A Coreia é como o paraíso de inverno para Jane Galvez, originária do país tropical Filipinas, que já visitou o país quatro vezes desde 2012. Galvez viajou por toda a Coreia em busca de locais pouco conhecidos pelos turistas e também locais que serviram de locações para filmes e dramas de TV. Com sua irmã Ellaine, Jane visitou Busan, Seul e Incheon por mais de sete dias em abril do ano passado.

“A Coreia do Sul sempre será meu lugar favorito para visitar”, Galvez contou ao The Korea Herald. “Eu nunca consigo experimentar o suficiente. O país tem mudado muito nos últimos anos, mas ainda me parece muito agradável e familiar”.

Em Busan, as irmãs Galvez foram para a praia Gwangalli, Busan Tower, Busan International Film Festival Square e o Mercado Jagalchi. As duas tomaram o trem expresso KTX para Seul, onde exploraram Hongdae, a área da Universidade Ewha, Dongdaemun, Myeong-dong, Insa-dong, Iwha-dong e o Parque Naksan.

Elas também não se esqueceram de experimentar as roupas tradicionais da Coreia, os hanboks, para uma sessão de fotos. Elas caminharam pelos caminhos famosos entre a Ilha Nami e o Jardim Morning Calm em Gapyeong, na Província de Gyeonggi, que foi utilizado como cenário para o drama “Love in the Moonlight”, estrelado por Park Bo-gum.

Jane Galvez em Gapyeong em 2017. Imagem: The Korea Herald
Jane Galvez em Gapyeong em 2017. Imagem: The Korea Herald

Galvez, que trabalha como especialista em marketing digital em Makati, próximo da capital das Filipinas, Manila, descreveu as paisagens coreanas como “incrivelmente diferentes” do que pode ser encontrado no Sudeste Asiático. Ela disse que o país possuir as quatro estações distintas é um grande atrativo para os viajantes da região, muitos dos quais optam por destinos que oferecem períodos de temperaturas frias.

Apesar de saber que existem país com praias e ilhas incríveis como a Indonésia ou Tailândia, eu prefiro visitar praias e ilhas nas Filipinas”, Galvez disse. “Então para uma viagem internacional, eu prefiro ir para um país com quatro estações. Eu posso afirmar que muitos filipinos pensam o mesmo. E já que a Coreia possui quatro estações incríveis e as exigências para a retirada de visto não são tão exigentes como de outros países, o país é prioridade para muitos viajantes filipinos.”

Ellaine Galvez em Seul em 2017. Imagem: The Korea Herald
Ellaine Galvez em Seul em 2017. Imagem: The Korea Herald

Com o impacto do marketing online e das redes sociais, mais e mais turistas estão customizando seus itinerários e viajando de modo independente ao redor do mundo.

O número de turistas estrangeiros que chega à Coreia sofreu um impacto negativo com as proibições impostas pela China à viagens em grupo para a Coreia após a instalação de um sistema antimíssil entre o país e os Estados Unidos. Ainda assim, 12.2 milhões viajaram para a Coreia entre janeiro e novembro de 2017, de acordo com a Korea Turism Organization. A tendência contrasta com o número de coreanos que viaja para fora, cerca de 24.1 milhões durante o mesmo período.

Galvez observa que muitos viajantes do Sudeste Asiático são fãs de K-pop e outros aspectos da cultura pop coreana, conhecida como Hallyu.

“Aqueles que são fãs (da cultura coreana) com certeza sonham em conhecer a Coreia,” ela disse. “Eu me tornei fã de K-pop durante o ensino médio, e desde que consegui um emprego, economizei para finalmente vir à Coreia. Pessoalmente, eu gosto de ir para locais em que os dramas coreanos foram filmados.”

Viajantes do Sudeste Asiático geralmente viajam com um orçamento apertado, ela comentou, observando que o custo de vida é muito menor nesses países do que é na Coreia. Sites que oferecem descontos e cupons estão se tornando cada vez mais populares, como sites de informações e aplicativos de celular.

“Mais e mais pessoas se sentem mais confortável viajando de forma independente com itinerários próprios do que com grupos turísticos,” ela disse.

Ainda que às vezes seja difícil se comunicar com os moradores locais em inglês enquanto está na Coreia, Galvez comenta diversos outros pontos positivos, como placas com sinalizações para turistas, diversos centros de informações e anúncios em inglês nos ônibus e trens.

A escritora de viagens Becki Enright. Imagem: The Korea Herald
A escritora de viagens Becki Enright. Imagem: The Korea Herald

Becki Enright, uma escritora de viagens britânica e consultora de relações públicas em Viena, ficou menos cativada em sua viagem de três semanas para a Coreia em 2013. Uma viajante que já esteve em mais de 60 países, Enright foi a escritora premiada pelo British Travel Press Award em 2013 e é atualmente Embaixadora do Reino Unido para o turismo na Áustria.

“Exceto por alguns dias, eu percebi que não estava sentindo muita coisa pela Coreia, e isso raramente acontece,” Enright escreveu em seu website, www.bordersofadventure.com. “De modo geral, Seul não foi uma cidade que me excitou tanto quanto Tóquio ou Pequim, ou que me manteve animada como Phnom Penh ou Yangon. Estava faltando um certo buzz que eu sempre busco em cidades asiáticas. A Coreia permanece como um país em que as pessoas não costumam viajar para além da capital Seul ou a cidade portuária de Busan.”

Encontrar lugares para explorar fora de Seul ou Busan foi difícil, ela contou para o The Korea Herald, acrescentando que as atrações recomendadas pelos moradores locais “não necessariamente eram interessantes do ponto de vista de um visitante.”

O que turistas ocidentais buscam ao viajar pela Ásia são “pessoas amigáveis, ótima comida, tempo bom, templos e estruturas históricas magníficas, ruas fervilhando, e bom custo benefício para o seu dinheiro”, explicou a blogueira.

Enright chegou a explicar o rápido crescimento econômico da Coreia desde a Guerra da Coreia em seu blog. Como resultado do crescimento focado em uma mentalidade utilitária, os coreanos podem parecer “frios”, “de mente fechada” e “podem te dispensar antes que você tenha terminado de falar”, ela observou.

“O turismo não é algo central no dia-a-dia como é na Tailândia ou Camboja,” ela explica. “Então dar boas-vindas aos turistas com os braços abertos não é algo que vem naturalmente na Coreia.” Porém, a escritora ressalta diversos pontos turísticos que merecem destaque, como a pitoresca Ilha de Jeju e a histórica Gyeongju.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.