O governo e as empresas da Coreia do Sul vão reforçar o apoio a estudantes locais que se especializam em línguas estrangeiras menores, como parte de uma estratégia nacional de desenvolvimento a longo prazo, afirmou segunda-feira o Ministério da Educação.

O Ministério da Educação e o Instituto Nacional de Educação Internacional apresentaram um plano de política quinquenal que pede a abertura de mais cursos de educação de línguas estrangeiras menores, em universidades e colégios, e a expansão das oportunidades de emprego para seus graduados.

A primeira fase do novo programa será implementada até 2021, em cooperação com as empresas, que desempenharão um papel na oferta de empregos para os que estudam as línguas menores, disse o ministério.

Separadamente das principais línguas estrangeiras, como o inglês, o francês e o chinês, a atual lei da Coreia do Sul sobre a Promoção da Educação de Línguas Estrangeiras Críticas define 53 línguas menores como estrategicamente necessárias para o desenvolvimento nacional. Árabe, hindi, sueco e polonês estão entre eles.

Atualmente, 8 universidades e 14 escolas de pós-graduação na Coreia do Sul têm um total de 33 departamentos de línguas estrangeiras menores, enquanto os especialistas têm pedido há muito tempo por mais apoio estatal, para promover especialistas nessa área.

Separadamente das principais línguas estrangeiras, como o inglês, o francês e o chinês, a atual lei da Coreia do Sul sobre a Promoção da Educação de Línguas Estrangeiras Críticas define 53 línguas menores como estrategicamente necessárias para o desenvolvimento nacional. Árabe, hindi, sueco e polonês estão entre elas. A imagem mostra o Alcorão, escrito em Árabe. Imagem: Pixabay.

Especialistas em línguas estrangeiras serão incentivados com base nas medidas estratégicas e de longo prazo do governo, para contribuir na melhora da globalização e a competitividade da nação“, disse Song Ki-dong, chefe do Instituto Nacional de Educação Internacional.

De acordo com funcionários do Ministério da Educação, o governo vai fazer com que as universidades e escolas de pós-graduação estabeleçam mais departamentos em línguas menores, aumentem a contratação de docentes relevantes e promovam a expansão de programas de treinamento no exterior para seus alunos e professores.

Dependendo da demanda dos estudantes em potencial, algumas línguas como o tailandês e o laosiano, podem ser ensinadas no mesmo departamento, ao passo que os departamentos de fusão, como a combinação de estudos de comércio árabe e internacional, podem ser criados.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.