Oito de 10 empresas coreanas com ações de mais de U$ 1.7 bilhões de dólares não têm mulheres no seus conselhos diretores, mostrando que ainda é difícil quebrar a barreira invisível para cargos de alta diretoria, de acordo com dados liberados esta semana. 

Uma empresa local de rastreamento chamada Chaebol.com descobriu que de 143 empresas listadas com ações de mais de 2 trilhões de won, 114 não possuíam mulheres na lista de executivos apresentada para acionistas ano passado.

Empresas como Hyundai Motor, SK hynix, Posco, Kia Motors, Samsung C&T, Hyundai Steel, LG Electronics, Hyundai Mobis, LG Display e Korean Air todas têm conselhos compostos totalmente por homens.

As demais 29 empresas tinham mulheres em cargos de direção, porém o número era bem menor comparado com os homens. 24 empresas, incluindo SK Telecom, Lotte Shopping, Kakao, Naver, Amorepacific e Hotel Shilla, possuíam uma diretora mulher cada. Samsung Eletronics e Shinsegae tinham duas cada.  

A partir do segundo semestre deste ano, empresas com ações de mais de 2 trilhões de won serão obrigadas a apontarem uma mulher como diretora, conforme a lei de mercado capital, revisada e aprovada no começo deste mês. A lei começa a ser aplicada em julho e exige ao menos uma mulher participando da banca de diretores.  

Contudo, companhias que violarem as normas não serão punidas.

A associação de empresas locais, o Fórum Coreano de Governança Empresarial disse: “Do ponto de vista da governança corporativa, a diversidade de gênero pode reduzir os erros do pensamento coletivo, afastando-se dos conselhos existentes centrados no homemIsso leva a uma melhor governança, como maior independência do conselho, monitoramento eficiente e melhor desempenho corporativo“. 

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Igualdade de Gênero e Família em outubro do ano passado, o número total de executivos em empresas listadas foi de 29.494. Entre eles, o número de executivos do sexo masculino era de 28.595. As executivas eram 1.199, representando 4% do total.

O ministro da Igualdade de Gênero, Lee Jung-ok, prometeu buscar políticas para aumentar a diversidade de gênero nas empresas, dizendo que o equilíbrio de gênero ainda falta no processo prático de tomada de decisões no setor privado.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.