto com Lia Kim, May J. Lee, e outros nomes conhecidos do 1M.

Estivemos presentes no Meeting&Greet do sábado (03), onde Jay Kim, muito simpático, respondeu às perguntas com muita atenção e detalhadamente.

IMG_17

A primeira pergunta foi o que ele achou do Carnaval de rua que participou. A resposta veio acompanhada de um largo sorriso e de frases como “Amei” e “Estava me sentindo de férias e recarregando as energias”.

Quando questionado sobre as diferenças em relação ao estilo de dança do pop americano e o do Kpop, Jay explicou que acredita que as coreografias norte-americanas focam muito mais na performance, enquanto o Kpop trabalha mais os movimentos em si e os detalhes.

Em seu trabalho, sua principal inspiração é o coreógrafo Kyle Hanagami, que, segundo Jay “É uma pessoa que me dá esperança e que não precisa ser o centro das atenções em suas coreografias. Ele permite que os outros se sobressaiam pelo seus trabalhos e façam coisas grandiosas“.

Falou também sobre quão aprofundado é seu processo de criação, e que a escolha da música independe se ela é famosa ou não, já que seu foco é o sentimento ou experiência vivida por ele. O importante é expressar um sentimento verdadeiro.

Escolhida a trilha, a próxima etapa é pensar na coreografia como um todo. E, por fim, ele aplica a dualidade de forças na coreografia: propondo movimentos mais leves para as mulheres, enquanto os homens ficam a cargo daqueles mais intensos.

No final, o mestre ainda deu dicas para quem quer se soltar mais na dança, “É preciso sempre experimentar coisas novas e estar aberto a novas experiências“.

O Koreapost tam bém colheu alguns depoimentos de pessoas que se inscreveram e participaram do workshop e do fan meeting:

Fui ao workshop de dança do Jay Kim no sábado (3) à tarde. Foi muito legal e dançamos muito. Ele é muito divertido e animado. Também nos ensinou uma coreografia dele mesmo! Nossa, foi muito show! Durante a aula ele sempre dava atenção aos alunos e repassava os passos com cada grupo, com muita paciência e carisma. Sempre com um sorriso no rosto e animado. Dançou com muita emoção e demonstrou seu amor pelo seu trabalho. Nos motivou a continuar a perseguir nossos sonhos e alcançá-los.

Com muita força e alegria brincando e sorrindo conquistou a turma, fazendo os passos da coreografia que era sobre o amor e superação.

Ao finalizar a aula depois de todos dançarem juntos, fez a apresentação completa para nós. Ele não conseguiu conter a emoção e chorou no final. Todos o abraçamos, e isso o fez mais alegre. Ele pode sentir o carinho de todos que estavam lá. A aula foi de uma energia muito boa e pura, todos ficamos felizes e emocionados, podia-se notar nos olhos.”

Charles Martins
Funcionário Público e Colunista do Koreapost

JAY KIM E CHARLES

 

Bom, eu sou totalmente suspeita. Porque, primeiro eu amo dança e amo música. Se juntar os dois então, ferrou. Me ganha por completo. Eu descobri o 1 Million relativamente há pouco tempo, com Bongyoung Park dançando “Me Like Uh”, do Jay Park. Me apaixonei pelo Studio e comecei a acompanhar.

Quando eu soube que viria um deles aqui, eu surtei. Acho que fui uma das primeiras a comprar o workshop! Mas quando eu vi que teria um Meeting, também quase infartei. Porque pensei na possibilidade de chegar mais perto dele!

Acho que a Storyvent acertou em cheio nessa ideia do Meeting. Embora a gente saiba que só foi possível porque o número de pessoas era pequeno, mas isso provocou uma aproximação com o Jay que nem nos meus melhores sonhos ou nos mais otimistas dos meus pensamentos eu poderia imaginar acontecer.

Eu amei. Achei organizado, achei ele à vontade e achei que isso repercutiu na maneira como ele se comportou com a gente, foi muito simples e simpático. A equipe foi menos rigorosa e ele pode ser mais acessível com a gente, para nossa sorte.

Se for pra dar nota, de 0 a 10, eu dou 12!

Suzy Aquino – “Canal da Omma”IMG_28

E ele ainda deixou uma última mensagem para o Brasil!

Algumas coreografias que Jay ministrou no workshop nos dias 3 e 4 foram:

Let it go – James Bay

Cruel – Snakeships feat Zayn

Surrender – Cash Cash

Lego House – Ed Sheeran

Give Up – Nathan Sykes

Something just like this – The Chainsmokers & Coldplay

 


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO