No último post, aprendemos sobre as 24 divisões sazonais do período dinástico da Coreia e como isso afetava o povo. Como sociedade que vivia da agricultura, essas divisões ajudavam muito no plantio e cultivo. Além disso, ditava toda a vida do povo, que ia desde o trabalho até o descanso. Apesar das divisões existirem até hoje e estarem, inclusive, no calendário coreano, muitas pessoas não sabem do que se trata e algumas tradições acabaram se perdendo nas cidades grandes. Mas em alguns locais, elas sobrevivem firmes e fortes.

Primavera Na Coreia. Fonte: Trazyblog

Hoje vamos saber mais sobre os festivais que aconteciam na primavera e o que cada um representava para o povo. A primavera significava o renascer, quando o gelo finalmente derrete e as plantas e animais voltavam à vida. Podemos notar que alguns festivais ainda são celebrados e amplamente conhecidos.

설날 Sol Nal – Ano novo do calendário lunar

Tradições Primaveris

Em 2021 o ano novo coreano será no dia 12 de fevereiro! Também conhecido como 구정 (Gujong), o ano novo tem vários sinônimos, entre eles: 원일 (wonil) “o primeiro dia”, 원단 (wondan) ou 원조 (wonjo) “a primeira manhã”, 원정 (wonjong) “o primeiro mês”, 원신 (wonshin) “o primeiro novo”, 정조 (jongjo) “a manhã do primeiro mês”, 세수 (sesu), 연두 (yondu) ou 연수 (yonsu) “a cabeça do ano”, 세초 (secho) ou 연시 (yonshi) “o começo do ano”. Como se pode ver, significa um novo início onde todos ficam mais velhos.

No primeiro dia do novo ano lunar adiciona-se um ano à idade de todos os coreanos. O aniversário é, então, apenas uma data para comemorar a chegada da pessoa ao mundo e não há mudança na idade. O fato de todos os coreanos acrescentarem um ano de vida significa senso de unidade, onde todos são um só. Assim como o natal para o povo do ocidente, Sol Nal é um grande feriado familiar que dura cerca de três dias e vários costumes são observados. Alguns deles são rituais xamânicos feitos para abençoar a casa, a família e o ano que se inicia.

Dentre os rituais está o 횡수막이 (huingsumagui) que consiste em confeccionar um boneco de gravetos e tecido, escrever o nome, data de nascimento e uma lista de coisas das quais quer se livrar neste ano e colocar no boneco. Depois abandona-se o boneco na beira da estrada. É sinal de má sorte pegar o boneco abandonado por alguém, pois acredita-se que a má sorte desta pessoa pode ser transferida para quem tocar o boneco. Além disso, não se dorme na véspera do Sol Nal e também não se acorda tarde para que o ano não seja desperdiçado. Você já notou que muitos coreanos, no ano novo solar (1° de janeiro), normalmente fotografam o primeiro raiar do sol? Talvez esse costume venha justamente disso!

Também há a superstição do 야광귀 (yanggwanggui), um fantasma que entra na casa e calça os sapatos que encontrar. Se um sapato servir, então seu dono terá má sorte. Por isso, as pessoas costumam queimar incenso de cheiro forte e apimentado para afastá-lo. Nessa época o desenho de um general tigre é colocado nas portas, dentro e fora, pra espantar fantasmas, e uma fada ou estrela é desenhada para desejar vida longa ao rei e afastar más energias.

Dentre as comidas tradicionais, temos o 떡국 (tokguk), sopa de bolo de arroz e o 시루떡 (shirutok), uma comida feita de feijão vermelho. Dentre os jogos típicos, vemos o 널뛰기 (noltuigui), uma gangorra de madeira onde pessoas pulavam em cada ponta e o primeiro que caísse teria má sorte durante o ano. 연날리기 (yonaligui) ou soltar pipas, onde quem conseguisse cortar a linha de sua pipa estaria mandando sua má sorte embora com ela. 윶놀이 (yutnori), um jogo popular até hoje, remete a uma fazenda e os jogadores escolhem seu caminho e cada escolha pode mudar seu destino.

Uma das coisas mais interessantes sobre o ano novo lunar são suas proibições. Basicamente, não era bom que uma mulher saísse de sua casa durante o ano novo, nem que alguém que recentemente tivesse ido a um funeral ou homem que comeu carne de cachorro visite outra casa. Outra coisa proibida era a costura, pois podia trazer a morte do cônjuge. As portas das casas tradicionais são cobertas por um papel especial, o 한지 (hanji). Durante o ano novo, retirava-se esse papel das portas para que as bênçãos pudessem entrar. Além disso, não se colocava nada para fora da casa e nem e emprestava dinheiro, pois era um sinal de perda.

대보름날 Deborum Nal – O dia da lua cheia

Fonte: Ggbn.co.kr

Este ano, a primeira lua cheia se dará no dia 26 de fevereiro! A lua é de extrema importância para os agricultores, representando o feminino, a água e proteção. Ao celebrá-la, os coreanos esperavam produzir bons frutos durante o ano, fazendo deste um dos festivais mais importantes. Para sua celebração, queimavam uma fogueira de pinho e, dependendo do formato de suas cinzas, podiam prever se haveria boa colheita naquele ano. A queima do pinheiro remetia ao bem estar, felicidade e livramento do mal.

Sabe aquelas danças onde as pessoas usam um chapéu com uma fita? Tal costume se chama 지신밝기 (jishinparki), onde os fazendeiros visitavam cada casa do povoado tocando instrumentos e dançando para espantar fantasmas! Outro costume interessante era a venda do calor que consistia em gritar que estava vendendo seu calor ao ver a lua cheia, assim a pessoa não sofreria com o calor do verão. Também costumava-se manter a luz acesa durante a lua cheia, colocar bandeiras de palha de arroz do lado de fora da casa para atrair boa colheita e pegar a sujeira da porta de uma casa rica e colocar essa sujeira na sua própria casa para atrair a riqueza e o solo fértil.

Ao tirar água do poço antes que a primeira galinha cantasse, haveria boa colheita. Se passasse por uma ponte durante a primeira lua cheia, suas pernas poderiam ficar mais longas. Além disso, tomava-se bebida alcoólica para desentupir os ouvidos e receber boas notícias. Comia-se 복쌈 (bokssam), que consiste em arroz embrulhado em alga. Para se divertir, as pessoas faziam cabo de guerra, queimavam arrozais para matar larvas, lutavam usando tochas acesas, faziam a dança do leão para espantar fantasmas e as mulheres formavam uma fila para que outra passasse por cima delas.

Como todo feriado, havia superstições. Não se deveria retirar coisas de dentro de casa, nem alimentar cachorros para que moscas não fossem atraídas. Não se comia kimchi nem bebia água gelada, além de não comer peixe nem cortar nada, para que a sorte não fosse cortada.

영등날 Yongdungnal – Consagração à deusa do vento

Fonte: Ncms

No primeiro dia do segundo mês do calendário lunar, celebra-se a senhora do vento. Reza a lenda que, se nesse dia houver uma brisa boa, a senhora do vento trouxe sua filha, mas se houver chuva, ela veio com sua nora. Este é um dos festivais em que há 제사 (Jesa), um ritual. Do primeiro dia do segundo mês até o vigésimo, fazia-se um ritual para receber a senhora do vento. Um pequeno altar era feito na cozinha ou no quintal e rezava-se para que o vento não destruísse nada por um ano. Depois colocavam água pura sobre vasos de barro no dia em que a senhora do vento chegasse. Durante esse período de vinte dias, trocava-se a água todas as manhãs e comida era servida diante do altar.

Limpavam arroz, descascavam e cozinhavam, depois o serviam na mesa de oferenda. Os acompanhamentos eram peixe, alga e ervas. Enquanto preparavam o altar, as pessoas oravam e pediam saúde, depois dividiam a comida com vizinhos. Nesse dia não podia-se jogar barro na porta de casa e as pessoas usavam as cinco cores tradicionais em suas roupas. Os papeis das portas também era removidos para que a senhora do vento entrasse nas casas. Era um período em que não se devia trabalhar, pois a senhora do vento era uma hóspede e devia ser servida. Este costume traz consigo as preparações para o ano de plantio.

삼짇날 Samjinnal – O terceiro dia do terceiro mês

Havia na antiguidade coreana o costume de celebrar datas que se repetiam. 3/3 era um desses dias e nesse ano cai no dia 14 de abril. Era a celebração do trabalho e da primavera, o florescer de um novo início de plantio. As noras jovens choram nesse dia pois seus esposos vão trabalhar o ano inteiro. O plantio começa nesse dia e, se ventar, significa boa colheita. Um de seus costumes era preparar refeições para os idosos da vila. Também era feito um ritual para a aragem do campo, onde oravam e faziam licor de flor para os ancestrais. As mulheres também costumavam ir até a montanha do rei Dragão para pedir um filho homem. Elas oravam do terceiro dia do terceiro mês até o oitavo dia do quarto mês para que fossem atendidas.

Como a celebração era a primavera, colocava-se flor em tudo. Flores coloridas enfeitavam bolinhos de arroz, eram amassadas e colocadas com feijão verde em uma água adocicada com mel e artemísia era usada para fazer bolo de arroz verde. Os vizinhos então preparavam deliciosas refeições e iam ver as flores, enquanto recitavam poemas. Flautas eram feitas com galhos finos de salgueiro e havia competição de arco e flecha.

Durante esse dia, não se podia olhar para borboletas brancas pois era a cor da roupa de luto e não trazia boa sorte. Ver cobras era sinal de atrair o mal, mas insetos coloridos traziam sorte. Se o cabelo for lavado neste dia, ele ficará mais bonito e macio. Pasta de soja feita nesse dia era mais saborosa e era um bom dia para plantar abóbora. Acreditavam também que beber água fresca afastava enfermidades.

Estes são os principais festivais da primavera coreana. Hoje em dia, o que notamos é que ir ver as flores de cerejeira é um dos costumes mais comuns, mas ainda remetem à costumes do passado, como o Samjinnal.

No próximo post, conheceremos mais sobre os festivais de verão! Te vejo lá!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.