Dados divulgados nesta sexta-feira, 22 de março, mostram que apenas 1 em cada 5 mulheres sul-coreanas pensam em casamento. Esse dado é reflexo das dificuldades sociais enfrentadas pela quarta maior economia da Ásia em meio à baixa taxa de natalidade.

Os dados foram coletados pela Statistics Korea e mostram que apenas 22,4% das mulheres solteiras queriam se casar em 2018. Uma queda brusca em comparação com os 46,8% em 2010.

Houve também uma queda na intenção masculina – 36,3% dos homens são a favor do casamento, enquanto que, em 2010, esse número era de 62,6%.

 

Ainda de acordo com a pesquisa, o número de casamentos está diminuindo a cada ano – foram 264.455 casamentos realizados em 2017 contra 257.622 em 2018.

O motivo desse declínio consiste no distanciamento dos três principais marcos – namorar, casar e ter filhos como também a desaceleração econômica prolongada causando assim incertezas em alguns sul-coreanos.

O declínio nos casamentos fez com que a taxa de natalidade também caísse atingindo marcas inéditas – 0,98, muito abaixo do nível ideal de 2,1 para manter a população sul-coreana de 51 milhões estável.

Dados Estatísticos sobre a Coreia do Sul

Imagem: Shawn Ang on Unsplash

As últimas descobertas dos indicadores sociais coreanos mostraram que o número de pessoas com 65 anos ou mais representava, em 2018, 14,3% da população do país. Lembrando que, um país é definido como uma sociedade envelhecida quando mais de 14% de sua população tem 65 anos ou mais.

O relatório também mostra que o câncer é a causa número 1 de morte entre os sul-coreanos, seguido por problemas cardíacos, doenças cerebrovasculares e pneumonia.

A fim de combater esses números o governo passou a tomar medidas práticas como o aumento do preço dos cigarros em 80%. E já pode-se observar uma queda na taxa de fumantes – em 2011 tinha-se 46,8% de homens fumantes contra os 37% em 2017.

Em 2016, ficou determinado que as empresas de tabaco devem colocar imagens gráficas que mostra os efeitos prejudiciais do fumo em todas as embalagens de cigarro.

No relatório há também informações sobre o perigo da super dependência em Smartphones. Houve um aumento de 0,8% em relação ao ano anterior e seus maiores dependentes estão na faixa etária de 10 a 19 anos

De acordo com a Agência Nacional da Sociedade da Informação (agência responsável pelo tratamento daqueles que são viciados na internet), aqueles que correm o risco de super dependência em smartphones têm dificuldade em viver vidas comuns.

Outros dados que essa pesquisa mostra é a queda da criminalidade no país em 9,1% – dentre eles, somente o roubo caiu em 16,2% em relação ao ano de 2017.

Em relação ao meio ambiente, foi noticiado um enorme desconforto, principalmente sobre a poeira fina que cobriu ao país nas últimas semanas. De acordo com pesquisadores, essa poeira pode causar várias doenças respiratórias, enfraquecer o sistema imunológico do corpo além de ser um dos responsáveis pelo aquecimento global.

Em 2015, a Coreia do Sul se ofereceu para reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 37% até 2030. Porém, foram emitidas 694,1 milhões de toneladas de poluentes em 2016, causando um aumento de 0,2%.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.