De acordo com dados do governo, mais de 2 milhões de estrangeiros vivem na Coreia do Sul. Um número bem maior que o de 2007, quando foi registrado cerca de 1 milhão de residentes estrangeiros.

O multiculturalismo é inevitável no futuro da Coreia“, disse Kim Do-gyun, presidente da Fundação de Serviços de Imigração.

Quando a fundação foi criada, em 2004, seu principal objetivo era fornecer assistência administrativa ao escritório de imigração. Mas, à medida que a população imigrante crescia, a fundação ampliava seu papel de apoiar imigrantes estrangeiros na adaptação e instalação na sociedade coreana.

Temos programas de integração há quase 10 anos, com o objetivo de ajudar os imigrantes a se prepararem para suas vidas aqui“, disse ele.

O programa inclui a introdução de características culturais e de idioma, além de direitos de imigrantes.

Permitir que os imigrantes façam uma transição suave para seus novos lares é benéfico não apenas para os imigrantes como indivíduos, mas para a sociedade como um todo”, de acordo com Kim.

A maioria dos imigrantes está aqui por meio de casamento ou visto de trabalho“, disse Kim. “Eles geralmente estão em desvantagem e, infelizmente, estão sujeitos a discriminação“, disse ele. “É necessário apoio para uma adaptação e aculturação saudáveis“.

Se falharmos como sociedade em ajudá-los a se estabelecer na Coreia ou assimilar – caso desejem – nossa cultura, eles se tornarão pessoas incapazes de poder atuar como membros de nossa comunidade“.

Imagem: Presidente Kim Do-gyun (Park Hyun-koo/The Korea Herald)

Kim também falou contra os preconceitos enfrentados pelos imigrantes.

Cerca de 7,5 milhões de coreanos vivem no exterior. Isso é três vezes o número de imigrantes – 2,5 milhões – vivendo aqui ”, disse ele, apontando que a migração é uma ocorrência natural em um mundo globalizado.

Temos que parar de pensar em imigrantes na terceira pessoa. Porque podemos estar no lugar deles algum dia”.

Além disso, a Coreia terá que contar com imigrantes para sua força de trabalho futura, disse Kim, devido ao envelhecimento da população.

Os políticos se abstêm de falar sobre imigrantes porque o assunto não é exatamente uma maneira de ganhar votos“, disse ele. “Mas que alternativa existe para a crise do envelhecimento da população (do que a imigração)?

Nosso futuro é multicultural“, disse ele. “Nenhuma cultura é independente das influências externas. Homogeneidade é um mito. ”

Imagem: Katie Moum on Unsplash

Quanto aos imigrantes sem documentos, Kim disse que deveria haver canais legais através dos quais eles pudessem entrar.

Por exemplo, existem vagas em empregos indesejados pelos habitantes locais que esses imigrantes ilegais estão dispostos a preencher“, disse ele.

Desde que assumiu o cargo em março, Kim disse que vem trabalhando para alcançar as comunidades de imigrantes e aumentar a conscientização sobre a fundação.

Kim disse que, após décadas de experiência em serviços de imigração, os imigrantes são os que mais desejam aprender sobre a Coreia e os coreanos.

Mas os coreanos não estão tão prontos para aprender sobre os imigrantes ou entendê-los“, disse ele. “Tem que ser uma via de mão dupla. Se formos acolhedores e de mente aberta, nossos novos vizinhos encontrarão seu caminho em breve. ”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.