Queixas e conflitos estão se acumulando entre jovens e idosos na mesma proporção que a Coreia está rapidamente se tornando uma sociedade em envelhecimento, o que deixa a jovem classe trabalhadora com um fardo econômico pesado para cuidar dos cidadãos idosos.


O rápido envelhecimento da população e a baixa taxa de natalidade colocaram nossa sociedade em risco, inevitavelmente levando as gerações mais jovens a um fardo econômico mais severo“, disse Park Jae-hong, professor emérito de sociologia  da Universidade Nacional de Gyeongsang.

Park diz que a sociedade coreana começou a ver conflitos geracionais como uma questão social em meados dos anos 2000.

A população idosa aumentou rapidamente, o que também eleva os custos básicos de pensão, pensão nacional e seguro médico, o que será um fardo para as gerações mais jovens. Mas, devido à baixa taxa de natalidade do país, há também uma diminuição contínua na população mais jovem, tornando-se um fardo ainda maior“, disse ele.

De acordo com um relatório do Ministério da Economia e Finanças divulgado em dezembro, os prêmios fiscais, previdenciários e médicos cobraram 27% do PIB em 2017, o que significa que uma família média pagou 6,67 milhões de won.

Devido ao rápido envelhecimento da população e consequente aumento acentuado nas despesas de assistência social, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a proporção subirá para 34% até 2027, o que significa que cada família precisará pagar mais de 10,1 milhões de won anualmente.

Reclamações entre si

Um estudo recente mostra que a maioria dos jovens acredita que o conflito geracional se tornou grave.

De acordo com um relatório da Comissão Nacional de Direitos Humanos, que entrevistou 1.000 pessoas com mais de 65 anos e 500 jovens entre 19 e 39 anos, 40,4% dos idosos e 90% dos jovens disseram ter dificuldade em se comunicar com o grupo oposto.

Os jovens adultos pensam que os conflitos geracionais são graves entre os jovens e os idosos, com 82% das pessoas entre 20 e 30 anos afirmando que se tornou uma questão social crítica, quase dobrando a dos idosos em 44,3%.

Cerca de 44% dos idosos e 80,4% do grupo dos 20-30 anos disseram ter experimentado um forte conflito com os outros grupos. Cerca de 67% da geração mais jovem disse que o conflito geracional deve piorar no futuro.

Alguns jovens usam expressões de ódio em relação aos idosos e usam frases para menosprezar os idosos, como zombar de suas dentaduras. Eles compartilham clipes nos quais as pessoas idosas intimidam os jovens a deixar seus lugares no metrô ou no ônibus para que possam se sentar.

Eu passei por tantas experiencias com pessoas idosas rudes: eles cortam fila e exigem assentos no metrô. Parece que eles acreditam que têm o direito de fazê-lo apenas porque são velhos, embora não sigam princípios sociais básicos“, disse um homem de 32 anos em Seul, que pediu para não ser identificado.

Por outro lado, a geração mais velha reclama que a geração mais jovem é egoísta demais.

Os jovens não querem se sacrificar. Eles precisam saber como se dedicar e se sacrificar para o governo e a sociedade, para que a próxima geração possa ter uma vida melhor“, disse uma senhora de sobrenome Kim, de 70 anos.

Alguns especialistas apontam que os jovens e os idosos têm que competir uns com os outros, mesmo no mercado de trabalho. Eles dizem que a desaceleração da economia tornou difícil para as gerações mais jovens conseguirem empregos, aumentando gradualmente a taxa de desemprego entre os jovens. Do outro lado do espectro, as pessoas mais velhas têm que continuar trabalhando, pois não têm aposentadoria. O fenômeno social formou conflitos ainda maiores entre os jovens e os idosos.

Alguns especialistas estão pedindo ao governo que estabeleça uma organização que angarie opiniões das gerações em conflito para encontrar uma solução melhor para o problema.

É preciso que haja uma organização que reúna opiniões e conduza discussões oficiais sobre como as gerações mais jovens podem efetivamente apoiar o envelhecimento acelerado da população e como a sociedade pode encontrar um equilíbrio entre desemprego juvenil e idoso“, disse o Instituto de Desenvolvimento da Mulher da Coreia.

Alguns acreditam que o conflito de emprego entre as faixas etárias deve ser considerado uma questão de classe.

O emprego dos idosos não é novidade. O emprego de jovens e idosos não deve ser visto como uma competição entre gerações, mas sim uma questão de classe“, disse Park.

Em novembro, a comissão de direitos, juntamente com outros institutos de pesquisa de direitos humanos, realizou um debate sobre como resolver conflitos intergeracionais. Muitos especialistas citaram que os governos central e local precisam trabalhar juntos e encontrar contramedidas para reduzir conflitos geracionais.

Não existe um ambiente social e um sistema de educação que ajude as gerações mais velhas e mais jovens a aprender como se respeitar e se entender“, disse Song Oh-young, chefe da seção do departamento de direitos humanos da comissão. “Estamos em extrema necessidade de comunidades e associações onde diferentes gerações possam participar juntos, como festivais, atividades culturais e programas de educação“.

Os governos local e central precisam estar envolvidos no processo e discutir quais organizações podem gerenciar proativamente as funções, acrescentou.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



2 COMENTÁRIOS

  1. Essa questão de conflito de gerações também já se tornou crítica no mercado de trabalho brasileiro. Querem desafio maior nesses tempos de pós-modernidade do que ser atendido por profissional (um advogado, por exemplo) cujos pais sejam mais jovens do que você? Ou responder hierarquicamente, se ainda estiver empregado, a alguém da geração do seu filho caçula? E o desafio é ainda maior para o jovem que se vê na posição de ter em sua equipe um subordinado da mesma idade dos seus próprios pais ou tios.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.