Músicas não são criadas sem propósito, de modo que muita vezes músicas criadas inicialmente sem este propósito, podem se tornar politizadas. Este tem sido o caso nos últimos anos, em que diversas músicas de K-pop se tornaram relacionadas com diferentes acontecimentos políticos da Coreia do Sul. Entre o impeachment da presidente e transformações nas relações inter-coreanas, os últimos três anos marcaram o surgimento de diversas músicas que se tornaram símbolos de movimentos políticos. Estas são algumas músicas que se tornaram politizadas recentemente:

“Bang Bang Bang” do BigBang, “Me Gustas Tu” do GFriend, “Let Us Just Love” do APink

Estas três músicas se tornaram conhecidas por serem usadas pela Coreia do Sul como propaganda na fronteira Norte-Sul, tendo como objetivo atingir os soltados e cidadãos norte-coreanos que vivem próximos à DMZ, a Zona Desmilitarizada, que separa os dois países. Os auto-falantes que transmitiam as músicas e outras mensagens, como notícias, foram desligados à luz da recente reaproximação entre os dois países.

“Cheer Up” da TWICE

A música do girl group, lançada em 2016, foi remixada para a eleição do atual presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in. Também foi utilizada por outro candidato, Yoo Seung-min, que não foi eleito. As músicas “Um Oh Ah Yea” de MAMAMOO, “Mackerel” de Norazo e “Run To You” do DJ Doc também foram utilizadas nas campanhas eleitorais de 2017.

 

“One Candle” do G.O.D.

Lançada em 2000, a música icônica do grupo veterano se tornou comum em protestos contra a ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye. Quando os sul-coreanos tomaram as ruas de Seul para protestar através de uma vigília com velas, a letra da música se tornou simbólica para o público que se reunia em protestos pacíficos contra o mandato presidencial de Park Geun-hye. A letra da música diz: “Muita coisa pode acontecer ao se acender uma pequena vela / Eu acreditei que não havia mais nada ao meu redor / Mas eu descobri outra pequena vela / E quando acendi, elas se tornaram duas / À luz de duas velas, eu pude encontrar mais / E duas se tornam três e três se tornam quatro / E a escuridão desaparece”.

“Into The New World” de Girls’ Generation

A música de debut de um dos grupos femininos mais icônicos da Coreia do Sul foi utilizada por estudantes da Universidade de Ewha para protestar contra mudanças na universidade. A música diz: “Andando por caminhos longos e desconhecidos, eu sigo uma luz fraca / É algo que faremos juntas até o fim, num novo mundo”. O trecho foi cantado pelas estudantes que enfrentaram a policia, protestando contra decisões feitas pela administração, consideradas contrárias à composição feminina do corpo estudantil e aos valores da universidade. “Into The New World” se tornou um hino para as mudanças que ocorreram durante os protestos contra a administração corrupta do país.

“Red Flavor” e “Bad Boy” de Red Velvet
O girl group apresentou ambas as músicas como parte de um contingente de artistas sul-coreanos que estiveram na capital norte-coreana no último mês. A presença do grupo foi vista como sinal das mudanças positivas nas relações inter-coreanas, tendo em vista o uso de K-pop como propaganda contra o Norte no passado.

“Comet” de Younha
Estudantes da Universidade de Ewha em Seul organizaram um protesto #MeToo no campus e utilizaram a música de Younha como hino. Diversos casos de assédio sexual entre professores e estudantes da universidade foram denunciados. A música de pop-rock, originalmente lançada em japonês como “Houki Boshi” para a trilha sonora do anime Bleach, foi cantada pelos protestantes, e Younha chegou a tweetar o seu apoio ao movimento.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.