Seja produtivo até morrer“, diz o autor do livro que prega uma vida intelectualmente estimulante.

Na Coreia, especialistas em finanças estão incentivando as pessoas a guardar um bilhão de won (cerca de R$3.340.000,00) para levar uma vida tranquila após a aposentadoria, que, dependendo, pode continuar por três décadas após a pessoa deixar o emprego.

O valor é baseado na pesquisa de 2014 da Statistics Korea com trabalhadores assalariados.

Segundo a pesquisa, os coreanos se aposentam aos 53 anos, em média, e os aposentados vivem mais 33 anos sem renda. Considerando que a despesa mensal média para uma família que vive em Seul é de cerca de 2,3 milhões de won, são necessários aproximadamente 900 milhões de won para que um aposentado viva junto com seu cônjuge sem estresse financeiro. Portanto, é preciso um bilhão para o fundo de aposentadoria.

Jung Sung-hyun, autor de “Quero levar uma vida intelectualmente estimulante até morrer“, publicado pela Mento Press, desafia a teoria de um bilhão, alegando que é um truque dos especialistas financeiros para tirar proveito dos recursos de seus clientes.

Jung, 64 anos, apresentou a dica principal para evitar se tornar um aposentado infeliz – ser produtivo até morrer. Ele diz que a aposentadoria não é o ponto final de uma vida profissional, mas deve ser o começo de outra carreira gratificante na última parte da vida.

Você precisa ter coisas para fazer em que possa se concentrar totalmente, e não ser um simples aposentado que leva uma vida sem sentido dependendo de uma pensão ou poupança durante a vida pós-aposentadoria“, disse Jung ao The Korea Times.

Ele disse que “ter o que fazer” não significa necessariamente que os aposentados encontrem empregos remunerados.

Eles podem encontrar trabalho voluntário não remunerado ou coisas como ler ou escrever que podem fazê-los sentirem-se felizes. Você também pode encontrar empregos remunerados. Mas o que eu quis dizer com ser um titular nem sempre significa uma profissão ou um emprego que é pago“. ele disse.

“Quero levar uma vida intelectualmente estimulante até morrer”, de Jung Sung-hyun.

O livro que prega uma vida intelectualmente estimulante é um guia escrito por um aposentado comum.

Ele disse que percebeu a importância de pertencer à categoria dos aposentados depois de se aposentar após quatro décadas de trabalho no setor bancário . Sempre que ele conhecia aposentados de sua idade, ele dizia, eles sempre conversavam sobre dinheiro. “O dinheiro em si não pode nos fazer sentir felizes. Precisamos de algo extra que possa nos fazer sentir recompensados“.

O autor disse que sua definição de uma vida intelectualmente estimulante é aquela que não é dominada por questões financeiras.

O próprio Jung é um aposentado feliz. Após sua aposentadoria da Federação Nacional de Cooperação Agrícola (Nonghyup), sete anos atrás, ele teve a sorte de ter um emprego em tempo integral como executivo na empresa Youngchang E&C.

No entanto, ele desistiu um ano depois porque queria levar uma vida mais gratificante.
Ele participou de um programa de graduação em redação criativa em uma universidade, leu livros e dedicou seu tempo à comunidade como voluntário. Ele encontrou alegria em escrever e estava determinado a publicar um livro.

Jung disse que sua vida antes da aposentadoria era cheia de experiências frustrantes. Ele disse que foi promovido a gerente 11 anos depois de ingressar em Nonghyup, muito mais tarde do que seus colegas de trabalho.

Para meus colegas de trabalho, normalmente levava três a quatro anos para se tornarem gerentes“, disse ele. “Mesmo depois disso, continuei a falhar nas promoções. Houve vários momentos frustrantes“.

Jung disse que não era um bom pai para seus filhos e não tinha muito tempo de qualidade com eles quando estavam crescendo. Ele também bebia demais.

Ironicamente, ele disse, suas experiências frustrantes na primeira metade de sua vida o encorajaram a levar uma vida muito diferente na segunda metade.

O autor apresentou um conjunto de “prós e contras” para aqueles que se aposentarão de suas carreiras ou aqueles que já se aposentaram, e repetidas tentativas e erros.

Ele os encorajou a renunciar aos cartões de crédito. Se as pessoas pagam em dinheiro ou usam cartões de cheque, ele disse que podem reduzir o consumo em aproximadamente 30%.

É difícil viver sem cartão de crédito“, disse ele. “Mas você verá o benefício imediato de um estilo de vida baseado em dinheiro. Se você parar de usar cartões de crédito, verá que seu consumo cairá drasticamente. Curiosamente, quem renuncia aos cartões de crédito diz que não sente o aperto“.

Jung também incentiva os aposentados a direcionar sua energia positiva para produzir algo construtivo.

O autor mencionou um fenômeno interessante, apelidado de “Escola de Pensamento Cheonggye”, criado após demissões de trabalhadores mais jovens.

Comparado à geração mais velha, hoje em dia as pessoas se aposentam do trabalho quando são relativamente jovens e saudáveis. Alguns dos primeiros aposentados instruídos escalam montanhas para matar o tempo e, no caminho de volta, se reúnem em um determinado local no declive e debatem políticas, questões econômicas e sociais. O Monte Cheonggye, no sul de Seul, é um local popular para os aposentados.

Devido ao seu engajamento ativo no debate, esses aposentados mais jovens são chamados de Escola de Pensamento Cheonggye, em homenagem à montanha que frequentam.

Eu me pergunto o que aconteceria se eles produzissem um livro ou outro material impresso com base em seus debates sobre os assuntos em questão. Acho que suas vidas após a aposentadoria seriam mais gratificantes“, disse o autor.

O autor disse que pagar dívidas o mais cedo possível também ajudará as pessoas a se prepararem melhor para suas vidas após a aposentadoria.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.