Shin Ji-hye, chefe do Partido da Renda Básica Reprodução: Park Hyun-koo / The Korea Herald

Shin Ji-hye, uma feminista e socialista liberal de 33 anos, espera poder trazer mudanças radicais no país para desafiar a desigualdade social, financeira e de gênero, começando com a eleição para prefeitura de Seul.

Shin, uma representante do pequeno Partido da Renda Básica, e outros integrantes do seu partido acreditam que um novo contrato social é necessário em uma era onde empregos dignos estão em declínio, o desemprego está aumentando, a desigualdade está se expandindo e os preços das moradias estão alcançando preços astronômicos.

“Criamos este partido acreditando que o estado deveria fornecer uma renda mensal básica para todos os cidadãos, construindo uma melhor rede de segurança social e ajudando os menos privilegiados a saírem das garras da pobreza”, disse Shin em uma entrevista ao The Korea Herald.

Deixando a Desigualdade para Trás

O pequeno Partido da Renda Básica foi estabelecido em 19 de janeiro de 2020, com a promessa de fornecer uma renda básica mensal de 600.000 won (US $ 542) para todos os sul-coreanos. O partido já contam com cerca de 20.000 integrantes.

Nenhum país jamais forneceu uma renda básica mensal para todos os seus cidadãos. Algumas comunidades — incluindo cidades na Holanda, vilas na Índia e na província canadense de Ontário — tentaram fazer isso como um experimento.

Jovem Concorre À Prefeitura De Seul Defendendo Pautas Sobre Igualdade E Feminismo
Shin ji-ye abre caminho com políticas feministas
reprodução: nahm eeo-jin/green party korea

“Quando fui voluntária na faculdade, vi muitas crianças e adolescentes morando em favelas, pessoas com deficiência de desenvolvimento e idosos solteiros. Com o sistema de bem-estar atual, parecia muito difícil para eles sair da pobreza”, disse ela.

“Muitos deles estavam em pontos cegos de bem-estar, sem poder se inscrever para o Programa de Segurança de Subsistência Básica porque têm “família” para apoiá-los — mesmo que não recebessem nenhuma ajuda deles. Eu vi que o bem-estar deve ser orientado para o indivíduo e não para a família.”

Por que 600.000 won? De acordo com Shin, o programa existente do país para pessoas que vivem na pobreza, o Programa de Segurança de Subsistência Básica, só pode ser substituído por um novo programa que ofereça mais. O subsídio mensal padrão sob o programa existente era de 530.000 won por pessoa no ano passado para pessoas cuja renda era inferior a 30% da média.

Jovem Concorre À Prefeitura De Seul Defendendo Pautas Sobre Igualdade E Feminismo
Shin ji-ye fala durante sua campanha na dongduk women’s university em seul
reprodução: nahm eeo-jin / partido verde da coreia)

A maior questão é como o programa planejado poderia ser financiado. A população coreana é de cerca de 51 milhões, e cálculos simples mostram que custaria mais de 300 trilhões de won para fornecer o suplemento proposto a todos os coreanos.

“Os 300 trilhões de won não virão do orçamento nacional existente”, disse Shin, sugerindo três maneiras de financiar o plano. Teria que impor um imposto de 15% sobre todos os rendimentos de salários, negócios e ganhos de capital; impor um imposto sobre toda propriedade de terra; e impor um imposto sobre o carbono em todas as atividades comerciais que emitem carbono.

Dessa forma, ela acredita, mais de 80% do público pode receber mais de volta do que paga com os impostos.

Visões Feministas

“Algumas pessoas têm a má ideia de que o feminismo é para fortalecer o extremismo feminino. Mas não é”, ela disse.

Ela definiu o feminismo como uma forma de olhar para a sociedade a partir de uma nova perspectiva — a perspectiva daqueles que sofrem discriminação — e criar uma sociedade onde ninguém esteja sujeito à discriminação.

Shin Ji-Ye
Campanha eleitoral shin ji-ye
reprodução: yonhap

“Definitivamente, as mulheres na Coreia sofrem discriminação e violência. E 90% das vítimas de violência sexual são mulheres, a disparidade salarial de gênero é maior entre os países da OCDE”, disse ela.

Os papéis de gênero dentro da família são um excelente exemplo disso, disse Shin. “Quando casado, cuidar dos filhos é uma tarefa deixada quase que exclusivamente para as mulheres”

De acordo com estatísticas divulgadas recentemente pelo Ministério do Trabalho, 22.297 homens tiraram licença-paternidade em 2019, o que representa apenas 21,2% de todos os titulares de licença. Isso não significa que os homens não queiram tirar licença parental.

Jovem Concorre À Prefeitura De Seul Defendendo Pautas Sobre Igualdade E Feminismo
Um apoiador do partido verde se junta a uma campanha por shin ji-ye no distrito de nowon, nordeste de seul
reprodução: nahm eeo-jin / partido verde da coreia).

Uma pesquisa realizada pelo site de portal de empregos Job Korea mostrou que 87% dos homens eram a favor da licença-paternidade, mas não podiam por causa de uma cultura de trabalho que não os apoiava.

Como candidata a prefeita, Shin prometeu tornar a licença parental obrigatória para ambos os pais, começando com o governo da cidade, para que o setor privado possa acompanhar.

“O sistema obrigatório ajudará homens e mulheres a cuidar igualmente de seus filhos, reduzir a disparidade salarial de gênero e ajudar a evitar que as mulheres descontinuem suas carreiras.”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.