O veganismo se tornou mais forte na indústria de cosméticos local, pois o foco crescente nos direitos dos animais impactou o mercado. Kang, uma funcionária de escritório de 32 anos recentemente mudou sua rotina de beleza ao substituir seus cosméticos antigos por produtos que não haviam sido testados em animais.

Ela decidiu fazer a mudança enquanto procurava produtos cosméticos com menos ingredientes químicos agressivos para tratar sua pele cada vez mais sensível e propensa a acne. Mas a sensibilidade de sua pele não é a única razão pela qual ela “reformulou” sua coleção de maquiagem.

Kang é uma consumidora ética que se preocupa com os direitos dos animais. Como proprietária de cães, ela disse que está tentando comprar produtos com base em seus valores, com foco em itens livres de crueldade.

Sérum hidratante da marca Innistree. Foto: us.innisfree.com

“Eu não sou vegetariana, mas estou buscando um modo de vida sustentável e ecológico, reduzindo compras desnecessárias ou tentando comprar produtos melhores para a terra, como tecidos recicláveis ou itens sem crueldade. Não sou ativista do meio ambiente em tempo integral, mas tento fazer o que posso no meu dia a dia para proteger o meio ambiente e meu cachorro”, disse Kang.

Os cosméticos veganos são apenas o começo na Coreia

Ainda não existem dados oficiais do mercado, mas há um número crescente de consumidores – principalmente mulheres jovens entre 20 e 30 anos – com tendência a comprar cosméticos e produtos ecológicos livres de crueldade, afirmam especialistas do mercado.

Nascidos entre as décadas de 1980 e 1990, esse grupo demográfico adotou uma variedade de ideologias, incluindo feminismo e veganismo.

Há muito mais foco no que o produtos representam para o meio ambiente do que os produtos em si. Como parte desse fenômeno, o veganismo expandiu-se rapidamente na Coreia, passando de uma dieta de nicho para parte de um estilo de vida.

Um número crescente de coreanos está deixando de comprar, usar ou consumir produtos de origem animal e também procura produtos de cuidados com a pele que sejam cruelty-free.

Filtro solar da marca Purito. Produto cruelty-free e vegano. Foto: puritoen.com

Os produtos cosméticos veganos, em particular, concentram-se no uso de ingredientes orgânicos e botânicos, evitando testes em animais. Além disso, uma lei introduzida em 2017 para limitar os testes em animais transformou amplamente o processo de fabricação da indústria de cosméticos coreana.

A lei estipula que os fabricantes de cosméticos não devem fabricar produtos que incluam ingredientes testados em animais, eles não devem testar seus produtos em animais e não devem distribuir produtos que foram testados em animais.

Há, no entanto, algumas excepções. As exceções permitem que os fabricantes realizem testes em animais para produtos que serão exportados para os países que os exigem. Algumas grandes empresas já estão adotando um sistema de fabricação livre de crueldade.

A AmorePacific, a maior empresa de cosméticos do país, proibiu testes em animais em produtos finais em 2008, enquanto a LG Household & Health Care interrompeu os testes em animais em todos os estágios de produção em 2012.

Kit para viagens com produtos miniatura da marca Laneige. Foto: us.laneige.com/ Instagram @beautybypol

Apoiadas pela tendência, as principais marcas de cosméticos estão entrando ativamente no mercado de cosméticos veganos. Innisfree e Laneige da AmorePacific começaram a lançar linhas de produtos cosméticos veganos.

Hourglass, marca de cosméticos norte-americana que vende produtos de beleza de luxo cruelty-free, tem visto um alto crescimento nas vendas desde que foi lançada em 2018 na Coreia do Sul.

Marcas de cosméticos locais, como Melixir, Dear Dahlia, Bonajour e Aromatica entraram no mercado nos últimos anos.

A lista de marcas cruelty-free e veganas na Coreia do Sul está crescendo rapidamente. Purito é uma das marcas sul-coreanas cruelty-free e eco-friendly muito bem conhecidas em diversos países e adoradas por seu propósito, preço e qualidade.

Até agora, muitas empresas lançaram apenas produtos para cuidados com a pele, pois alegam certa dificuldade em adicionar cores de longa duração em maquiagens veganas. No entanto, mais empresas estão lançando produtos de maquiagem colorida no mercado.

Quarteto de sombras veganas da marca Athe. Foto: Koreatimes

A LF, empresa de moda da LG, lançou recentemente uma nova sombra vegana, através da sua marca de cosméticos veganos “Athe” em fevereiro.

A empresa de moda lançou a marca de cosméticos em outubro do ano passado, com o objetivo de vender produtos de “beleza autêntica”, ao descobrir que o mercado emergente tem um grande potencial de crescimento, apoiado pelo crescente número de clientes que desejam comprar produtos produzidos de acordo com suas crenças.

“Os produtos veganos recentes são feitos não apenas usando ingredientes orgânicos em um processo ético de fabricação, mas também garantindo melhores produtos para a pele em áreas como antienvelhecimento ou clareamento”, disse Kim In-sook, chefe de produtos da LF Cosmetic.

“Era difícil para os produtos de maquiagem serem aprovados por uma organização internacional como um produto vegano, porque sua cor normalmente não possui uma longa duração suficiente para atender aos padrões internacionais. Mas certamente está mudando, pois muitas linhas de maquiagem vegana estão começando a ser aprovadas”, disse um especialista do setor.

Especialistas dizem que este comportamento é um reflexo de uma tendência recente do consumidor, focando em comprar mais produtos fabricados de maneira ética ou expressar seus valores através do consumo.

Nas últimas décadas, os produtos de comércio justo também vêm ganhando atenção entre os clientes. “O mercado de cosméticos veganos não é tão grande comparado ao mercado de cosméticos existente. No entanto, está crescendo gradualmente entre os jovens. Por exemplo, ao comprar um presente para uma mulher na casa dos 20 anos, um produto vegano de cosméticos pode ser um bom produto que lhe permite expressar sua filosofia sobre a sociedade “, disse Choi Hyun-jin, funcionária da LF.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.