Compartilhe

Antes de chegar na Coreia, Christian Burgos trabalhou como intérprete de língua coreana em uma mina de cobre no México.

Christian Burgos (Park Hyun-koo / Korea Herald)
Christian Burgos (Park Hyun-koo / Korea Herald)

Os dias difíceis na mina empoeirada muitas vezes o empurraram para o seu limite, mas ele se apegou à ideia de comprar uma passagem de avião para a Coreia, sua primeira viagem no exterior. Três anos depois, o mexicano é uma das celebridades estrangeiras mais ativas no setor de entretenimento coreano.

Quando eu assisti pela primeira vez ao show de variedades coreano ‘Quiz to Change the World’ no México, fiquei imediatamente atraído pela cultura coreana e sua língua. Então eu comecei a aprender coreano com as legendas do show e, depois de seis meses, comecei a trabalhar em uma mina de cobre afiliada a uma empresa coreana para ganhar dinheiro suficiente para comprar uma passagem para a Coreia e desenvolver meu coreano”, disse Burgos durante uma entrevista.

Christian Burgos (Korea Herald)
Christian Burgos (Korea Herald)

Por minhas experiências com os coreanos na mina, quando cheguei aqui, eu já estava bem adaptado à cultura coreana, como por exemplo, eu sabia usar honoríficos quando conversava com os mais velhos. Mas eu não tinha ideia de que eu iria me estabelecer aqui. Meu plano era apenas ficar por seis meses com uma passagem de ida e volta”.

Mas isso não era o que o seu destino tinha reservado para ele. Alimentado por seu talento natural e coreano fluente, Burgos fez uma audiência para o “Non-Summit”, um programa de entrevistas onde os estrangeiros de língua coreana de todo o mundo discutem vários tópicos e se tornou membro do elenco regular.

Christian Burgos participa do JTBC talk show “Non-Summit.” (JTBC)
Christian Burgos participa do talk show “Non-Summit”. Foto: JTBC

O programa não só alterou o status de seu visto, mas também a direção de sua vida. Apesar de sua visão do campo de entretenimento, mergulhar de cabeça era um assunto completamente diferente.

Como a fome e pobreza já o perseguiam no México, na Coreia, tendo conseguido apenas o dinheiro para a passagem, sua vida não era muito diferente. Burgos costumava comer apenas uma refeição por dia e viver em um goshiwon devido à falta de dinheiro.

Christian também enfatizou que ficou chocado com a rapidez com que as novidades circularam pela rede e, eventualmente, impactaram sua vida e sua carreira na Coreia. Ele notou também que, na Coreia, quando uma celebridade comete um erro ou causa um problema, essa figura é  imediatamente retirada de cena.

Essa celebridade é então retirada do circuito. Eles não aparecerão mais em programas de TV por anos, ou mesmo para sempre, e isso é assustador e chocante. Ao contrário da Coreia, no México, cerca de 20 vezes maior do que a Coreia, os escândalos e os rumores podem tornar as celebridades ainda mais populares”, afirmou.

20171120001218_0

Foi assim que eu aprendi que, para sobreviver neste mundo, eu vou ter que ficar longe dos problemas. E é por isso que costumo evitar festas ou encontros”.

Considerado um caso de sucesso entre os estrangeiros que procuram estrear na Coreia, Burgos disse que muitas vezes recebe mensagens de seus seguidores pedindo conselhos. E é isso que ele quer dizer a eles: “As pessoas podem ter o mesmo objetivo geral, mas não tente seguir os outros. Procure sua própria direção e capacidade”.

Olhe para mim. Trabalhando em uma mina de cobre? Quem gostaria disso? Mas eu fiz, não importava o quanto fosse difícil, porque acreditava em mim mesmo”.

Christian Burgos participa de um evento Hanbok no palácio Gyeongbokgung, em Seul, em outubro. (Hanbok Advancement Center)
Christian Burgos participa de um evento vestindo um Hanbok no palácio Gyeongbokgung, em Seul, em outubro. (Hanbok Advancement Center)

Burgos foi nomeado recentemente como Embaixador da Boa Vontade pelo Hanbok Advancement Center, vestido o tradicional Hanbok. Ele também é tecladista em uma banda chamada “Hangeul”, composta por nove estrangeiros que executam trilhas sonoras coreanas com instrumentos tradicionais coreanos e instrumentos musicais ocidentais. Mas o objetivo final de Burgos é tornar-se uma ponte cultural entre o México e a Coreia.

Quem sabe? Eu poderia tornar-me o embaixador do México na Coreia um dia. Por sinal, o “melhor” da história”, disse ele.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO