Compartilhe

Localizado no bairro do Bom Retiro em São Paulo, o Instituto de Dança Tradicional Coreana iniciou suas atividades em 2014 com o objetivo de ensinar e difundir a milenar arte coreana da dança (한국무용). Ela é a única no Brasil dirigida por pessoas formadas na área e sob supervisão de profissionais e professoras renomadas na Coreia. Após três anos sob a direção da Profa Young Ok Shin – formada em dança tradicional coreana pela Ewha Womans University – a partir de 2017 está sob a direção da Profa Esther Moon Hee Lee – formada em dança tradicional coreana pela National High School of Traditional Korean Arts e em artes cênicas/teatro pela Seoul Institute of the Arts (famosa pelos inúmeros idols e artistas que saíram de lá). Nesta entrevista exclusiva, Esther Lee fala sobre a dança e a instituição que dirige.

Apresentação na 21ª Festa da Imigração realizada no Museu da Imigração, São Paulo
Esther Lee na 21ª Festa da Imigração realizada no Museu da Imigração

KOREAPOST: O nosso site cobriu alguns eventos onde você se apresentou e notamos a sua paixão pela dança, estamos corretos?
ESTHER LEE: Ah sim (risos)! Boa parte da minha família é de alguma maneira ligada à arte: minha mãe foi cantora profissional e membra de corais de diversos canais de TV coreanas, como TBC, MBC e KBS e meu pai é violinista formado em música e regente de orquestra, tenho uma prima que é cantora lírica e professora universitária de canto e por aí vai. Então desde pequena eu fazia diversas atividades artísticas recreativas mas a que mais gostava era a dança tradicional coreana, que comecei a praticar com oito anos de idade. Alguns anos depois, percebi que gostava muito e passei a me dedicar exclusivamente à dança tradicional coreana, estudando com professores de alto nível. Então, foi natural que depois eu quisesse me aprofundar ainda mais e assim graduei-me com honras na National High School of Traditional Korean Arts, que é uma das instituições de excelência na área e que teve como uma das fundadoras a Profa Young Suk Han (벽사 한영숙), uma das maiores de todos os tempos nesta arte e uma das pessoas consideradas como “Tesouro Nacional Humano” na Coreia (인간문화재). A National High School of Traditional Korean Arts é uma instituição de ensino onde se aprende não só a dança, mas também toda a parte acadêmica relacionada à dança tradicional coreana como história, composição artística e demais aspectos teóricos.

KOREAPOST: O Instituto de Dança Tradicional Coreana agora está sob a sua direção. Como se deu esta transição?
ESTHER LEE: Tenho um carinho muito grande em ensinar, fui professora de dança tradicional coreana em Seul na academia de dança de uma amiga que se formou comigo e quando cheguei no Brasil também lecionei no Colégio Polilogos, que naquela época tinha esta disciplina no seu currículo. Algum tempo atrás  fui convidada pela Profa Young Ok Shin a atuar como professora assistente no Instituto de Dança Tradicional Coreana. No fim do ano passado, ela teve que se afastar do instituto para cuidar da saúde e com isso tornei-me a nova diretora, o que é uma grande responsabilidade pois somos o centro de referência na dança tradicional coreana no país e temos parceria de colaboração com o governo coreano através do Centro de Educação Coreana no Brasil. Quanto a mudanças, seguiremos as diretrizes da Profa Young Ok Shin de ensinar profissionalmente como se faz na Coreia, mas até pelo fato de eu ter me formado praticamente 40 anos depois dela, faremos algumas mudanças pois a própria dança tradicional coreana contemporânea modernizou-se nas últimas décadas, apesar de seguir a linha principal que vem há milhares de anos. Por exemplo, a preocupação em adotar movimentos com maior amplitude espacial a partir do momento que a dança passou a ser apresentada em palcos e não mais em pequenos espaços. O que certamente irá continuar é a nossa preocupação em ensinar e divulgar a dança tradicional coreana da maneira correta, pois representamos uma arte milenar que é levada muito a sério na Coreia e que tem muitas de suas danças elevadas à categoria de patrimônio cultural.

Esther Lee e a Profa Young Mi Kim na Sejong University
Esther Lee e a Profa Young Mi Kim na Sejong University

KOREAPOST: Haverá mudanças ou alguma novidade para este ano?
ESTHER LEE: Acabei de voltar da Coreia, onde passei por um curso intensivo com a Profa Young Mi Kim, que foi uma das alunas mais brilhantes e próximas da Profa Young Suk Han. A Profa Young Mi Kim foi minha ex-professora na National High School of Traditional Korean Arts (e também foi ex-diretora da instituição) e é atualmente professora na Sejong University (uma das maiores no ensino da dança tradicional coreana) e curadora do patrimônio cultural n° 40 (중요무형문화재 학무 40호 이수자) através da Young Suk Han Hakmu Preservation Society, entidade oficial que trabalha também para preservar o estilo de dança da Profa Young Suk Han através de danças como o Salpuri, Seungmu, Hakmu e Taepyeongmu. Também tive aulas com a Profa Ji Yoon Chung, minha veterana na National High School of Traditional Korean Arts e doutora em dança tradicional coreana pela Sejong University, além de atual presidente da Young Suk Han Hakmu Preservation Society e da companhia de dança tradicional coreana que leva o seu nome. Quando contei a elas sobre ser nomeada como a nova diretora do Instituto de Dança Tradicional Coreana em São Paulo, recebi um grande apoio e orientações que irão me ajudar muito na condução do curso daqui para a frente e ainda tive a honra de ser nomeada como a única diretora da Young Suk Han Hakmu Preservation Society na América Latina. Outra grande novidade é que a partir de agora teremos uma coordenadora artística: Profa Yoora Ahn, formada pela Sookmyung Womans University em dança tradicional coreana e ex-membra da Samsung Korean Traditional Dance Company – Jung Jae Man e do Jung Dong Korean Traditional Dance Company. Este ano teremos novas danças e coreografias que estamos preparando para as diversas apresentações que faremos ao longo do ano, aguardem!

12345
Profa Young Mi Kim, curadora do patrimônio cultural coreano n° 40
123456
Profa Ji Yoon Chung em apresentação de “Dança com Tambor de Jindo”

KOREAPOST: E quais são os planos do Instituto de Dança Tradicional Coreana para o futuro?
ESTHER LEE: Teremos muitas novidades a partir de agora, mas no momento não posso adiantar muita coisa, é segredo (risos). Em janeiro iniciamos uma classe somente para alunas com idade entre 10 e 15 anos e desejamos trazer mais alunas não descendentes de coreanos, no que já aproveito para convidar leitoras do Koreapost para nos conhecerem melhor, quem sabe em breve não irão se juntar a nós? Lembro que o nosso objetivo não é manter a dança tradicional coreana somente entre descendentes de coreanos, mas sim ensinar brasileiras não descendentes de coreanos e assim criar um ambiente de harmonia entre coreanos e brasileiros através da dança, mostrando o quanto a arte da dança tradicional coreana é bonita e emocionante. Temos feito um trabalho árduo nesse sentido, fazendo apresentações organizadas pelo governo coreano e também pelo governo brasileiro através das prefeituras de São Paulo, São Caetano do Sul e Recife, por exemplo.

KOREAPOST: Gostaria de deixar alguma mensagem para finalizar a entrevista?
ESTHER LEE: Primeiramente, agradeço ao Koreapost e a todos que estão lendo esta entrevista, é um grande prazer falar sobre a dança tradicional coreana e sobre a nossa instituição de ensino. Fazemos tudo movidas pela paixão à dança tradicional coreana e com o intuito de fazer chegar às pessoas este que é um aspecto muitíssimo importante da cultura coreana. E claro, não só de apresentar mas também de ensinar corretamente às interessadas em aprender, no que aproveito para dizer que a dança tradicional coreana não é apenas bonita mas é uma excelente forma de exercício físico, vocês não tem ideia de como ela auxilia não só a manter a forma, mas também a saúde mental! Temos uma página no Facebook (link aqui), as interessadas em nos conhecer podem enviar uma mensagem por lá para agendar um horário de visita, estaremos de braços abertos esperando a todos!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




2 Comentários

  1. Que entrevista bacana.
    Adorei!👏😍
    A Esther é muito talentosa ,fiquei curiosidade de vê-la dançar.
    Quando vejo suas fotos em suas postagens no face, o seu semblante brilha .
    Imagino ela como ser lindo.
    Ainda mais sendo tão gentil em agradecer aos seus leitores.
    Dá mais vontade de fazer o curso com ela.Que pena que moro tão distante 😢
    Quem sabe um dia….✌😉

  2. Uau!!! Muito interessante mesmo, acho lindo como a Coreia é ao mesmo tempo tão avançada e moderna mas ainda mantém tanto de sua cultura tradicional, e fico muito feliz em saber que temos um pouco disso aqui no Brasil em SP 😍, pra mim é tão interessante tudo isso, fiquei com muita vontade de assisti-la dançar, pelas fotos que já vi no facebook não tenho nenhuma dúvida de que é no mínimo lindo!!

DEIXE UM COMENTÁRIO