Tem momentos em que é vantagem ser um descendente de coreanos vivendo no Brasil. Entre outras coisas, isso significa que você tem mais escolhas na hora das refeições. E a comida servida na minha casa sempre foi alvo da curiosidade dos meus amigos não-coreanos, pois geralmente a única coisa que sabem é que coreano gosta de pimenta!

pimenta

Considero que tenho um nível de identidade coreana média, digo, sou brasileiro com certeza mas com certos traços culturais coreanos bem enraizados, especialmente na parte alimentar. Por exemplo, teve uma viagem de um mês em que não pude comer arroz e 김치 (acelga curtida), achei que ia morrer! Já durante uma estada de dois anos e meio nos EUA, tive tanta saudade de pastel, caldo de cana e feijoada que sempre que tinha alguém vindo do Brasil pedia para trazerem algo para mim!

Feijoada

Pela dinâmica do meu dia-a-dia, acabo almoçando em algum restaurante por quilo. No jantar, geralmente faço as refeições em casa e aí diria que em 70% delas são pratos coreanos e em 30% são pratos não coreanos. Não citei o café da manhã porque não há escolhas neste caso: é pão com frutas, estilo brasileiro. Recuso-me a comer arroz às sete da manhã, algo que é natural para os coreanos mas não para mim! Também gosto de ir em restaurantes coreanos e quando vou, são sempre os mesmos pratos: 불고기 (bulgogui – carne marinada assada), 비빔밥 (bibimpap – risoto com vegetais) ou 갈비탕 (sopa de costela).

bibimpap

Por falta de tempo, em casa não conseguimos fazer pratos elaborados como os que são servidos nos restaurantes, mas nunca podem faltar o arroz e 반찬 (banchan – acompanhamentos). E sempre há algum prato principal, como 닭도리탕 (dark dori ttang – frango ensopado) e 된장찌게 (duenjang tiguê – ensopado de pasta de missô) ou alguma sopa como 미역국 (mi-yok kuk – sopa de algas), por exemplo. Nas vezes em que não comemos comida coreana, é macarronada, bife com fritas ou estrogonoffe, pratos que todos conhecem bem e dispensam apresentações! Uma curiosidade, o arroz (밥) é tão importante que em coreano a palavra é usada no sentido de refeição: 밥 먹자 (“bap mokja”) significa “vamos comer”, por exemplo.

1974348_908927899153639_5156529983068235166_o

E falando em comida coreana, acredito que boa parte dos que são descendentes de coreanos tem ou tiveram uma avó daquelas que eram cozinheiras de mão cheia. Eu tive a sorte de ter tido duas, tanto do lado materno como do lado paterno. Cada visita à casa delas era um passeio gastronômico, pois como cuidavam da casa, tinham mais tempo para se dedicar ao preparo da comida. Comidas que requeriam bastante trabalho, como o 설렁탕 (soel lon ttang – sopa de ossos de boi), também eram feitos em casa.

sopa de ossos de boi

Lembro que eu sempre era saudado por elas com um 밥 먹었어? (“bap-mogossó?”) que em português seria algo como “já comeu?”. É a maneira como os mais velhos saudavam os mais jovens e cuja explicação daria outro longo texto, mas que basicamente é devido aos tempos difíceis atravessados pela Coreia, onde comer era um luxo. Lembro também que eu nunca comia antes dos adultos e que sempre dizia 잘먹겠습니다 (“jal-mokkessumnida” ou “irei comer bem”) antes de botar os palitos na cumbuca. Bons tempos, só de pensar já sinto o cheiro da comida delas, saudade das minhas avós!

Bruno


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



26 COMENTÁRIOS

    • Simone, o segredo é comprar uma dessas panelas de arroz. Se o orçamento permitir, uma a pressão seria o ideal. Você consegue encontrar da marca Cucko no Brasil, que é uma das mais famosas da Coreia, garanto o arroz fica com outro sabor! O arroz mesmo você usa esses tipo japoneses como Yanagui ou Momiji! Em casa misturamos com arroz integral, fica jóia!!!!!

  1. Essa é a coluna que mais tenho gostado de acompanhar. Acho muito interessante como a culinária coreana não desperdiça nada. Tem sopa de ossos, sopa de sangue, coisas que normalmente a gente não utiliza (apesar que em Minas existe o famoso frango ao molho pardo). Nunca tive a oportunidade de experimentar nada, mas visualmente a culinária coreana é tudo bem agradável.

    • Obrigado Bianca!! É verdade, a culinária coreana tem esse “aspecto zen” de não desperdiçar nada. Mas cá entre nós, eu não curto esses pratos que levam sangue, rsrsrs. Algo que os coreanos comem e que os brasileiros deviam comer são algas marinhas, que são extremamente nutritivos e tem em abundância no Brasil!

  2. Gostei muito da sua reportagem.
    Só de ler e ver as imagens dá agua na boca.Conheço poucas coisas sobre a culinária coreana,mas já experimentei algumas no restaurante Portal da Coréia,e o pouco que comi adorei.

    • Obrigado Mayumi!! Se foi no Portal da Coreia, ótimo! É um excelente restaurante e os donos são grandes conhecedores da cultura coreana! Para quem não conhece, procurem na internet, fica na Liberdade, São Paulo.

      • Obrigada Bruno. Quando puder nos dê mais dicas de outros restaurantes e supermercados onde possamos comprar ingredientes para fazermos alguma comida em casa.Adoraria fazer o kimchi mas sem o tempero de peixe,vc acha que ficaria bom?
        Obrigada pela sua atenção.

        • Eu particularmente não gosto do kimchi com tempero de peixe, gosto de um kimchi com sabor mais leve e fresco. Quanto a dicas de restaurantes e supermercados, vou anotar aqui e fazer um dia desses, ok? Obrigado pela dica! 😉

  3. Muito boa materia, ajuda os brasileiros a se familiarizarem um pouco mais c/ a cultura coreana, o que contribui quanto ao respeito a diversidade. Voce teve muita sorte de ter tido avos cozinheiras de mao cheia. Eu, como descendente de coreanos, passei a maior parte da infancia com a comida coreana da minha mae, algo que nao gostava pois ela nao era boa na cozinha (nem minha avo) e tb por ter tantas opcoes boas no Brasil, sempre na vontade de comer mas nao ter isso na mesa. Hoje gosto mais da culinaria coreana do q quando era crianca, mas raramente sinto “cravings”, posso viver perfeitamente sem o guimchi por exemplo. Um aspecto da culinaria coreana eh o cheiro q os brasileiros nao estao acostumados e podem acabar criando certo desprezo pela culinaria. Mas a comida eh saudavel sim, quase nao ha frituras, mas muitas verduras.

    • Olá Cristina! O intuito da coluna é esse mesmo, de mostrar aos “brasileiros” (como seu eu não fosse um… rsrs) um pouco do nosso lado coreano, justamente porque quando a gente não conhece algo, é aí que surgem os preconceitos. Quanto ao cheiro, notou que cada cultura tem a sua comida fedorenta? Gorgonzola, queijo ralado no macarrão e por aí vai… e os coreanos tem o 청국장, que até eu me sinto mal de cheirar. Minha mãe sempre me conta a historia de quando fomos expulsos de um prédio por casa do cheiro de comida, quando moramos no Chile nos anos 70. Hoje é engraçado, mas foi uma triste experiência. Acho que no fim das contas, o que vale é o bom senso, né? A gente também não pode chocar os que não estão acostumados com certos temperos ou cheiros. E quanto a ser saudável, acho que não há dúvidas sobre isso!! 🙂

  4. Achei o post mt legal, entretanto fiquei com uma fominha danada kkkkkk e enfim entendi pq nos doramas os personagens dizem: “bap-mogossó” é tão meigo. Hihihi
    Pf Bruno continue escrevendo, eu amo ler os posts assim, que me deixam ainda mais curiosas sobre a Coréia.
    Até a próxima.

    • Naelene, muitíssimo obrigado por ler o meu texto! O intuito é esse, matar a curiosidade dos “não-coreanos” sobre aspectos da cultura coreana, de um modo divertido e informal! Quanto aos dramas, são feitos de propósito para exalarem meiguice por todos os lados, né? kkkkkkk

  5. Confesso que chorei no final de seu post. Me fez lembrar de minhas avós. Sem falar nas novas palavras em coreano blque aprendi. Parabéns pelo blog. Ganhou mais uma fã.

  6. Meus amigos vão muito em restaurante japonês, chinês e de outros países. Mas como uma apaixonada pela cultura coreana, gostaria muito de encontrar um coreano em MG. É bem difícil em Belo Horizonte até hj não encontrei.as quando encontrar juro que experimento de tudo que tiver.

  7. Sempre tive essa curiosidade dos coreanos que moram no Brasil. Haha
    Mas é legal em saber que mesmo que não esteja na Coreia, a cultura não deve ser jamais deixada de lado, mesmo vivendo em outro país, principalmente quando se trata de bons costumes e de boas comidas.
    Confesso que ainda não comi nenhuma comida coreana, mas tenho muita curiosidade e vontade de prová-las, acho um máximo ver um monte de cumbuquinhas de acompanhamentos colocadas na mesa, fora que é tudo tão saudável e cheio de detalhes. Não quero só prová-las, quero aprender a fazê-las também. Mas se já e dificil encontrar restaurante coreano por aqui, imagine os ingredientes. Aceito o kit, viu? Huahua

    Enfim, ótimo post caro Bruno! Sucesso sempree!

    • Juliana!!! Obrigado pelo carinho de sempre! Na verdade, nem falei tanto em detalhes sobre a culinária coreana, ela é infinitamente mais complexa e variada do que os pratos que eu citei! Olha, deixa eu ver esse negocio do kit que mais gente está me pedindo agora que comentei! kkkkkk…

  8. Amei o post *-* esclareceu muita coisa que via nos dramas e não entendia, como o “bap-mogossó?” sempre que se encontravam com alguém kkkkkkk. Espero que um dia possa acompanhar essa cultura maravilhosa de pertinho, lá na Coréia! 🙂

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.