Ao contrário dos leitores amantes da tecnologia que passaram para os e-books, há pessoas que ainda sentem nostalgia por livros em papel, e alguns ainda adoram ir a livrarias de segunda mão.

Um dos maiores atrativos de visitar uma livraria de segunda mão é provavelmente a alegria de descobrir acidentalmente um tesouro raro nas pilhas de livros velhos empoeirados e desbotados, especialmente algum que já esteja esgotado.

Fotos: Korea Herald

Em uma livraria de segunda mão no Gaebong-dong, Guro-gu em Seul, os livros custam por peso. É por isso que o local é chamado de Mugero, que significa peso em coreano. Uma livraria típica de segunda mão, mas o incomum é que ela vende livros por peso.

Mesmo que o livro de segunda mão que você escolheu seja novo ou o trabalho de um escritor popular, ele ainda custa apenas 300 won por 100 gramas. Somente a balança pode definir seu preço.

Pode não ser um exagero dizer que os leitores podem experimentar igualdade no valor dos livros sem preconceitos sobre os nomes dos autores.

Foto: Korea Herald

Outro aspecto atraente das compras em Mugero é explorar o labirinto de corredores estreitos entre velhos os livros empilhados em estantes desatualizadas, com notas desbotadas que definem as categorias.

Apesar do pequeno espaço, ele tem tudo o que você deseja: de coleções de livros infantis a livros de artes marciais, romances, poesia, ensaios, dicionários, livros de referência e histórias em quadrinhos. Nada nunca é chato lá.

Fotos: Korea Herald

O melhor é encontrar um livro que traz lembranças preciosas de muito tempo atrás. Durante essa pandemia, que já dura vários meses, visitar a livraria usada pode lhe trazer um pequeno prazer ao se lembrar dos bons e velhos tempos.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.