Oi gente, tudo bom com vocês? Comigo tá tudo bem, inclusive melhor agora, que eu mudei de quarto no dorm. Mas deixa eu explicar essa historia melhor…

Então, logo que as aulas começaram, eu e as minhas roommates chinesas estávamos tendo alguns problemas. Elas não conseguiam dormir com o ar condicionado, e eu não conseguia dormir no calor (quero deixar aqui registrado que o calor em Setembro chega a 30 graus de noite). Tínhamos problemas com a comunicação e infinitas diferenças culturais, que eu estava disposta a tentar resolver, mas elas não. Uma acabou se mudando primeiro, e como eu queria ver se conseguia achar um quarto com uma cama vaga que não fosse o beliche de cima, resolvi me mexer também. Consegui, com a ajuda da minha mentora, uma coreana muito fofa, com um inglês impecável. No final das contas, mudei para o sétimo andar (eu morava no sexto), e agora moro com uma sueca, a Anna, e uma japonesa, a Misaki. Nos demos muito bem logo de cara, o que foi bem legal. Contei para a Misaki que eu tinha feito aulas de japonês durante dois anos, ela achou demais uma estrangeira não asiática “saber” a língua dela, mesmo eu já tendo esquecido bastante. Mas como ela percebeu que eu entendia os básicos, tem coisas que ela nem tenta mais usar inglês comigo, coisas como “sugoi”(legal) ou “kawaii”(fofo).

Mas, vamos falar das coisas mais legais que eu fiz esse mês. Primeiramente, fui no meu primeiro jogo de beisebol aqui em Seul – Doosan Bears x LG Twins, um clássico, dois times de Seul. Eu fui torcendo pelo Doosan, mas acabamos perdendo…

O estádio de Jamsil, no calorzão de 30 graus, mas com o céu lindo.
Meu boné do Doosan Bears que quando meu pai viu na foto, achou que era D de Duda. Nem tinha pensado nisso, mas realmente, veio a calhar!

Também fui na nova loja da Line no Gangnam e na loja do Kakao, onde tem um café com os personagens do Kakao. Achei uma fofura!

Eu e o Tata posando pra foto.
Macaroons e pudim do Kakao.
Milkshakes.

Este mês foi o Chuseok, que é como se fosse o dia de ação de graças dos coreanos (mas é um feriadão de 3 dias). Geralmente, os estudantes vão passar o feriado com a família, mas como minha família de verdade tá um pouco longe né, passei com a minha família postiça, minhas amigas Brasileiras com quem vivi em Busan e que subiram para Seul no feriado.

Thaty (Minha ex-roommate), Laura, Barbara, Kristina e eu.

Também este mês tive minha primeira experiencia com um hospital na Coreia. Foi legal, mas ao mesmo tempo um pouco estressante. Legal porque pude conhecer como são os hospitais aqui e como é o atendimento, que no meu caso foi maravilhoso (eu sei que tem pessoas já tiveram experiências menos prazerosas, mas eu tenho que falar do que eu vivi, certo?). Eu disse estressante porque todo esse atendimento maravilhoso pesou bastante no bolso. A minha mãe ficou bem brava porque ela achava que a bolsa do KGSP, cobriria todas as minhas despesas médicas na Coreia.

Porém, eu expliquei a ela que nenhum plano de saúde na Coreia cobre 100% das despesas. Dependendo do plano de seguro que a pessoa escolhe, até o do governo, você paga uma porcentagem. No meu caso, cobre 50%. Nós realmente não sabíamos disso quando eu decidi tentar a bolsa, mas já fica a dica para quem quer tentar no futuro. O ideal é que você ou seus pais façam um pé de meia e deixem quieto lá, para a necessidade de um tratamento médico mais complicado. Eu acho que emergências são tratadas de forma diferente (tipo, um acidente) mas eu ainda não vivenciei isso (e espero nunca vivenciar né?) pra poder contar.

Eu fui no hospital por causa de uma unha encravada que acabou inflamando de uma forma bizarra (acreditam?). Cheguei lá no hospital e eles já me encaminharam para o centro internacional, onde você tem acesso ao atendimento 100% em inglês (e outras línguas como chinês, japonês, russo e etc.). Expliquei minha situação e eles me encaminharam a um especialista, no caso, um dermatologista. Marcaram minha consulta para o dia seguinte às 9h. Cheguei lá, todos os formulários falavam inglês. Fiquei pasma com o profissionalismo, porém não deveria, porque todo mundo sabe que Coreia é outro nível. Ou pelo menos aqui na Korea University, que afinal, é uma faculdade de elite, onde alunos que não são bolsistas como eu, pagam e pagam bem caro por toda esta estrutura de primeiro que a faculdade tem.

Depois de preencher todos, uma das enfermeiras me perguntou se eu precisava de uma tradutora, que eles também disponibilizavam sem custo adicional, então, eu aceitei. Por mais que eu fale coreano, em situações que eu fico nervosa, o meu coreano trava, então achei melhor aceitar, principalmente para não ocorrer nenhum mal entendido.

O médico foi um fofo, e optou pelo tratamento não-cirúrgico (o bolso agradece) que vai fazer com que eu nunca mais tenha unha encravada, pelo menos naquele dedo. Então no final a despesa toda foi a consulta + o tratamento + remédios = 132.000 won (aproximadamente R$594,00), um pouco pesado…

Mas vamos dar uma atençãozinha aos remédios, porque a maneira como eles receitam aqui é um negócio muito peculiar. O médico me receitou três remédios, três vezes ao dia depois de comer. Cada vez é uma dose, cada dose veio embalada separadamente, achei de uma organização que deixaria alguém com “TOC de organização” orgulhoso, aka eu e a minha mãe.

E graças a Deus, meu dedo sarou antes do meu amistoso de Lacrosse na Ewha Womans University. Neste fim de semana, nós da Korea University, as meninas da Ewha, da Yonsei e da Hankuk University, nos juntamos para um campeonato amistoso no campus da Ewha que por sinal é muito lindo.

O dia foi super divertido e cheio de espirito esportivo. Tivemos alguns machucados aqui e ali, mas como minha mãe sempre diz “são apenas evidencias do divertimento”. Eu e minha amiga Noor, que entrou para o time esse semestre, somos, de longe, as mais competitivas do time, então depois de perder os dois primeiros dois jogos, nós estávamos furiosas, as pobres meninas da Ewha não tiveram chance contra gente. Perdemos para a Yonsei como de costume, e para a Hankuk, de 7×1 igual ao Brasil x Alemanha na copa.

Foto no postal da Ewha, o ECC.
Eu, no meu look “goleira”.
Minhas amigas do time treinando o passe.
Foto ao estilo “time de futebol”
O por do sol lindo, encerrando o dia.
Jantar pós jogo!

Mas vou falar que não tinha como a gente fazer gol nas meninas da Hankuk. A goleira delas era muito boa, os movimentos eram perfeitos, eu fiquei tipo “quero ser assim quando crescer“, quando uma das minhas colegas de time falou que ela era parte do time nacional! Aí que eu fiquei babando mesmo, nas habilidades, e no equipamento maravilhoso que ela tinha.

E para finalizar esse mês, ontem, domingo, fui na igreja aqui em Seul. Depois de quase um ano sem ir a igreja, achei uma lá em Yongsan. A viagem de ônibus até lá dá mais ou menos uma hora, mas vou falar que vale super a pena. As pessoas são umas fofas e o culto foi muito bom. Pretendo continuar indo lá a partir de agora.

Acho que por hoje é só… Não pera, tem mais uma novidade, e dessa vez é sério, logo mais Uma Duda Na Coreia será um quadro no canal do Koreapost, o primeiro episódio já foi gravado “Um dia na vida de uma estudante da Korea University“.

Espero vocês lá!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.