Um banner na porta da agência infantil Olive Entertainment, localizada no oeste de Seul, apresenta os rostos reconhecíveis de jovens estagiários que passaram a estrelar anúncios, filmes e programas de TV. Igualmente lê-se numa placa, “faça seus sonhos virar realidade.”

A crescente fama de atores infantis no cinema e na TV tem levado a um número crescente de crianças à procurar o estrelato desde tenra idade. De mãos dadas com suas mães, centenas reúnem-se em academias de atuação de grande escala, muitas das quais funcionam como centros de atendimento único para jovens talentos.

A maioria das academias de grande atuação da Coreia para crianças agora estão totalmente equipadas com estúdios fotográficos internos e conexões com as principais redes de televisão, e que são até mesmo funcionam ao lado das grandes produtoras artísticas. A TI Academy, é um desses institutos multiplex em Gangnam, foi fundada por diretores de elenco.

Muitas mães dizem que se sentem confiantes colocando seus filhos dentro de um processo de treinamento sistematizado.

“Lá, nossos filhos são treinados por profissionais que estão na indústria há anos”, disse Jung Eun-kyung, que espera que sua filha de quatro anos seja modelo para comerciais. “Eles sabem apenas olhando para o seu filho se ele dá para o negócio ou não”.

Lee Seo-joon, de oito anos, que gosta de atuar e quer se tornar “um artista talentoso”, vai para a academia de treinamento uma vez por semana depois da escola. Desde que ganhou uma competição de modelagem infantil aos seis anos de idade, a mãe de Seo-joon, Yoon Soo-hee, está ansiosa por mais oportunidades para seu filho. Várias agências entraram em contato com ela através de sua conta do Instagram, na qual ela carrega fotos de seu filho fotogênico constantemente.

“Há mais chances para os atores que começam como crianças”, disse Soo-hee. “Eu sinto que eles têm melhores carreiras e uma melhor imagem pública. É melhor começar jovem.”

A atriz Ko Na-hee, que trainee na Academia TI, protagoniza o drama "Working Mother, Babysitter Father", do MBC.
A atriz Ko Na-hee, trainee na Academia TI, protagoniza o drama “Working Mother, Babysitter Father”, da MBC.

Ela cita atores bem sucedidos que debutaram ainda criança –  Kim Yoo-jung (“Love in the Moonlight”), Yoo Seung-ho (“Seondal: The Man Who Sells the River”) and Yeo Jin-goo (“Jackpot”).

As portas das academias de atuação, no entanto, estão abertas apenas para um grupo seleto de modelos. Há um processo de seleção rigoroso na maioria das grandes instituições, que exigem no mínimo, um teste de câmera, para admissão.

Uma vez admitidos, os alunos passam por diversas formas de treinamento, dizem os institutos, do exercício físico ao treinamento fonoaudiológico, exercícios de expressão facial e monólogos de memorização que as crianças podem usar nas audições. Os monólogos são “personalizados com às forças expressivas de cada aluno, para maximizar suas chances de conseguir o papel”, de acordo com o professor, Kim Hyun-woo.

O processo é caro, mas o reembolso muitas vezes é mais do que o necessário para cobrir os custos do treinamento, dizem as mães cujos filhos têm estrelado na TV.

As taxas para as aulas de interpretação semanais normalmente variam de 300.000 won (R$ 845,00) a 700.000 won (R$ 2.275,00) por mês, com coaching individual incluso, dizem eles. Sessões de fotos individuais custam de 300.000 won (R$ 845,00) a 500.000 won (R$ 1.225,00) com maquiagem e hairstyling fornecidos por estúdios de fotografia especializada.

Os professores e executivos das academias de atuação dizem que o interesse tem sido alimentado nos últimos anos pelo surgimento de atores infantis que ocupam um lugar central no setor de entretenimento.

Os alunos improvisam cenas em uma aula noturna na Academia SG em 3 de novembro. (Rumy Doo / The Korea Herald)
Os alunos improvisam cenas em uma aula noturna na Academia SG

Este ano, em particular, tem havido uma série de performances realizadas por jovens. Kim Hwan-hee, de 14 anos, retratou vigorosamente uma criança possuída no trailer oculto de Na Hong-jin “The Stranger (Goksung)”. Seol Woo-hyung, de 5 anos, roubou a cena em um programa na série de TV “Lucky Romance”.

Jane Lee, de 12 anos, que interpretou a personagem de Bae Doo-na na infância, no seriado “Sense 8” da Netflix no ano passado, estará retomando seu papel na segunda temporada do show.

Atuar como uma forma de expandir a criatividade e a empatia

Para algumas mães, a dramaturgia serve para libertar a criatividade do jovem, e permitir que as crianças escapem, mesmo temporariamente, dos rigores da estrutura social.

Na SG School, fundada pelo ator veterano Lee Soon-jae, uma pequena turma de sete crianças, de 9 a 14 anos, participa de uma aula de improvisação. Eles olham para uma foto representando uma cena aleatória, imaginam sua história de fundo e a representam na frente de seus pares. Fisicamente e mentalmente desinibidas, as crianças deixam sua imaginação funcionar livremente em uma atmosfera segura e acompanhada.

Em uma aula noturna na última quinta-feira, Park Chae-hee, de 11 anos, fingiu ser um paciente mentalmente doente, segurando um guarda-chuva aberto e olhando para cima como se oferecesse uma janela para um novo mundo. “Eu gostaria de poder viver lá“, disse ela sonhadora, imersa em seu papel.

Koo Da-hyun, de 12, fingiu estar bêbado, deitado no meio da sala, enquanto, Yoon Seo-hyun, de 10, se tornou um ladrão que personifica um policial. Shin Ye-won, de 12 anos, imitava uma mãe exasperada, acordando sua filha teimosa. “É assim todos os dias!”, ela exclamou, sacudindo uma criança imaginária.

O ator Lee Hyo-je, de 12 anos, protagoniza o filme "Vanishing Time: The Boy Who Returned". The Korea Herald
O ator Lee Hyo-je, de 12 anos, protagoniza o filme “Vanishing Time: The Boy Who Returned”

A mãe de Ye-won, Ko Kyung-sook, presente na classe, ficou surpresa. “Eu sempre acordo ela assim, mas eu nunca soube que ela entendia o meu lado das coisas também”.

Kyung-sook explica que, embora ela não tenha planos de forçar Ye-won para o show business, ela quer deixá-la ter aulas de atuação pelo maior tempo possível.

“Houve um tempo em que (Ye-won) esteve deprimida e não queria ir para a escola”, disse Kyung-sook. Apesar de aparentemente extrovertida, sua filha tinha “dificuldade em aceitar que o que ela achava ser certo poderia estar errado aos olhos dos outros”. Preocupada com o conflito interno de Ye-won , a mãe a levou à um terapeuta de crianças, que recomendou as aulas de atuação como um tratamento.

De acordo com Kyung-sook, atuar com personagens abriu Ye-won e até suas perspectivas ficaram diferentes. Embora a família de Ye-won esteja atualmente vivendo em Suwon, à uma hora de carro da academia no Gangnam, Kyung-sook tem levado com prazer sua filha ao estúdio uma ou duas vezes por semana depois da escola por quase dois anos. “Ela está muito mais brilhante e mais relaxada agora. É difícil parar quando você vê resultados como este.”

Há um processo de entrevista para os alunos em potencial na Academia SG, bem como nas outras agencias, mas seu propósito é muito diferente.

“Conversamos com as crianças para verificar se são elas que querem atuar”, disse Kim Yoo-ra, professora da classe de improvisação. “Queremos ter certeza de que eles não estão sendo forçados a fazer algo que não querem fazer.”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

dezenove − 14 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.