Compartilhe

Conforme publicado ontem pelo jornal The Korea Herald, diante das crescentes ameaças nucleares e mísseis da Coreia do Norte, a Coreia do Sul busca desenvolver um míssil balístico capaz de transportar ogivas poderosas o suficiente para destruir as instalações militares subterrâneas do regime comunista e os comandos de guerra.

O governo está considerando um plano para construir um novo míssil balístico terra-a-chão que poderia atingir toda a Coreia do Norte e carregar até 2 toneladas de ogivas.

south-korea-displays-missile-capable-of-hitting-any-target-in-north-korea

A medida foi revelada um dia depois que o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e seu homólogo americano, Donald Trump, concordaram em eliminar os limites da carga útil dos mísseis sul-coreanos. Anteriormente, a Coreia do Sul baniu o uso de cabos de guerra pesados com mais de 500 quilos em seus mísseis balísticos com uma faixa de 800 quilômetros.

É crucial apresentar medidas poderosas e práticas que possam fazer a Coreia do Norte perceber o impacto de suas ações“. Estas palavras foram atribuídas ao presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, conforme informações fornecidas pela Cheong Wa Dae (Palácio do Governo Coreano) durante uma conversa por telefone com o presidente dos EUA, Donald Trump, na segunda-feira.

Tais movimentos vieram como parte dos esforços para endereçar a problemática entre a Coreia do Sul e Coreia do Norte.

moon_flag001-e1494508671714

Se a Coreia do Sul tivesse permissão para desenvolver um novo míssil com uma carga útil de mais de 2 toneladas, teria possivelmente formas de possuir a sua própria ferramenta para retirar as instalações militares subterrâneas da Coreia do Norte além das empregadas pelos militares dos EUA, como a Bunker Buster Bomb, observaram analistas.

Em um esforço para reforçar a sua resposta militar ao programa de armas de avanço rápido da Coreia do Norte, a Coreia do Sul estaria também estabelecendo uma brigada especial encarregada de eliminar a liderança da Coreia do Norte.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.




DEIXE UM COMENTÁRIO