Oi gente, tudo bem? Vou falar que o seguinte, não tem muita coisa para contar esse mês porque voltamos a ficar de quarentena (pois a Coreia, que já tinha chegado à “0” casos de COVID-19 por dia, teve uma segunda onda ao abrir igrejas e baladas o que causou um aumento nos casos para aproximadamente 300 ao dia… ai, ai, ai…) e sair para fazer coisas não está sendo uma opção.

Mas tenho pelo menos uma novidade. MUDEI, não moro mais no dormitório da universidade, e meu Deus, como é um alívio dizer isso! Estou vivendo em um Goshiwon perto da minha faculdade, chamado Anam House. Aliás não só morando como também trabalhando aqui. Virei a “manager” dos residentes estrangeiros e também responsável pelo marketing do Goshiwon.

Uma das área comuns do Goshiwon Anam House é esta linda sala de refeições.

Mas calma que a história é um pouco mais longa, vamos do começo.

Não é novidade para ninguém que eu ja queria sair do dormitório fazia tempos, e quando a administração avisou que a gente ia ter que mudar de quarto de novo, e a minha atual roomate, a Aurora, decidiu que iria para um apartamento com outras indonésias, para mim foi a gota d’água.

Eu já estava de olho em uns goshiwons antes, mas quando este apareceu eu fiquei pasma com o quão limpo e espaçoso ele era. Então, decidi ir verificar. O dono, Sam, é um fofo, e foi super legal comigo desde o começo. Como o preço era um pouco acima do meu budget, perguntei se ele não precisava de alguém para trabalhar aqui, com limpeza ou algo do gênero (pois existe esta possibilidade aqui na Coreia. As vezes é possível morar em sharehouses ou goshiwons em troca de trabalho) mas ele disse que não. Porém, mais tarde naquele mesmo dia, eu recebi uma mensagem dele, explicando que para limpeza ele não precisava de ninguém, mas que para o marketing sim.

Outra área comum, a lavanderia integrada com uma cozinha.

Sentamos então para conversar mais sobre a posição que viria a ser a de “Manager de Estrangeiros”. O Sam, que morou nos EUA durante 6 anos, voltou para Coreia recentemente, e abriu esse goshiwon com o intuito de ser uma “casa” para os estrangeiros estudando na KU. Porém ele não tinha conseguido uma forma de se comunicar efetivamente com os estrangeiros, porque por mais que ele tenha morado fora, o inglês dele não é perfeito, e muitas vezes ele se enrolava com as palavras. Foi aí que eu entrei, com o meu conhecimento de inglês (e também de coreano) e as minhas “habilidades sociais de tagarela”. Comecei a trabalhar assim que me mudei.

 

Fiz posters, panfletos, uma conta no Instagram (que ainda está em construção) e isso foi só a parte de marketing. Em relação a vivência dentro do goshiwon, eu conheço os moradores (ou futuros moradores) mostro o lugar, tipo um tour, traduzo os contratos e avisos, e facilito o uso de eletrodomésticos coreanos com etiquetas adesivas, escritas em inglês, bem posicionadas.

O perfil no Instagram no qual ainda estou trabalhando.

A mudança para cá foi um pouco conturbada, mas no final deu tudo certo. Minha amiga Bárbara veio de Ansan para me ajudar, ja que na mudança dela eu também ajudei. Empacotei tudo na semana anterior a mudança, e o plano original era chamar dois táxis e cada uma ia com metade das coisas até o prédio do goshiwon.

O taxista que levou a Bárbara foi tranquilo. Já o primeiro taxista que chegou pra me pegar, se recusou a fazer a viagem porque eu estava cheia de malas e caixas. Eu fiquei meio possessa, porque não é como se fosse Uber e eu pudesse escolher um carro que tivesse um espaço maior – o Kakao Taxi não te dá essa opção. Ele ainda por cima teve a pachorra de pedir pra eu cancelar a corrida, tendo uma multa de 2.000 won (mais ou menos R$10,00) por cancelamento, sendo que quem deveria cancelar era ele, já que foi ele que se recusou a me levar, mas okay né? Relevei porque como eu já expliquei aqui antes, estrangeiros ainda não tem “muita voz” neste país. O segundo taxista foi um fofo, graças a Deus, e me levou até o prédio.

Visão Geral dos Quartos

Chegando lá, foi o processo de levar as minhas coisas escada acima, sim, escada, o goshiwon é no terceiro andar, e não tem elevador, mas lá fomos nós, carregando caixas e malas até o quarto. E depois dessa suadeira toda num calor de 35 graus – porque é claro que eu tinha que escolher mudar em um dos dias mais quentes e úmidos do ano… mas okay – almoçamos, voltamos pro apê e começamos a desempacotar tudo ao som de k-pop de 2013.

O goshiwon em si é muito bom – tô apaixonada, sério gente – super espaçoso, a cozinha e lavanderia são compartilhadas, mas tenho meu próprio banheiro, geladeira, wifi, e até uma televisão!! Coloquei umas fotinhas aqui.

Meu Quarto. Uma visão da cabeceira da cama, com o banheiro ao fundo.
Os dois lados do meu banheirinho
Minha mesa de estudos, com a TV e a estante.
Meu armário de roupas e a geladeirinha!

Pretendo depois fazer um texto mais sério sobre o goshiwon, contando mais em detalhe sobre o projeto e sobre o dono também, então fiquem espertos.

Acho que por hoje é só minha gente, uma boa semana e um bom setembro pra vocês.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.