Reply 1994 | 응답하라 1994 (Answer Me 1994)
Ano: 2013 | Episódios: 21 | Emissora: tvN – Disponível na Netflix

É isso mesmo, nem só de drama novo vive a nossa coluna! Hoje vamos de recomendação de um clássico dos k-dramas, a “Malhação” da Coreia, sim, mais um da trilogia Reply!

E não que tenha uma ordem certa para assisti-los, pois as histórias não são relacionadas, mas digamos que para você entender a vibe, a trilha e alguns “easter eggs” durante a trama, você precisa já ter visto “Reply 1997”, que foi um dos primeiros dramas que recomendei por aqui também.

Elenco de “Reply 1997” em uma cena de Reply 1994.

O drama conta a história de seis estudantes universitários, alguns deles do interior da Coreia do Sul como Jeolla, Chungcheong e Gyeongsang, que moram juntos em uma pensão em Sinchon, na cidade de Seul, que é administrada por um casal com sua filha chamada Sung NaJung (Go Ara).

Assim como em Reply 1997, a trama segue uma história não-linear que fica entre o passado em 1994 e o presente em 2013, levando os espectadores a adivinharem com quem Na-Jung se casou, entre os cinco personagens masculinos principais.

Quem será o maridão?

O mais legal da trama é que o enredo sempre acompanha os eventos históricos e culturalmente significativos que ocorreram no país a partir de 1994 e os anos seguintes, como o surgimento do grupo de K-pop Seo Taiji and Boys e a cultura de fã, o grande desabamento da loja de departamentos de Sampoong, o nascimento da Liga Coreana de Basquete e até mesmo a grande crise asiática de 1997, ou seja, além das histórias fictícias do drama que faz a gente querer ser parte daqueles momentos, a ambientação dá praticamente uma aula de história e faz tudo ficar mais sentimental para quem está assistindo.

 

Além desses, por se tratar de personagens que vem de diferentes locais da Coreia, a direção do drama se preocupou em colocar no elenco pessoas que fossem de fato de cada região em questão, para que os dialetos fluíssem da forma mais natural possível, o que deixa também únicas as características de cada um. Pra vocês entenderem um pouco, seria mais ou menos como os nossos sotaques e gírias que temos espalhados por todo o Brasil.

Para evitar qualquer tipo de revelação precoce, até os nomes dos personagens masculinos são revelados posteriormente. Eles são em sua maioria, apenas referidos por seus apelidos. Então, eu vou apresenta-los também pelos apelidos, para não ter qualquer tipo de spoiler nessa recomendação ~hehehe~

E esse é o momento em que eu comparo Reply com a Malhação da Coreia, pois sempre é considerado como o que eles chamam de “Star Make”, sendo esse drama a porta de entrada para grandes atores que você encontra em sucessos do cinema e TV coreana atuais.

Sung Na-jung (Go Ara)
Originalmente de Masan, Gyeongsang do Sul, é a filha mais nova do casal que administra a pensão, está se formando em Engenharia da Computação, é uma grande fã do jogador de basquete Lee Sang-min e tem tem uma personalidade descontraída mas também muito forte, e está vivendo seus primeiros dilemas da paixão.

“Sseureki” (que significa “Lixo” ou “Trash”) (Jung Woo)
Também de Masan, Gyeongsang do Sul, é estudante de medicina. Ele era o melhor amigo do irmão mais velho de Najung, e cresceu com os irmãos Sung, portanto, ele acabou sendo criado como um agregado da família e foi estudar também em Seul. Mesmo sendo o “oppa” de NaJung, ele foi criado e mimado pela família da pensão e é extremamente especial para todos, mas na realidade é muito mais maduro do que parece e tem um senso de responsabilidade muito grande com todos.

“Chilbong” (que significa “Sete shutouts” – pontuação do baseball) – (Yoo Yeon-seok)
Embora seja apenas um calouro na faculdade, o famoso “garoto de Seul” é o arremessador número um da equipe de beisebol da Universidade Yonsei e queridinho do pai da NaJung.

“Binggeure” (que significa “Smiley”; em referência ao time de beisebol Binggrae Eagles) – (Baro do B1A4)
O primo de Chilbong que veio de Goesan, Chungcheong do Norte para estudar também medicina, mas vive um grande dilema se é isso mesmo que ele quer para a vida. Um jovem muito sensível e leal, que está apenas tentando acertar as escolhas da vida, em diversos âmbitos.

“Samcheonpo” (em referência a sua cidade natal) – (Kim SungKyun)
Estudante que aparenta ser muito mais velho do que realmente é, mas na verdade é o “maknae” da turma. O legítimo garoto do interior, cheio de manias e super certinho, mas que em Seul descobre as maravilhas da cidade grande.

“Haitai” (em referência ao time de beisebol Haitai Tigers) – (Son HoJun)
É o descolado da turma. Seu pai é o CEO da empresa de ônibus Suncheon Transportation Inc., então apesar de ser também mais um garoto do interior, vindo de Jeolla do Sul, está sempre atento a última moda e a como as coisas em Seul funcionam diferentemente de sua terra natal, mas ainda com aquela essência de garoto da porteira.

Jo YoonJin (Min Do-hee)
Uma grande fã de Seo Taiji and Boys que veio de Yeosu e apesar de baixinha, é a mais durona e bastante introvertida, mas com seu coração enorme se torna uma grande amiga de NaJung.

Sung Dong-il e Lee Il-hwa
Os lendários pais que a gente mais ama, que por incrível que pareça são os mesmos atores nas 3 temporadas da série, dessa vez vem como o treinador do time de beisebol Seoul Ssangdungi e a administradora da pensão em Seul, e pais de Na-jung. Sem eles a trama não seria a mesma, sendo eles a grande base de tudo, é como se eles cuidassem dos seis jovens como filhos deles mesmo.

Você consegue assistir todos os 3 Reply’s na Netflix, porém, o aviso que eu deixo é que se puder ver por fora, veja, pois ao comprar os direitos da trilogia, a Netflix não comprou alguns direitos de imagem e músicas, então, acaba acontecendo de algumas (muitas) cenas que eles estão vendo na TV serem borradas e algumas cenas com músicas como as do Seo Taiji serem substituídas por músicas padrão do stream. Se não tiver como, veja pela Netflix mas já sabendo dessas limitações.

A trilogia Reply com certeza segue sendo minha preferida, e na minha opinião uma das melhores para você conhecer bastante da cultura coreana e o princípio de muitas coisas que são extremamente fortes na cultura deles até hoje.

 

Agora falta eu assistir o 88, e com certeza eu volto aqui para contar sobre ele!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.