Poster do webtoon "The History of Seong Gyeong" Imagem: YLAB

No início deste ano, algumas das obras da Naver Webtoon foram alvos de polêmicas por apresentarem misandria. O termo pode ser definido como a aversão, o desprezo ou o preconceito arraigado contra os homens. Um misandrista é o oposto de um misógino.

As acusações surgiram devido a certas expressões ou gestos utilizados pelas personagens da história. Mas para “The History of Seong Gyeong” [A História de Seong Gyeong, em tradução livre], a situação foi diferente.

“A História de Seong Gyeong” trata das guerras de gênero da vida real entre as gerações mais jovens na Coreia, especialmente no campi universitário. O webtoon é bastante original por tratar de temas sensíveis de forma direta, em contraste com outros trabalhos que tomam extremo cuidado para não causar controvérsias. Outra característica que a diferencia é que o webtoon visou tanto homens como mulheres, levando a fãs e críticos de ambos os sexos a caminhos diferentes.

O Webtoon, escrito por Choi Gyeong-min e ilustrado por Youngmo, foi publicada pela primeira vez em setembro do ano passado. A história acompanha Gyeong, que está nos seus vinte e poucos anos, e os problemas que enfrenta devido à sua boa aparência – recebendo atenção indesejada e ameaças de homens, além de ser vítima de fofocas entre as mulheres. A maioria dos personagens masculinos da história objetificam Gyeong, chamando-lhe “babysitter” [babá, em tradução livre], e depois acusam-na de “gold-digging” [interesseira, em tradução livre] quando ela os rejeita.

Webtoon chama atenção por tratar de temas ligados à questão de gênero
Cena em que o professor de arte de Seong Gyeong fica bravo após ser rejeitado pela jovem
Imagem: Screenshot do Webtoon

Gyeong é reduzida a uma fêmea fatal aos olhos dos seus pretendentes. Poucos a vêem como a pessoa que ela realmente é – uma jovem doce, tímida, que tem uma paixão por animação.

Em um episódio, um grupo de colegas homesn da turma de Gyeong na universidade luta para saber quem lhe dará doces no White Day [Dia Branco, em tradução livre]. Essa data é celebrado na Coreia e é quando os homens dão doces às pessoas para representar seus interesses amorosos. Durante a disputa, os rapazes discutem sobre quem solicitou primeiro Gyeong, cada um afirmando que ela “é deles”, e que “[Gyeong] ficará grata por receber doces [deles]”.

“Sou um homem e tenho vergonha de como isto é real”, lê-se em um comentário sobre este episódio em particular, que teve 32,016 “gostei” e 1,028 “não gostei”, enquanto outro com 25,865 “gostei” pôde-se ler “Esta é a realidade da vida universitária […] Os veteranos do curso classificam os rostos dos calouros por ordem de ‘atratividade’, carregando as suas fotos de perfil em conversas de grupo”. Alguns comentários até descreveram o episódio como “hiperrealista“.

Num episódio posterior, um grupo de estudantes aleatórios fala do suicídio de uma colega de turma após supostamente seu namorado ter carregado fotos íntimas dela online sem o seu consentimento. Uma das personagens diz: “Os homens devem morrer”.

Esta cena levou a um boicote de “A História de Seong Gyeong”. O webtoon se tornou alvo de um ataque de notas baixas e comentários de ódio, em particular de uma comunidade online chamada DC Inside, que tem sobretudo membros do sexo masculino. Este diálogo gerou controvérsia na DC Inside, que foi posteriormente editado para “Idiotas como este deveriam desaparecer”.

Webtoon chama atenção por tratar de temas ligados à questão de gênero
Ilustração de Gyeong e cena em que se coloca contra o professor de artes, confrontando-o.
Imagem: YLAB/Screenchot do Webtoon

Estes cenários “hiperrealistas” vieram unicamente da imaginação dos autores. “Nenhum episódio se baseia em experiências da vida real. A história é fruto de situações plausíveis”, disse o autor Choi ao Korea JoongAng Daily, em uma entrevista por e-mail realizada no início de julho.

Segundo Choi, “A História de Seong Gyeong” é apenas uma história que representa a vida quotidiana de praticamente qualquer pessoa. Para o ilustrador Youngmo, “Seong Gyeong” também pareceu como um retrato da “realidade“.

“O objectivo da história era criticar alguns comportamentos problemáticos dos seres humanos”, disse Choi. Sobre as acusações de “feministas radicais“, ele simplesmente respondeu: “Acho que, do ponto de vista humano, qualquer coisa [no webtoon] pode ser objeto de crítica [uma vez que todos têm opiniões diferentes]”.

“Eu queria retratar [Gyeong] como uma pessoa que todos encontraram pelo menos uma vez na sua vida”, acrescentou Choi. “Para que quando as pessoas lerem [‘A História de Seong Gyeong’] cada uma delas tenha uma pessoa específica que lhes venha à mente”.

Apesar de “Seong Gyeong” significar Bíblia em coreano, Choi disse que não há correlação directa entre os dois, mas ainda assim permaneceu aberto a toda a interpretação.

“A Bíblia é interpretada de muitas maneiras diferentes de acordo com quem a lê, e é uma situação semelhante com Gyeong”, disse Choi, dizendo que os leitores têm direito a opiniões e interpretações diferentes do que foi pensado para o webtoon. Ele estava ciente das controvérsias que acompanharam “Seong Gyeong” ao longo do ano, mas manteve-se firme na análise da história e dos personagens, e sobre não existirem respostas definitivas.

“[Um webtoon] é também uma forma de interação [entre a história e os leitores], pelo que os mal-entendidos são inevitáveis”, disse ele. Ainda assim, muitos leitores refutaram os comentários de ódio, dizendo que se Choi fosse realmente um misandrista, a história teria de ter todas as personagens femininas como protagonistas e todos os personagens masculinos como antagonistas.

Estes comentários mencionaram especialmente a personagem de Ju Ha-na, uma colega de classe da Gyeong que espalha rumores maliciosos e falsos sobre ela ao longo de toda a história. “Ha-na é [também] baseada numa dessas pessoas com que muitos estão familiarizados”, explicou Choi. “Todas as outras personagens também foram concebidas da mesma forma”.

Webtoon chama atenção por tratar de temas ligados à questão de gênero
Cenas de The History of Seong Gyeong
Imagem: Screenshot do Webtoon

Para Youngmo, conversar com Choi o ajudou a compreender melhor cada personagem. “Foi fácil me relacionar [com as personagens] enquanto as desenhava, porque [Choi e eu] falávamos dos detalhes das suas características para cada episódio”, disse Youngmo.

No final, seja sobre Gyeong ou seus colegas de turma, como Ha-na ou Nam Ju-yong, “A História de Seong Gyeong” é uma história sobre compreensão e reconhecimento. Entre estas personagens será possível pensar em seus conhecidos, os seus amigos, a sua família ou mesmo a si próprio.

No episódio 30, quando Gyeong finalmente enfrenta o seu antigo professor que a ameaçou depois de ela rejeitar os suas investidas inapropriadas, a secção de comentários foi rapidamente preenchida com uma resposta positiva. Naquele momento, tudo o que importava era que Gyeong se impôs e provou que era forte. Deu esperança aos leitores de que Gyeong ficaria bem, assim como todos os que possam se identificar com ela na vida real. Um comentário com quase 10.000 gostos representou a esperança dos leitores para a personagem principal, e talvez para si próprios – “No final, desejo que Gyeong seja feliz”.

Quando a “Seong Gyeong” chegar ao seu desfecho, Choi e Youngmo disseram que se preparariam para os seus próximos projetos, e expressaram a sua gratidão aos fãs. “Obrigado por ficarem com a história até ao fim”, disse Choi. “Os seus comentários calorosos foram de grande valor para mim”.

“A série terminou bem graças a todos vocês”, disse Youngmo. “Espero que possamos nos encontrar de novo em breve”.

Webtoon chama atenção por tratar de temas ligados à questão de gênero
Poster de ″The History of Seong Gyeong″
Imagem: YLAB

Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

5 − 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.