Notei que em breve farei um ano como colaborador do Koreapost! Como o tempo voa… E tem sido um grande prazer dividir com os leitores as minhas histórias, como se esta coluna fosse um grande diário aberto. Mas acho que nunca disse por aqui o que me motivou a escrever. Na verdade, sempre fui péssimo para redações ou textos, o que me levou a fazer um curso para não passar vergonha na Fuvest. O engraçado é que só havia um único aluno (eu, praticamente em aula particular), apesar de ser num cursinho renomado. Não lembro o nome da professora, mas era uma senhora japonesa muito simpática a quem desesperadamente pedi que me ajudasse. E ela me ajudou!

No começo, as minhas notas não passavam do cinco. Foram vários cincos até que com a sua orientação, comecei a receber um seis, um sete, um oito, até que lá perto do fim dos seis meses de curso, veio uma nota nove! Uau… faltou um ponto para o dez mas foi o suficiente para ganhar confiança de que não seria cortado do exame pela nota mínima. Pois bem, fui fazer a prova e pasmem, tirei um dez! Nem lembro do que eu escrevi, mas arrepiei aqui só de lembrar o feito! Me ajudou demais a entrar no meu curso e dois anos depois, prestei novamente a Fuvest para outro curso e… novamente dez! 🙂

Tudo bem, meu estilo de escrita é muitas vezes meio dissertativo demais (tipo de vestibular), mas esse foi o começo de uma grande paixão. Adoro escrever! Sobre qualquer assunto e se for algo de minha preferência, melhor ainda! Desconfio que era uma paixão adormecida e que tenha recebido como herança do meu pai, formado em Literatura Coreana pela Kyung Hee University na Coreia. Quando criança, sempre via ele escrevendo, lendo, preparando discursos (ele sempre era presidente de alguma entidade coreana) e até a mania de ler durante a refeição acho que puxei dele e depois os meus filhos puxaram de mim! E eu já tinha dois blogs quando comecei a escrever aqui no site.

Agora, acho que nunca contei porque comecei a escrever no Koreapost. Para ser sincero, até o começo do ano passado nem sabia do site ou conhecia a Carol Lee, editora-chefe. O que me chamou a atenção no KP (como o chamamos por aqui) foi o fato de ser o único portal de notícias da comunidade coreana escrito em português. Com o tempo, a vocação do site foi mudando (hoje é exclusivamente sobre cultura coreana) mas achei muito bacana essa iniciativa de mostrar um pouco da comunidade para os que não sabem ler coreano ou que não são descendentes de coreanos. E como sempre fui muito apaixonado em falar sobre cultura coreana, entrei em contato para tentar ajudar de alguma maneira e fui recebido de braços abertos pela Carol, que hoje é praticamente da minha família! Hoje estou envolvido em muitas outras coisas além desta coluna, pois descobri um mundo apaixonante onde gravitam em torno pessoas que admiram a cultura coreana. Hoje tenho mais amigos “kpoppers”, “dorameiros” e afins do que nunca, com quem descobri ter uma grande afinidade. Com o tempo, percebi que fui me tornando amigo deles no Facebook, na vida real, indo até Santos para encontrá-los (you know who you are!) e assim por diante.

E por que estou falando tudo isso? Porque queria contar a vocês que criei coragem e acabei de me filiar ao Partido Verde e que sou pré-candidato a vereador pela cidade de São Paulo. Não vou contar sobre o meu ativismo político e o desejo de ajudar a mudar o Brasil porque isso daria um outro looooongo texto, mas gostaria de convidar a todos para que entrem (e curtam!) na página que criei para mostrar de onde vim e o que quero fazer. Gostaria de (além de muitas outras coisas) representar o povo kpopper e amante da cultura coreana, lutando para que possamos ser reconhecidos e valorizados dentro do cenário cultural paulistano. E isso é possível quando se tem influência na política e na administração pública. Mas não quero ganhar esse apoio de graça, desejo conquistá-lo com o tempo. E faço também uma confissão porque sei que vocês irão me entender: além de trabalhar por toda a cidade de São Paulo, desejo ser o primeiro representante da comunidade coreana, uma minoria étnica que nunca teve voz na sociedade brasileira nos seus quase 60 anos de imigração no Brasil. Adoraria ter a ajuda de vocês para poder concretizar nosso sonho, seria lindo! 감사합니다! 🙂

 

 


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



2 COMENTÁRIOS

  1. Querido Bruno Kim.
    Como sabe não sou de São Paulo, mas o meu amor pela cidade é inegável.
    Desejo toda sorte do mundo, e torço sempre pela sua vitória. ^^
    Parabéns, sempre leio seus posts aqui e no facebook. Como sempre, não diferente dos outros, um excelente texto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.