Na era moderna do “ppali-ppali” (uma expressão coreana que significa fazer tudo rapidamente), ainda se vê ocasionalmente o que alguns ocidentais chamaram há mais de um século de “a pá de força coreana”.

O missionário americano George Heber Jones (1867-1919) descreveu a “pá de força coreana” como uma “invenção interessante [que] ocupa uma posição de destaque entre as máquinas que economizam força de trabalho na Coreia, pois poupa de três a cinco homens, uma grande quantidade, de trabalhar.” Ele estava obviamente sendo um tanto sarcástico enquanto falava quase poeticamente:

Quando em operação, o capitão [o homem que segura o cabo da pá] insere a ponta com ferradura da pá tão profundamente na terra, às vezes aproximadamente 8 centímetros, e então a tripulação de dois ou quatro homens dá um puxão vigoroso e um grito e longe vai uma colher de sopa de terra a mais de um metro e oitenta, se não mais longe. Esta operação é repetida três ou quatro vezes e então a tripulação cansada faz um recesso e se refresca em um cano. É uma bela visão assistir à uma equipe trabalhando com essas pás mecânicas, tudo é executado com tanta regularidade no sentido horário, especialmente o recesso. A equipe às vezes canta em um tom menor, pois o coreano que trabalha por dia sempre pode considerar, ao dedicar seu tempo, quando o faz da maneira mais agradável.

A Pá de Força Coreana
Pá coreana com três homens em imagem por volta dos anos de 1900 a 1910. Foto: The Korea Times

Horace N. Allen (1858-1932), um missionário americano rabugento que virou diplomata, ecoou seu sentimento:

Os coreanos são muito engenhosos no uso da pá… Para revirar o solo, cavar ou qualquer trabalho que exija o levantamento de terra, eles usam uma pá larga com cabo longo, com uma corda presa a cada orelha da lâmina. Um homem guiará o cabo enquanto um ou dois homens puxarão cada corda, empregando assim de três a cinco homens para cada pá.

Allen observou que, quando os homens trabalhavam para si mesmos, certamente faziam “uma grande execução assim, mas quando trabalham por salários, tendem a fazer disso um artifício que economiza muito trabalho“.

Parece que Allen estava escrevendo do mesmo ponto de vista de James Scarth Gale (1863-1937), que mais tarde escreveu:

Tínhamos um pequeno pedaço de jardim que queríamos transformar, então contratamos um trabalhador e colocamos em sua mão uma linda pá nova da América. Ele prendeu duas cordas de palha a ela, contratou outros quatro trabalhadores, às nossas custas, é claro, e fez o trabalho triunfante.

Sendo completamente inexperiente em relação ao uso de uma “pá coreana”, eu me pergunto se a difamação dessa ferramenta pelos dois missionários era justificada.

A Pá de Força Coreana
O escritor Robert Neff. Foto: Korea and the World

Texto escrito por Robert Neff, autor e co-autor de vários livros, incluindo “Letters from Joseon, Korea Through Western Eyes e Brief Encounters”.

Disclaimer

As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.