A Coreia é considerada um país que possui o machismo como parte de sua própria cultura. E o que mais contribui para o fortalecimento desse machismo é o fato disso não está somente entre os homens, as mulheres também crescem com o pensamento machista, o que resulta em algo natural para todos.

Desde criança, compartilhamos alguns pensamentos em comum, como por exemplo: “Quando casar, preciso ter um filho homem”, pois antigamente as noras tinham o “dever” de gerar um filho homem para prevalecer o sobrenome da família, pois na Coreia, os filhos herdam SOMENTE o sobrenome do pai.

Ouvi uma história real que foi contada por uma senhora conhecida, que em algumas décadas atrás, – quando a Coreia ainda não era muito desenvolvida e os partos aconteciam em casa, pelas parteiras, mães ou sogras – uma mulher se casou e em sua primeira gravidez teve uma MENINA. Contou-me que a reação da sogra foi de uma frieza assustadora, ela nem quis ver o rosto da criança durante alguns dias.

Ao passar dos anos, a mulher ficou grávida novamente e teve o seu segundo filho, dessa vez, era um MENINO! Logo após o nascimento do menino, a sogra que fazia o parto, deixou sua nora deitada com o cordão umbilical amarrado no dedão do pé e levou o seu neto para o outro quarto, deu banho e ficou o “apreciando”. E somente depois de algumas horas, a sogra voltou aonde estava a nora, para os procedimentos finais, que por sinal, ela continuava deitada e incapaz de fazer qualquer coisa.

filhos homem

Que loucura, não é!? Claro que nem todas as histórias daquela época são assim, mas essa, é uma das histórias reais sobre a ignorância machista coreana.

Nos dias de hoje, muita coisa mudou, as noras já não são tão discriminadas por não terem filho homem. Entretanto, as mulheres coreanas continuam a se sentir na obrigação de ter pelo menos um, pois o fato de que os filhos só herdam o sobrenome do pai ainda é válido.

Outro caso que também acontecia e ainda acontece em algumas famílias bem tradicionais, é que os homens não podem entrar na cozinha para fazer “coisas de mulher”, como lavar uma louça, cozinhar e as vezes até para buscar o seu próprio copo d’água. Mas, calma pessoal!

Atualmente, isso tem se modificado bastante. Acredito que seja pela influência através dos contatos culturais de outras nações. Muitos estrangeiros indo à Coreia e muitos coreanos indo ao exterior, têm os feito se adaptarem a alguns costumes ocidentais. Pode ser que por meio disso, e aos poucos, essa cultura machista se desfaça.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



12 COMENTÁRIOS

  1. Alertando pra um erro no primeiro paragrafo, segunda frase: “o fato disso não está” deveria ser “o fato disso não estar”. Vale colocar que num recente ranking sobre desigualdade de gênero, a Coréia do Sul ficou em colocação PIOR que o Brasil. Nem tudo são flores, o machismo é cultural e deve ser combatido em todo lugar.

    • Apesar de a correção não vir ao caso do tema proposto, mas Bianca… a frase está correta.
      Deixa-me te explicar:
      “Estar” é a ação de encontrar-se em certo estado, condição,ou situação no tempo ou no espaço ele é verbo no infinitivo,uma forma nominal do verbo que exprime apenas o estado ou a ação sem designar tempo, modo, número ou pessoa.
      Já “Está” é o verbo “estar” conjugado na terceira pessoa do singular (ele/ela) do presente do modo indicativo,tempo verbal que serve para falar de um hábito ou de fatos que ocorrem frequentemente; para descrever uma ação que está ocorrendo.

  2. “pois o fato de que os filhos só herdam o sobrenome do pai ainda é válido.”

    Na verdade, está virando tendência na Coreia nomear os filhos com ambos os sobrenomes do pai e da mãe, e muitas pessoas andam aderindo. Claro que até criar impacto, essas crianças precisam crescer e passar isso adiante, mas é errado dizer que atualmente eles herdam APENAS o nome do pai.

    Mas parabéns pelo texto!! ^^~

  3. Soa um pouco assustador esse post para quem nao tem conhecimento da realidade dos tempos atuais aqui da Coreia.
    Felizmente, hoje em dia a preferencia nao e mais de filho homem, e sim mulher.
    Isso devido ao fato de que os filhos homens, que teriam por obrigacao cuidar dos seus pais quando a velhice chegar, nao o estao fazendo mais. Grande parte devido a vida ocupada e falta de tempo ate de ligar para os pais e saber se esta tudo bem e a outra parte por morar no exterior, muitas vezes a trabalho, e mais uma vez, devido a ocupacao com o trabalho.. como trabalham esses coreanos, nao?
    Mas ainda tem a outra grande parte chamada 며느리’s-mionuri’s que nao aceitam que os pais do esposo morem junto com eles.
    Muitos ainda simplesmente nao ligam para os pais devido a maneira como foram tratados/criados quando criancas e adolescentes. A disciplina coreana e super hiper rigida deixando marcas incuraveis em muitos adultos.
    Mas deixando as feridas de lado, esse quadro se reverteu tanto que e muito comum a filha mulher levar os pais para morar na casa dela, em vez dos homens, que teriam por obrigacao, o fazerem.
    A questao do sobrenome ainda e verdadeira. Os filhos do casal levam somente o sobrenome do pai, ficando o da mae de fora.
    Os nomes coreanos levam no maximo 3 silabas, sendo uma o sobrenome do pai e duas o nome da pessoa.
    Em alguns casos especiais a pessoa pode ter o sobrenome com duas silabas, Ex., 제갈, 강전, 남궁, originarios dos vizinhos China e Japao, marcando um total de 12~13 familias de sobrenomes com duas silabas, alguns com pouquissimos membros no caso dos 망절 (10 membros) e 소봉 (18 membros).
    Neste caso 2 silabas seriam o sobrenome do pai e duas o nome da pessoa.
    Mas vale lembrar tambem que muitas pessoas possuem somente um caracter como nome, Ex., 박찬.
    Nao podemos esquecer tambem que hoje em dia e muito comum coreanos casados com ocidentais, o que acaba influenciando no nome dos filhos que muitas vezes levam o sobrenome do pai e tambem da mae.
    Nao podendo esquecer dos casos de filhos de maes solteiras, adocoes ou adocoes de linhagem sanguinea que hoje em dia creio eu nao ser mais praticado.
    Esse machismo que as mulheres carregam, ou carregavam, tambem ja ficou no passado. Hoje em dia e muito comum encontrar homens cozinhando, limpando e cuidando dos filhos, enquanto suas esposas saem com as amigas, ou simplesmente descansam em casa.
    Posso citar como exemplo meu esposo que quando esta em casa nao me deixa sequer lavar a louca ou cozinhar.
    Tenho varias amigas que se encaixam no mesmo quadro.
    A Coreia esta evoluindo muito rapido e isso esta afetando as tradicoes e cultura do povo, num ponto de vista positivo, digamos assim.
    O que a gente ve em programas de televisao (reality show) na maioria dos casos e tudo encenacao. Tenho amigas que ja participaram de programas assim e lhes e dado um script onde eles tem que seguir e fazer o que lhes e mandado. O machismo esta sempre presente, fazendo-nos acreditar que as coisas sao daquele jeito na vida real, mas quando conhecemos os personagens pessoalmemte, sabemos que tudo nao passou de encenacao.

    • Graziela ,concordo c vc plenamente ,q os países como Coréia e Japão,estão mudando mto não querendo mais serem vistos como um país de cultura ” machista”. Morei no Japão e tb observei e conversei mto sobre isso e os jovens de lá tb não querem isso p suas vidas.Essa coisa de mulher andar atrás do homem,mulher só serve p gerar e criar filhos,q os país decidem sobre a vida dos filhos,isso está cada dia desaparecendo mais e mais!!!No Japão continua firme a questão de adotar só o nome do homem!!!

  4. Achei interessante essa questão sobre tarefas domésticas, pois estou aprendendo coreano em um livro infantil coreano e no verbo cozinhar tem a figura do pai no fogão cozinhando. Acho que já é uma boa demonstração de que as coisas estão mudando por lá.

  5. Achei interessante a matéria. Penso que em vários países o machismo marcam às mulheres, mas acho que no Brasil, principalmente a depender da região (pior no Nordeste) o machismo se tornou extremo e letal. Quanto ao caso dos nomes não sabia, mas recententemente soube que os cartórios retiram os nomes das mães que colocam (Jr ou Filho…Neto) no final do nome. O meu sobrinho ao ser registrado no cartório com adicionamento do (Jr.) ao final do nome lhes foi negado o sobrenome da mãe. Achei um absurdo. A mulher espera 09 meses, dá a luz e não tem direito de por seu sobrenome na criança. Sinceramente, na Coreia houve evolução. No Brasil o atraso é geral. Nem românticos os brasileiros são, as novelas são péssimas e mostram sexualidade exacerbada que já passou da hora de rever os conceitos. Perdemos nossas referencias, na nossa história, valores, costumes. Na Coreia os doramas nos mostram a preservação da cultura. Os romances e até os filmes mais quentes (arte erótica) são melhores.

  6. Viva a homossexualidade. Se nós mulheres tivermos que depender dos homens para sempre estaríamos fudidas. Tenho amigos homens (heteros) que cansaram de amigos machistas e já possibilitaram a ideia de ser gay, por nao demonstrar e aceitar essas atitudes machistas e ignorantes. Eu acho que todo machista merece uma feminista dessas bem radicais sem noção. Ambos se merecem, sinceramente.

  7. Eu sou o tipo de mulher que QUERO uma filha e não um filho. Se vier um filho, meu marido qm vai cuidar dele. Eu QUERO uma menina. Sou eu quem vai gerar essa cria e não ele. Então prevalece a MINHA VONTADE e não vontade de sogra ou puta que pariu. Aliás, as mulheres é que se deixam submeter ao machismo. Quando as mulheres aprenderem a bater o pé e dizer ‘eu não permito, você não ordena, você não tem poder sobre mim, eu sou livre, eu sou filha de Deus, eu faço as minhas vontades e o que eu quero para mim’. Aí os homens começam a mudar do dia pra noite, pode ter certeza. Foi assim com minhas tias, minha avó materna, minha bisavó… E é assim comigo e será com minha filha. Se o cara não gostou, VAZA! Vai pra puta que pariu, vai ter filho com uma prostituta, eu terei com o cara q me aceitar assim, ou faço inseminação artificial ou adoção. Onde já se viu? Essa história da sogra não aceitar sua neta menina. Por que então ela não se matou, já que ela é uma mulher? Deveria ter feito cirurgia do sexo, hoje em dia há muitas transexuais.

  8. Sabe, é uma ignorancia TÃO GRANDE… agora.. já parou pra pensar se todos os casais heteros da Coreia tivessem apenas filhos homens? A população diminuiria, a taxa de natalidade cairia, haveria mais casais homossexuais que heteros (já que não haveria mais mulheres)… E quando isso acontecer (que é o que aconteceu com a China com aquela politica. Há poucos anos o país acabou com essa política e noticias internacionais correram pelo mundo dizendo q hoje o país tem milhões de homens para poucas mulheres, e o governo Chinês agora quer atrair estrangeiras para a China para suprir essa necessidade da falta de mulher (agora quem tiver filha mulher vai valer ouro). Bando de abutres.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.