Hoje, 01 de março, é um feriado nacional na Coreia. É a observância de 01 de março,  Dia do Movimento (삼일절), comemorando o dia em que, pela primeira vez, os coreanos resistiram abertamente à ocupação japonesa e lutou pela sua independência. É às vezes também chamado de Movimento de Independência Samil.

Em 1 de Março de 1919, uma série de manifestações aconteceram em toda Coreia, pela independência da ocupação japonesa. O Japão proclamou a anexação da Coreia em 1910, ocupando totalmente o país, depois de estar presente na península já há alguns anos.

Movimento-01O movimento Samil começou com trinta e três nacionalistas se unindo no Restaurante Taehwagwan em Seul para ler a Declaração da Independência Coreana. A declaração tinha sido elaborada pelo historiador Choe Nam-seon e o poeta Manhae (também conhecido como Han Yongun). Ao mesmo tempo, os delegados do movimento leram a proclamação da independência em locais designados anteriormente, em todo o país. O texto dizia:

Aqui se proclama a independência da Coreia e a liberdade do povo coreano. Nós dizemos-lo para o mundo em testemunho da igualdade de todas as nações e passá-lo-emos para a nossa posteridade como nosso direito. Testificamos isso com 5.000 anos de história, e em nome de 20.000.000 pessoas leais, unidas pelo país. Tomamos este passo para garantir a nossos filhos e para todo o sempre, a liberdade pessoal de acordo com o despertar da consciência desta nova era. Esta é a líderança clara de Deus, o princípio do movimento da idade presente. Uma reivindicação de toda a raça humana. É algo que não pode ser erradicado, sufocado, amordaçado, ou suprimido por qualquer meio“.

Os coreanos saíram às ruas, marchando e gritando “Mansei!”, Que significa “vida longa à Coreia” ou “que a Coreia viva 10.000 anos.” Os japoneses lutaram para suprimir o movimento, que 12 meses mais tarde foi totalmente contido. Mas antes que fosse totalmente contido, cerca de 2 milhões de coreanos já tinham participado nas mais de 1.500 manifestações.

A luta não foi sem custo. Durante o movimento, cerca de 7.000 pessoas foram mortas pela polícia e soldados japoneses e 16.000 ficaram feridas. Muitos bens foram perdidos, como casas particulares, igrejas, e alguns edifícios escolares que foram destruídos pelo fogo.

Mais de 45.000 pessoas foram presas, das quais cerca de 10.000 foram julgadas e condenadas. Muitos manifestantes que foram presos foram mantidos na prisão de Seodaemun, sem julgamento, onde foram torturados e alguns foram executados.

A prisão ainda hoje permanece como uma lembrança do passado da Coréia, e é aberto para visitas


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.