Em homenagem ao aniversário de libertação da Coreia da dominação japonesa, comemorado todo 15 de agosto, David Tizzard que, além de colunista do Jornal Korea Times, é professor assistente na Seoul Women’s University, onde leciona Estudos Coreanos, escreveu o texto abaixo, relembrando alguns acontecimentos do passado e fazendo um contraponto com a Coreia dos dias de hoje. O texto foi originalmente postado no domingo, 16 de agosto.

Uma Ode À Coreia Do Sul
David tizzard, colunista do the korea times. Foto: the korea times

“Ontem foi o Dia da Libertação na Coreia do Sul, conhecido localmente como “Gwangbokjeol“. É o único feriado nacional compartilhado pela Coreia do Sul e pela Coreia do Norte.

Em 15 de agosto de 1945, a luz foi devolvida à Península da Coreia com a vitória dos Aliados sobre o Império Japonês, pondo fim a uma colonização brutal e impenitente de décadas e à Guerra da Grande Ásia Oriental. Isso, é claro, foi ajudado por algumas bombas nucleares sendo lançadas sobre populações civis em Hiroshima e Nagasaki, bem como ataques em Tóquio, que resultaram na morte de centenas de milhares de não-combatentes.

O imperador Hirohito foi ao ar para anunciar que o Japão obedeceria à Declaração de Potsdam, na qual Truman, Churchill e Chiang Kai-shek pediam a rendição incondicional do Japão ou o mesmo enfrentaria, como o presidente dos EUA chamou, “uma chuva de ruína pelo ar, de um jeito que nunca foi visto nesta terra“.

O general da Força Aérea dos Estados Unidos, Curtis LeMay, o homem responsável por ordenar muito disso tudo, disse ter observado que, se estivesse do lado perdedor, sem dúvida teria sido acusado de crimes de guerra. A luz na Península Coreana surgiu como resultado de uma das maiores trevas da humanidade.

Exatamente três anos depois, em 15 de agosto de 1948, a República da Coreia foi oficialmente fundada como uma nação democrática com o presidente Syngman Rhee como presidente.

Seus primeiros passos como uma democracia moderna foram instáveis. Mudanças constitucionais, assassinatos, golpes militares, lei marcial e um completo desrespeito aos direitos humanos marcam as primeiras décadas da história da nação nascente. Não é uma boa leitura.

A luta coreana foi mais uma vez uma luta contra seu próprio povo. Muitas vezes tem sido assim: uma luta por reconhecimento, por liberdade e pelo fim do governo pelo poder e capricho.

Mas essa foi, em última análise, uma luta vencida. No Sul, pelo menos.

No final de 1997, Kim Dae-jung foi eleito Presidente da República da Coreia, marcando a primeira transição pacífica de poder do país para a oposição. Este é o sinal de uma nação verdadeiramente avançada e democrática.

Com isso, a Coreia do Sul demonstrou que poderia ser uma democracia tanto por natureza quanto por nome. E, apesar de alguns passos em falso ao longo do caminho, continuou essa ascensão.

Embora o país nunca cumpra as utopias ideais que muitas pessoas carregam em suas mentes, a realidade da Coreia do Sul está em total contraste com seus vizinhos regionais da Coreia do Norte, China, Rússia e – em menor grau – Japão.

No Índice Mundial de Liberdade de Imprensa anunciado este ano, a Coreia do Sul foi o país asiático com a melhor colocação, terminando em 42º entre 180 países. A China ficou em 177º; A Coreia do Norte ficou em 180º.

Este é um sinal incrivelmente positivo para a Coreia do Sul. Demonstra mais uma vez que pode ser um farol, uma luz brilhante nesta região caracterizada por lideranças autoritárias e políticas totalitárias. Afinal, há um motivo pelo qual o New York Times mudou seus escritórios para Seul e não para Pyongyang ou Pequim.

Freedom House é uma pesquisa anual que informa sobre o grau de liberdade civil e direitos políticos em países ao redor do mundo. A Coreia do Sul é apontada como tendo um “alto histórico de direitos humanos” e pontuou 83 de 100 pontos. O resto do Nordeste da Ásia mal se registrou. Os Estados Unidos marcaram 86 pontos na comparação.

A Coreia do Sul também está começando a dar aos seus cidadãos a liberdade de seguir sua própria voz interior, mesmo que isso signifique discordar das regras do país em relação aos militares.

Este ano, o tribunal superior da Coreia do Sul aprovou a recusa de 111 Testemunhas de Jeová em prestar serviço militar. Os juízes afirmaram que “punir objetores de consciência por recusarem o recrutamento com base na fé religiosa é uma restrição excessiva à liberdade de consciência de um indivíduo”. Essa foi uma decisão notável e importante.

Em uma ação semelhante, o tribunal constitucional do país também ordenou que a atual proibição de 1953 ao aborto fosse revisada até o final deste ano. Isso foi apoiado por uma pesquisa local que mostrou 58% do público a favor da abolição da proibição e da descriminalização do aborto.

Em 2019, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento conduziu uma pesquisa global sobre igualdade de gênero. A Coreia do Sul obviamente tem um longo caminho a percorrer nesse sentido, mas ainda assim ficou em primeiro lugar na Ásia, à frente de Cingapura, Japão e China, respectivamente.

Para muitos, o progresso nesta área é muito lento. Mas o progresso ainda está ocorrendo e o país está indo para frente, não para trás.

Uma rápida olhada ao redor do mundo lembrará rapidamente que os países não avançam naturalmente por padrão; é preciso muito esforço para manter o navio em curso. Além disso, colocar os líderes errados no comando e o que antes era progressivo pode rapidamente escorregar para tendências e políticas muito mais regressivas.

Uma Ode À Coreia Do Sul
Foto: tall talk korea

Desfiles LGBT enchem as ruas das cidades do país em números crescentes a cada ano. Mesmo o mais conservador dos campi universitários liderados por cristãos agora também abriga grupos e clubes nos quais pessoas de uma orientação sexual não tradicional podem se expressar e encontrar pessoas com ideias semelhantes. Isso tudo era impensável algumas décadas atrás.

Olhando para o futuro, uma pesquisa da OCDE neste mês colocou a Coreia no topo de suas previsões econômicas para o ano de 2021. Isso não ocorre apenas na Ásia; essa é a Coreia do Sul no topo de uma lista global.

Além do dinheiro e da democracia, sua cultura e soft power continuam a crescer. Cineastas como Bong Joon-ho chegaram ao topo do jogo internacional e o fizeram sem nunca realmente se afastar do que significa ser coreano. Son Heung-min provou seu valor na liga de futebol mais difícil do mundo. E o K-pop é tudo para um número crescente de pessoas ao redor do mundo.

Eu chamo este país de minha casa há 15 anos. Tenho orgulho de ter me casado com uma sul-coreana, aprendido o idioma (mais ou menos) e concluído um mestrado e um doutorado estudando a política, cultura e história do país.

A Coreia do Sul está longe de ser perfeita e tenho certeza de que há muitas melhorias que os leitores irão sugerir rapidamente. Mas pense no que era não faz muito tempo e o que poderia ser se seguisse o exemplo de seus vizinhos mais próximos.

A Coreia é uma história fabulosa que mostra a vida e os sonhos de um grupo maravilhoso de pessoas. A história ainda está inacabada, mas se os capítulos anteriores servirem de referência, ela continuará a melhorar.

Nunca foi minha posição ou desejo sugerir como essa história em particular deveria se desenrolar, e não o farei aqui, mas continuarei a assistir com afeto e devoção genuínos.

Um brinde aos próximos 75 anos de luz crescente da Coreia do Sul. Que continue a brilhar.”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

4 COMENTÁRIOS

  1. Amei o relato da história, me identifiquei bastante e quero saber muitoooo mais vocês são formidáveis , a cada dia me apaixono pela cultura , comida , vida política e educação a Coreia eu diria seria meu segundo país se eu mudasse do Brasil. Amo tudo

    • Oi Carla! Obrigada pelo seu comentário e também por curtir o Koreapost. A Coreia é mesmo um lugar apaixonante. Eu particularmente, não passo um dia sem que sinta saudades de lá. E olha que eu só fiquei 16 dias!!! Um Abraço!!

    • Dear Mr. Tizzard, thank you so much for noticing us!! It was a pleasure to translate such a nice statement about South Korea. Thanks again and Best Regards! Simone (Chief Editor)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.