Foto: KoreaTimes

Quando Ryu Han-na, uma estudante universitária de 20 anos, fez uma cirurgia plástica no nariz em meados de dezembro, ela teve um motivo simples: pode ser a última chance de fazer isso secretamente, antes que as pessoas comecem a tirar as máscaras este ano à medida que as vacinas são distribuídas.

O grande interesse dos coreanos por cirurgias plásticas
Foto: Público

Ryu, que frequentou seus cursos online ao longo de 2020, disse que a capacidade de se recuperar em casa e usar uma máscara em público sem chamar a atenção foram fatores decisivos. “Eu sempre quis fazer uma plástica no nariz … Achei que seria melhor fazer agora, antes que as pessoas comecem a tirar as máscaras quando as vacinas estiverem disponíveis em 2021“, disse ela enquanto se preparava para o procedimento de 4,4 milhões de won (US$ 4.013). “Haverá hematomas e inchaço da cirurgia, mas como todos nós usaremos máscaras, acho que isso deve ajudar“, acrescentou ela.

O grande interesse dos coreanos por cirurgias plásticas
Foto:Tribuna de Macau

Essa atitude está alimentando a demanda por essas operações na Coreia do Sul, que já havia experimentado um aumento na cirurgia estética em 2020. O país tem sido uma das capitais mundiais da cirurgia estética mesmo em tempos não pandêmicos. O setor estima ter lucrado cerca de US$ 10,7 bilhões em 2020, um aumento de 9,2% no comparativo anual, e deve girar em torno de US $ 11,8 bilhões este ano, de acordo com a Gangnam Unni, a maior plataforma online de cirurgia estética do país.

Os cirurgiões plásticos dizem que os pacientes se interessam por todas as partes do rosto: aquelas que podem ser facilmente escondidas sob máscaras, como nariz e lábios, assim como aquelas que as coberturas faciais não escondem, que alguns consideram o critério de beleza na era do coronavírus.

As pesquisas cirúrgicas e não cirúrgicas sobre olhos, sobrancelhas, ponte do nariz e testa – as únicas partes visíveis – certamente aumentaram“, disse Park Cheol-woo, cirurgião da Clínica de Cirurgia Plástica WooAhIn, que estava encarregado da operação de Ryu.

O cirurgião Shin Sang-ho, que opera na Clínica de Cirurgia Plástica Krismas no centro do distrito de Gangnam, disse que muitas pessoas gastaram o pagamento de estímulo de emergência do governo em hospitais e clínicas, aumentando a receita no terceiro e quarto trimestre de 2020. “Eu senti como se fosse uma espécie de gasto de vingança. Percebi que os clientes expressavam suas emoções reprimidas (do coronavírus) fazendo procedimentos cosméticos“, disse Shin.

O grande interesse dos coreanos por cirurgias plásticas
Foto: Amino Apps

Dados do governo mostraram que de 14,2 trilhões de won (US$ 12,95 bilhões) de pagamentos realizados pelo governo, 10,6% foram usados em hospitais e farmácias, o terceiro maior segmento por classificação atrás de supermercados e restaurantes, embora os detalhes dos tipos de hospitais não tenham sido revelados.

Os dados da Gangnam Unni mostraram que seus usuários aumentaram 63% em relação ao ano anterior, para cerca de 2,6 milhões no ano passado. Eles solicitaram 1 milhão de sessões de aconselhamento, o dobro do ano anterior. A pandemia tornou mais difícil a promoção de serviços para clientes estrangeiros, por isso, no ano passado, a plataforma  adotou um enfoque mais local e regional. Mas uma terceira onda de coronavírus em casa continua sendo uma preocupação, já que o país relata casos recorde diários.

Recentemente, vimos um número crescente de cancelamentos de consultas, à medida que as pessoas se abstêm de sair de casa… especialmente os clientes dos subúrbios, em sua maioria, adiaram suas cirurgias para 2021”, disse Park.

Disclaimer

As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.