Dois autores coreanos trans, que atendem pelo pseudônimo de Cheyenne e Mallang, entraram em contato pela primeira vez há dois anos atrás, após Mallang descobrir que os quadrinhos de Cheyenne, descreviam de forma visual a jornada, vida e problemas de pessoas transsexuais.

No último Dezembro essa nova amizade materializou-se em forma de uma colaboração em forma de quadrinhos autobiográficos, que buscam transmitir conforto àqueles que estão atualmente passando pela mesma situação em um país no qual a discriminação contra a comunidade LGBTQ ainda persiste.

Vida De Autores Coreanos Trans Capturada Em Forma De Arte
Mallang e cheyenne. Foto por wspaper.

Eu queria informar, comover e confortar os adolescentes trans que não possuem fácil acesso às informações precisas sobre a transição, bem como aqueles que são forçados a esconder sua identidade de gênero como um indivíduo enrustido semelhante ao meu antigo eu“, disse o autor Mallang ao The Korea Times em entrevista recente junto a Cheyenne.

Devido a constante falta de informações precisas sobre gênero, conceitos errôneos e representações caricatas por parte da mídia a respeito da comunidade transgênero, ambos buscaram se tornar visíveis em espírito de solidariedade.

Em “Meu nome é Cheyenne e sou uma pessoa Trans” a voz e emoções da autora são delicadamente transmitidas através de sua personagem, que possui um broche roxo de “A Pequena Sereia”. Para ela, a narrativa retratando uma princesa do mar tentando alcançar o mundo dos humanos é semelhante ao da de pessoas trans.Vida De Autores Coreanos Trans Capturada Em Forma De Arte

Cheyenne. Foto por Aladin.Já em “Meu nome é Mallang e sou uma pessoa Trans”, Mallang representa a si mesmo como um peixe com uma face humana, barbatana perfurada e corpo azul esverdeado. Um peixe que nada livremente no oceano e que representa seu desejo de se libertar das algemas dos preconceitos e restrições sociais.

Vida De Autores Coreanos Trans Capturada Em Forma De Arte
Mallang. Foto por aladin

Em menos de 200 páginas os autores tratam das definições de transgênero, as dores de enfrentarem a disforia de gênero (sofrimento que vem de uma incompatibilidade de identidade de gênero e o gênero atribuído no nascimento) e as etapas detalhadas das transições médicas e legais – conceitos que permanecem estranhos para a maioria da população cisgênero.

Os conselhos e dicas que ela fornecem estendem-se desde a possíveis maneiras de se assumirem a amigos e familiares, a importância de ter um sistema de apoio e as realidades da vida pós transição – algo muitas vezes esquecido por muitos na comunidade trans que podem acabar esperando que a transição traga magia e mudanças instantâneas em suas vidas.

Mallang dedica um capítulo a uma experiência única na Coreia: o serviço militar. Ele decidiu servir por quatro anos sob o seu gênero atribuído ao nascimento, como soldado feminino para resolver quaisquer possíveis problemas após a sua transição em relação ao serviço militar, que é obrigatório a todos os homens coreanos que estejam aptos, assim como para juntar dinheiro para sua transição.

Mas se eu pudesse voltar, eu não teria tomado essa decisão. Mulheres são a minoria no exército. Estão constantemente sob o radar, quer gostem ou não. E eu simplesmente não conseguia aceitar que eu estava sendo tratado daquela maneira por que era visto como uma mulher cis” disse ao The Korea Times.

Em uma organização fechada e missógena como o espaço militar, é difícil sobreviver não apenas para mulheres cis, mas também para homens e mulheres trans.

Algumas pessoas argumentam que a existência de pessoas trans e os esforços dessas em se “encaixarem” (se misturando como pessoas cis-gênero) é um fenômeno negativo que fortalece anda mais os papéis e os preconceitos de gênero já existentes. No entanto, os dois destacam que a passagem – esse processo de tentar se encaixar – continua a ser uma questão de sobrevivência, visto que dessa forma enfrentam menos assédio e riscos de violências, bem como podem obter melhores oportunidades sociais ao fazerem isso.

As pessoas parecem enxergar isso de trás para frente, pensam que a comunidade trans se conforma com os estereótipos de gênero simplesmente por que querem. Mas em muitos casos, se não nos apegarmos a essa imagem, outros não reconhecem nossa identidade e somos expostos a grandes riscos e perigos nos nossos dia a dia.” disse Cheyenne.

Ela acrescenta em seu livro, “Quem iria ‘decidir’ viver como uma pessoa transgênero, com o medo de romper laços familiares, ser expulso da escola e de empregos, gastando uma quantia significativa de dinheiro para transacionar e perder todos seus amigos apenas porque gosta de brincar com bonecas?

Além disso, na Coreia, ainda é comum que mulheres trans tenham que parecer “femininas” e homens trans parecerem “masculinos” a fim de receberem a transição médica e legal. Mallang mostra um vislumbre das realidades quando transicionando quando dá dicas de como conversar com os médicos.

Ao longo do processo de avaliação psicológica e física “Faça com que sua aparência, gestos, tom de voz e histórico sejam compatíveis ao máximo com o papel de gênero que você almeja. Infelizmente, ainda existem muitos médicos que não reconhecem pessoas transgênero em casos contrários.” disse em seu livro.

Vida De Autores Coreanos Trans Capturada Em Forma De Arte
Cheyenne e mallang lado a lado. Foto por aladin.

Embora mais e mais membros da comunidade transgênero estejam se assumindo – como a primeira advogada trans Park Han-Hee e Lim Pu-Reun, primeiro político a concorrer por uma posição no Partido da Justiça – também houveram várias mortes, as mais notáveis sendo da roteirista Lee Eun-Yong, da ativista política Kim Gi-Hong e da sargento Byun Hee-Soo.

Cheyenne e Mallang falam como é importante lembrar e honrar àqueles que se foram, e aproveitar a oportunidade para espalhar mensagens de esperança e apoio.
Mas, ao mesmo é muito importante que enquanto esforçando-se para trazer mudanças, se você se sentir sobrecarregado ou depressivo, você precisa procurar pela sua felicidade e segurança imediatamente.

“Mudanças sociais não acontecem da noite para o dia. Lembre-se: você tem que viver primeiro.”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.