Bom dia, Koreaposters!

Mais duas semanas se passaram e chegou o dia de mais uma edição de Laureando. Como comentei no último post (e como dá para perceber pela foto da matéria), hoje vou falar um pouco sobre o lado turístico do meu intercâmbio aqui na Coreia. Estou estudando e aprendendo bastante sim, mas conhecer mais sobre o país e viver a cultura também fazem parte de um intercâmbio. Vamos lá?

Ao invés de postar aleatóriamente sobre os lugares para onde já fui, vou aproveitar e abordar esse tema através de uma dica. Qual a dica?

Bem, como vocês sabem, eu estou aqui como intercambista; ou seja, estou realmente morando aqui. E no começo tudo era muito lindo, divertido e etc, porque era tudo novo. É minha primeira vez fora do Brasil, então eu contava tudo: ah, minha primeira compra de supermercado na Coreia! Ah, meu primeiro tteokbokki na Coreia! Ah, minha primeira balada na Coreia!
Agora, passados quase três meses, tá tudo mais ou menos assim: saco, meu capuccino acabou, vou ter que ir no supermercado, que preguiiiiiiça… balada? Acho que prefiro terminar meu drama, quem sabe próximo fim de semana…
Pois é. Eu me acomodei. E por mais que não tenha nada de errado em se acomodar, principalmente quando se tem um limite orçamentário (vamos admitir, turistar custa dinheiro), é preciso aproveitar essa experiência – até porque não vou ficar aqui para sempre, a passagem de volta já está comprada. E é aí que entra a minha dica.

Desde que cheguei aqui, notei que existem grupos com o intuito de integrar estudantes coreanos com estudantes intercambistas. Não só isso, esses grupos também têm como objetivo mostrar a Coreia para os estudantes estrangeiros, então são organizados passeios. E a minha dica é: entre em contato com um desses grupos. Como a organização do passeio é feita pelos estudantes coreanos que fazem parte do staff do grupo, tudo o que a gente (intercambistas) têm que fazer é comparecer no local e hora marcados e pagar a taxa, que geralmente nem é tão cara. Eu sei, isso parece o cúmulo da preguiça, mas depois de se acomodar a gente tende a postergar o planejamento das coisas. E, mesmo que a princípio não pareça, o tempo passa rápido sim; eu, por exemplo, já tô na metade do intercâmbio e ainda nem fui para Myeongdong. Acho que se não fosse por esse tipo de passeios, não teria ido a vários outros lugares também. Além disso, fiz ótimas amizades através desses grupos!

A própria universidade em que estou estudando, Hankuk University of Foreign Studies (HUFS para os íntximos), tem um grupo assim: a ISO, International Student Organization (Organização dos Estudantes Internacionais). Se trata de um dos vários clubes da universidade, cujo objetivo é auxiliar os estudantes estrangeiros. Nos primeiros dias, quando os estudantes estão chegando nas acomodações, eles nos ajudaram a pegar o cartão do dormitório e nos acompanharam até nossos respectivos quartos. Eles também prepararam uma festa de boas vindas em um bar próximo à universidade. Além disso, eles distrubuiram os estudantes em grupos e cada grupo é liderado por um (ou uma) ATTI – que, vou admitir, não sei o que significa, mas o ATTI é, basicamente, o líder do grupo. Se você tiver alguma dúvida, algum problema, ou quiser simplesmente conhecer algum lugar, você pode mandar uma mensagem para o seu ATTI. Além disso, você conhece outros intercambistas.
Além do grupo ATTI, tem também o Buddy Program. Nesse programa, você tem que preencher um formulário de inscrição com suas informações, explicar o porquê de querer participar do programa e pagar uma taxa. A ISO, então, combina seu perfil com o de um aluno coreano e vocês são designados “buddies” (pequeno parênteses para dizer que: eu sei que vocês estão pensando “nossa, parece um Tinder”. Podem parar). A minha buddy, por exemplo, é do Departamento de Português e já fez intercâmbio no Brasil. Então, quando conversamos, intercalamos entre Português e Coreano, assim nós duas praticamos! Além de promover esse intercâmbio cultural, também são organizados passeios.

Nosso primeiro passeio foi para o parque de Rail Bike Gangchon. Rail bike é um tipo de bicicleta sobre trilhos. Você tem que pedalar, mas tem um encosto para as costas. Foi no começo de Outubro, então não estava mais tãããão calor quanto nos meus primeiros dias aqui (acreditem, sofri nos primeiros dias. A gente pensa que por ser do Brasil pode aguentar calor de qualquer lugar, mas não é bem assim. O ar aqui tava tão abafado que às vezes eu me sentia numa sauna), mas também não estava tão frio. As folhagens de outono ainda não tinham aparecido, então a vista estava super verde e o clima agradável parecia deixar tudo mais bonito.

arcevo pessoal
arcevo pessoal

Logo depois, fomos até a Petit France, uma pequena vila que (como o nome já diz) é inspirada na arquitetura francesa. Sabem o drama My Love From the Stars? Algumas cenas foram gravadas lá. Eu aproveitei para reproduzir uma das cenas com um amigo.

14581334_10207236379243878_194763012022507340_n

Petit France - acervo pessoal
Petit France – acervo pessoal

O segundo passeio do Buddy Program foi sábado passado. Fomos até o Palácio Changdeok (Changdeokgung) e lá tivemos a missão de responder 5 perguntas em alguns pontos do complexo. Foi bem interessante! O palácio estava lindo, principalmente por conta das folhas das árvores, que estão com as colorações do outono.

eu muito turista
eu muito turista
foto do meu Instagram - acervo pessoal
foto do meu Instagram – acervo pessoal

Além do grupo da minha universidade, eu e minhas amigas acabamos entrando em contato com um grupo que reune estudantes de várias universidades, não apenas da HUFS, o SAYUL – Say About Beautiful Korea Properly (Fale sobre a linda Coreia apropriadamente). O nome dessa organização é meio, anh… é. Eu sei. Eu e minhas amigas fomos abordadas enquanto estávamos conversando numa das mesas perto da loja de conveniência que tem dentro do prédio do dormitório por dois estudantes coreanos, um garoto e uma garota, e eles nos convidaram para a abertura do programa, que seria em um dos prédios daqui da HUFS mesmo. Resolvemos dar uma conferida. No começo eu estava meio desconfiada, tipo… hmmm, quer dizer que eles organizam os passeios e a gente só tem que pagar os nossos gastos no local, nada mais? Não é cilada? Será que na verdade eles vão nos dopar e roubar nossos órgãos? Mas o grupo acabou se mostrando muito interessante. Além dos passeios, eles organizaram até uma festa de Halloween!

Nosso primeiro passeio com o SAYUL foi quase um tour pelas redondezas do Palácio Gyeongbok (Gyeongbokgung). Visitamos uma vila de casas tradicionais, depois o National Folk Museum of Korea e por último, mas não menos importante, o próprio palácio. Tudo isso enquanto vestíamos hanbok! Foi uma experiência e tanto.

euzinha andando tranquilamente pelo palácio
euzinha andando tranquilamente pelo palácio
national folk museum of korea - acervo pessoal
national folk museum of korea – acervo pessoal
vila de casas tradicionais (hanok)
vila de casas tradicionais (hanok) – acervo pessoal

No segundo passeio, fomos até Incheon, onde fica um dos aeroportos internacionais da Coreia do Sul (e onde desembarquei). Lá, visitamos a Chinatown e Wolmido.

wolmido - acervo pessoal
wolmido – acervo pessoal
chinatown - acervo pessoal
chinatown – acervo pessoal

Para terminar, a própria universidade pode organizar um passeio ou outro. Aqui na HUFS, o OISS (Office of International Student Services – Escritório de Serviços para Estudantes Internacionais), que nos orienta em relação à matrícula em disciplinas, visto etc, organizou um passeio para o parque de diversões Everland. O dia estava chuvoso, mas valeu muito a pena! Não sei como funciona em outras universidades, mas acredito que seja provável haver um ou outro passeio organizado para estudantes estrangeiros também.

everland - acervo pessoal
everland – acervo pessoal

Lógico que já visitei outros lugares, como esse da foto da matéria – Bosingak -, mas preferi falar sobre os lugares visitados com os grupos mencionados acima, pois acredito serem iniciativas muito interessantes. Também fui abordada por alguns grupos estranhos, com intuito missionário de pregar a palavra de Deus para estrangeiros (23 anos de Brasil nunca fui abordada por Testemunha de Jeová, aqui já fui abordada por eles duas vezes) – o que é legal se você é religioso e essas coisas, mas como eu não sou para mim não é tão interessante. Enfim, é sempre bom se informar sobre o grupo antes de resolver se juntar a alguma atividade, mas até agora só tive boas experiências.

Ufa! Muita informação para um post só, né? Obrigada para quem me acompanhou até aqui e até daqui a 15 dias!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.