Quando chega o fim de semana, a instrutora de Yoga, Park So-yeon, 28 anos, deixa Seul em direção à sua casa no campo, próximo à montanha Gyeryong, distante 140 km de Seul.

A casa pertence aos pais de uma amiga. Lá, ela relaxa fazendo yoga e serviços domésticos. Ela também trabalha num sítio próximo à casa, explorando um estilo de vida rural que é completamente diferente da sua rotina na cidade.

Para trabalhar como instrutora de yoga, eu tenho que pegar metrô lotado e me encontrar com os alunos. Eu eventualmente fico estressada e cansada no metrô, já que não há espaço ali“, disse Park.

Passar de quatro a cinco dias na cidade e dois dias no campo é perfeito para uma vida equilibrada. Isso me faz sentir viva. Eu pretendo continuar vivendo assim“.

5 dias na cidade e 2 no campo: Coreanos recorrem a natureza para se energizar
Park So-yeon, instrutora de yoga que passa o fim de semana no campo. Fonte: The Korea Times

Eu sou grata em viver na cidade porque eu posso facilmente comprar alimentos, encontrar meus amigos e fazer parte de uma rede de yoga, centralizada em Seul. Mas, frequentemente, eu sinto que algo está faltando na cidade e gosto de explorar a Mãe Natureza“, completou. Nas proximidades da sua casa de campo, não há lojas de conveniência nem supermercados.

Antes de ela ter esse estilo de vida híbrido, Park viajava muito, procurando sair da vida agitada da cidade. Mas procurar acomodações razoáveis demandava muito tempo e energia.

Percebendo que viajar era apenas uma saída temporária, ela decidiu procurar um único lugar onde ela poderia passar seus finais de semana. Sua localização ideal não poderia ser muito distante de Seul, mas também tinha que ser próximo da natureza, para que ela pudesse facilmente ir e voltar das duas residências.

5 dias na cidade e 2 no campo: Coreanos recorrem a natureza para se energizar
Lasanha de beringela, colhida direto da horta. Fonte: The Korea Times

Esse estilo de vida conhecido como “5-do 2-chon” em coreano, significa passar 5 dias na cidade e 2 dias no campo. “do” é uma simplificação da palavra “dosi“, que significa cidade, e “chon” se refere a área rural.

Até recentemente, a expressão era usada principalmente por habitantes das cidades, na casa dos 50 anos, que estavam interessados em fazer a transição para a vida rural quando se aposentassem.

No entanto, cada vez mais, esse estilo de vida tem ganhado popularidade entre pessoas mais jovens.

Em junho do ano passado, a MBC lançou no Youtube o canal “Onulun“. Nesse canal, a produtora da MBC, Choi Byeol, de 32 anos, conta sobre sua jornada de comprar uma casa antiga, de 115 anos, na cidade de Gimje, aproximadamente 200 km de Seul.

Choi produz vídeos mostrando como é começar a vida do zero. Ela trabalha da pequena cidade e se comunica remotamente com seus colegas, que ficam em Seul.

Abaixo, segue o primeiro episódio da série e, para nossa sorte, tem tradução em português.

“Um dos motivos de eu me mudar pra cá é que eu queria escrever e não queria ter distrações. Eu também queria focar em mim, escrever sobre mim. E eu me peguei fazendo exatamente isso quando estava escrevendo as descrições para colocar no vídeo“, disse Choi para o The Korea Times.

5 dias na cidade e 2 no campo: Coreanos recorrem a natureza para se energizar
A produtora Choi Byeol (segunda, da direita para esquerda), com seus vizinhos de Gimje, uma pequena cidade que fica na Província de Jeolla do Norte. Fonte: The Korea TImes

Especialistas dizem que essa tendência reflete como os jovens estão cada vez mais buscando o equilíbrio, separando suas vidas do trabalho.

Após a pandemia, muitas empresas adotaram o trabalho remoto ou o home office, e novos trabalhos nesse estilo também surgiram. Por meio de novas tecnologias, as pessoas trabalham sem precisar se encontrar pessoalmente. Além dessa transformação social, as pessoas começaram a pensar em como ter várias vidas em diferentes lugares“, disse Jeon Young-soo, um professor de Estudos de Economia Social Global da Universidade de Hanyang.

Historicamente, viver na cidade tem sido o centro da atenção na Coreia, devido as oportunidades de educação e trabalho, assim como o fato de ter muitas conveniências. Há também o velho estereótipo de que jovens urbanos vão sofrer se deixarem a cidade e tentar a vida no interior“, explicou Jeon.

Esse tipo de modelo, enfatizando a vida urbana, foi predominante no período em que a Coreia estava em crescimento econômico e os recursos das pessoas estavam crescendo, pois esse tipo de vida tinha muitos aspectos atraentes. No entanto, atualmente, há um baixo crescimento econômico e está aumentando a consciência de que a vida dura na cidade não está relacionado com crescimento“.

O fenômeno ‘5-do 2-chon’ praticado pelas geração mais jovem é o reflexo dessa transformação no modo de pensar das pessoas, além de ser importante opção para as pessoas terem múltiplas vidas e bases de trabalho“, explicou o professor.

Provavelmente veremos muito menos pessoas seguindo o modelo existente, de se mudarem para o campo apenas após se aposentarem. Ao invés disso, mais pessoas estão aceitando esse novo estilo de vida, viajando entre a cidade e o campo. Essa mudança já estava acontecendo antes, mas a pandemia acelerou“, finalizou.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

18 − sete =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.