Os principais tópicos discutidos foram segurança no trânsito e educação em língua coreana.

O conselho de estrangeiros residentes em Seul se reuniu mais uma vez este ano, no auditório da prefeitura, para discutir como melhorar a cidade para todos os cidadãos de Seul, propondo recomendações de políticas para o governo da cidade.

Criado em 18 de Dezembro de 2015, em comemoração ao Dia Internacional dos Imigrantes, estabelecido pelas Nações Unidas, o Conselho é o primeiro da Coreia a ter afiliação com o governo local e que é composto apenas por residentes estrangeiros, totalizando 38 membros vindos de 23 países.

Além da primeira reunião geral ocorrida em Julho, as propostas que foram apresentadas na última reunião preocupam não só os residentes estrangeiros, bem como os coreanos.
Eu moro na Coreia há três anos“, disse Karolina Zasadzka, polonesa, falando em coreano, “mas eu ainda não me acostumei aos terríveis congestionamentos e ao ar poluídoA cidade precisa encorajar mais as pessoas a irem para o trabalho de bicicleta, ou que elas usem o transporte público para colaborar na redução do aumento da poluição ambiental“, disse ela.

Na Europa, há um sistema chamado ‘Estacione e Ande’, onde as pessoas podem dirigir seus carros ou andar em suas bicicletas até uma estação de metrô ou trem próximas as suas casas, estacionarem seus veículos gratuitamente ou com tarifas baratas, e ir de transporte público para o trabalhoMas, para que mais pessoas usem a bicicleta para ir ao trabalho, eu acho que o pensamento dos coreanos precisa ser mudado, por que, não são muitos os motoristas cuidadosos que parariam para alguém que está atravessando a rua, e muitas ciclovias ainda são bloqueadas por carros estacionados“, ela adicionou.

A recomendação de Zasadzka foi apoiada por Sefa Filiz, da Turquia. “Nos Estados Unidos, há uma placa de ‘pare’ em cada cruzamento e nas áreas próximas a escolas” disse Filiz, “e cada motorista deve parar completamente nessas placas antes de continuar dirigindo“.

Ele adiciona que “na Suíça, mesmo que os pedestres não acenem para os carros pararem, os motoristas param quando percebem alguém prestes a atravessar a rua. Na Austrália, a segurança dos pedestres sempre vem em primeiro lugar“. “Na Coreia, mesmo nas ruas que são estreitas que você fica espremido entre os carros estacionados, você precisa olhar bem para os lados antes de atravessar e você nunca consegue prever se o motorista irá ou não parar“.

Filiz recomendou ao governo municipal de Seul que implemente normas de trânsito mais duras, que sejam mais amigáveis para com os pedestres e que ajudem as autoridades a arrecadar fundos, assim mais motoristas serão encorajados a dirigir cuidadosamente.

O tráfego de Seul é considerado perigoso e desorganizado. Foto: Getty Images
O tráfego de Seul é considerado perigoso e desorganizado. Foto: Getty Images

Medidas para ajudar imigrantes do sexo feminino também foram sugeridas na reunião. Wok Ok-kum, de 41 anos, imigrante oriundo do Vietnã que se naturalizou cidadão coreano em 1998, pediu ao Centro de Atendimento Dasan para que o serviço amplie o seu horário de atendimento em língua estrangeira até as 7 da noite. Assim, as imigrantes do sexo feminino poderão ter acesso a este programa do governo municipal, que providencia voluntários que acompanham pessoas até suas casas quando está tarde da noite.

Também seria bom que o governo municipal encorajasse os imigrantes estrangeiros a trabalhar no programa de voluntariado,” disse Won. “Seria de grande ajuda para as imigrantes do sexo feminino e tornaria a cidade de Seul verdadeiramente uma cidade amigável para os estrangeiros“.

Muitos casamentos entre imigrantes na Coreia tendem a ser com mulheres estrangeiras“, disse Ha Sung-do, cidadã chinesa que reside a 8 anos em Seul. “Em vez de apenas contratá-los para simplesmente trabalhar nos restaurantes, eles poderiam tornar-se embaixadores culturais para os restaurantes e fornecer informações sobre os menus e produtos usando sua própria língua para os visitantes que vem de suas terras natais“.

Ela adicionou que,”contratar mais imigrantes para as lojas, não é algo que o governo municipal possa incentivar sozinho, mas poderia ser de grande ajuda se os restaurantes e lojas tivessem placas que indicassem que os serviços são oferecidos em várias línguas“.

Eum Kyu-sook, chefe do escritório governamental dedicado à políticas para as mulheres e a famílias estrangeiras respondeu positivamente às recomendações apresentadas. “O governo municipal fará tudo que for possível dentro de sua jurisdição e iremos transmitir estas recomendações para o governo central” disse Eum. “Eu posso prometer com certeza que as políticas que estão ao alcance da jurisdição governamental municipal, como admitir mais imigrantes do sexo feminino para o programa de voluntariado da cidade que acompanha as pessoas até em casa quando está tarde da noite, serão transmitidas para o departamento responsável imediatamente“.

Os membros do conselho, em sua primeira reunião geral ocorrida em Julho, propuseram 21 mudanças e recomendações em relação às políticas públicas para o governo metropolitano de Seul. O governo municipal, disse que 14 delas já foram implementadas ou enviadas para os departamentos responsáveis.

As recomendações incluem, listar informações em um guia escrito em 11 línguas, sobre prevenção a incêndios e desastres no site do governo metropolitano de Seul chamado de ‘Hanultari’, e fornecer suporte e espaço no Centro Global de Seul para que sejam oferecidas aulas para crianças que são filhas de pais de etnias deferentes tenham a oportunidade aprender a língua natal de seus pais. Mas, o pedido original do conselho para criar um fundo para as aulas de língua estrangeira ainda não foi implementado.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.