Dos milhões de luvas de plástico que a população usou para as eleições e as máscaras que se tornaram essenciais no dia a dia, o novo coronavírus também trouxe mais uma coisa: o desperdício de plástico.

A Coreia do Sul já estava entre os países que mais consumiam plástico per capita antes mesmo da pandemia- as pessoas em média usavam 11,5 kg de plástico por ano.

De acordo com o relatório de 2019 do Greenpeace e do professor Jang Yong-chul da Universidade Nacional de Chungnam em Daejeon, isso significaria que por pessoa, seriam usadas 96 garrafas de plástico, 65 copos descartáveis e 460 sacolas plásticas.

Fonte: The Korea Biziwire

Mas a partir do momento que as pessoas passam mais tempo em casa e fazem mais uso de compras online e de deliverys, além de aumentar o consumo de descartáveis, devido às preocupações com a contaminação, o desperdício de materiais plásticos estão chegando a um ponto alarmante.

Jenna Lee trabalha em um escritório com sede em Seul e disse que em comparação com o ano passado, as caixas e embalagens estão se acumulando mais rapidamente em sua casa, uma vez que depois de começar a trabalhar em casa, ela começou a usar mais o serviço de entrega de comida quando está cansada de cozinhar e faz as compras online.

Eu fico preocupada quando vejo embalagens plásticas, pacotes de gelo e caixas de papelão se acumulando devido as minhas compras, mas não há muitas opções em momentos como esse,” disse a mulher de 32 anos em uma entrevista recente quando a maior parte de Seul estava sob regras mais restritivas.

As caixas de papelão são relativamente mais fáceis de reciclar, mas as embalagens de plástico e os pacotes de gelo são mais difíceis,” ela disse.

Depois de uma declaração feita em junho por mais de 100 experts na área de saúde de todo o mundo sobre “o sistema de reutilizáveis podem ser usados se houver o uso de higiene básica,” a ideia de que copos descartáveis seriam mais seguros do que os reutilizáveis só piorou o problema.

Muitas filiais locais da franquia estadunidense de café, a Starbucks, por exemplo, servia as bebidas em copos descartáveis, só não faziam isso quando o cliente pedia por um copo reutilizável. A situação não é muito diferente em cafeterias de menor porte.

Alguns clientes dizem que se sentem seguros usando copos descartáveis. Não podemos dizer não para eles em tempos como esse de pouca clientela,” disse o dono de uma pequena cafeteria na região leste de Seul no distrito de Seongdong.

“Além disso, é algo que está de acordo com as leis atuais,” ele acrescentou, se referindo a mudança temporária da política do governo em relação ao plástico.

Sob um plano para eliminar os copos e canudos de plástico ​​e substituí-los por reutilizáveis ​​até 2027, o governo implementou no ano passado uma política que multa de até 2 milhões de won (US $ 1.742) cafeterias que oferecem copos de plástico descartáveis ​​sem verificar se o cliente comerá dentro ou fora do estabelecimento.

Mas, a partir de fevereiro, o Ministério do Meio Ambiente relaxou temporariamente a política nos cafés, permitindo que algumas empresas usassem copos e talheres descartáveis, se necessário.

Embora os dados anuais e os dados abrangentes comparando os resíduos de plástico do país antes e depois da pandemia ainda não estejam disponíveis, o esperado é que os resíduos de plástico tenham tido aumento nos últimos meses.

Dados de alguns governos das províncias que divulgam dados mensais mostram que o lixo plástico aumentou cerca de 20% desde o início da pandemia. A maioria dos trabalhadores da indústria de gerenciamento de resíduos também dizem que o resíduo definitivamente aumentou,” disse Baek Na-yoon, uma ativista da Federação Coreana para Movimentos Ambientais, à Agência de Notícias Yonhap.

Não é apenas uma questão de aumento no volume de desperdício plástico. Mas essa situação pode levar a um problema maior envolvendo a indústria de gerenciamento de resíduos – ainda mais, já que a tendência de compras online provavelmente veio para ficar,” disse ela.

Mas, mesmo em situações desoladoras como essa, há uma fresta de esperança. As pessoas agora estão prestando atenção ao plástico que consomem e desperdiçam.

Depois de ver todo o lixo se acumular, tentei pelo menos reduzir o número de vezes que faço pedidos online. Mesmo assim, me sinto mal ”, disse Lee, que trabalha em um escritório.

Containers carregando uma variedade de cosméticos estavam em exposição no Almang Market no oeste de Seul em 22 de setembro. Os clientes podiam colocar a quantidade do que se precisava em recipientes reutilizáveis e levá-los para casa. Fonte: The Korea Bizwire

Para aliviar sua culpa, Lee disse estar tentando cozinhar com mais frequência e usar copos reutilizáveis. Ela também começou a pedir mais de varejistas que usam recicláveis ​​ou menos embalagens.

Para consumidores como Lee, um pequeno número de lojas ecológicas os está ajudando a ter um estilo de vida mais sustentável.

O Earth Us, um café no oeste de Seul, por exemplo, segue estritamente uma política de proibição do uso de plástico. Não utiliza nenhum bem descartável – inclusive guardanapos, canudos e vasilhames descartáveis. A cafeteria incentiva os clientes que desejam levar comida e a trazer vasilhas e copos próprios.

O Almang Market é outra loja que promove a ética do “desperdício zero” e do “sem uso de plástico”. A loja, formada por três ambientes que se uniram para diminuir os resíduos plásticos, vende maquiagem e sabão em pó sem vasilhames. Os visitantes podem pegar a quantidade de que precisam em garrafas reutilizáveis ​​que trazem ou pedem emprestadas na loja e levam para casa.

Embora não possamos comparar diretamente os números desde que abrimos durante a pandemia, recentemente há definitivamente mais interesse no meio ambiente e no movimento de lixo zero,” disse Yang Rae-gyo, um dos co proprietários da loja que significa “substância” em coreano.

Yang disse que o novo coronavírus parece ter servido para abrir os olhos de alguns.

As pessoas costumavam pensar que o desperdício zero é algo para pessoas sensíveis, mas agora elas parecem perceber que é algo que afeta a todos nós”, disse Yang.

Baek concordou. “Temos recebido cada vez mais perguntas de pessoas que recentemente se interessaram pela questão dos resíduos de plástico. O COVID-19 nesse sentido definitivamente serviu para abrir os olhos.

Mas ambos enfatizam que esses movimentos individuais – por mais positivos que sejam – não são suficientes para prevenir uma pandemia de plástico iminente em escala nacional.

Não é realmente sustentável confiar nas mudanças no estilo de vida das pessoas. A mudança deve acontecer em linha com mudanças lideradas por empresas e governo. Tem que ser junto,”Yang enfatizou.

Bolsas de gelo ecológicas que podem ser recicladas com mais facilidade. Fonte: The Korea Bizwire

Felizmente, um número crescente de empresas está cada vez mais se movendo para reduzir o desperdício para clientes preocupados com a situação.

O McDonald’s da Coreia tem como objetivo substituir todas as suas embalagens por material ecológico até 2025 e lançar tampas sem canudos para bebidas.

Varejistas como o SSG incentivam os clientes a usar sacolas reutilizáveis ​​para receber as entregas e alguns como a Market Kurly lançaram bolsas de água que podem ser descartadas de forma mais natural em comparação com as de gelo.

O Ministério do Meio Ambiente disse que entende a gravidade do problema.

Vamos pressionar por uma mudança de paradigma na gestão de resíduos, reduzindo fundamentalmente estes e preparando a implementação da administração de área de reziduos,” disse o Ministro Cho Myung-rae durante uma recente sessão de auditoria parlamentar, referindo-se a um plano mestre de gestão de resíduos lançado em setembro.

O governo planeja cortar os bens de uso único da Coreia do Sul em 35% e os resíduos de plástico em 10% até 2022.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.