Em vez de derrubar edifícios e construir novos, várias regiões em toda a Coréia foram transformadas de áreas negligenciadas em novos propósitos para uso público. E o país não pretende parar. Abaixo, estão alguns projetos de renovação urbana que transformaram áreas rurais, desertas ou degradadas em espaços para a população.


Rio Cheonggyecheon – Seul

Imagem: Shutterstock
Imagem: Shutterstock

O córrego Cheonggaecheon foi construído em 1411 da era de Joseon (1392-1910) para evitar a o perigo de inundação. Ele teve um papel importante uma vez que toda uma comunidade se formou às margens do rio.

Na época da dominação japonesa, o governo japonês interrompeu o fluxo através da construção de uma estrada em 1937 para reduzir os problemas de tráfego e de higiene. Após a libertação da Coréia do Japão, em 1945, o rio foi completamente escondido por um viaduto de concreto.

Em 2002, o ex-prefeito de Seul Lee Myung-bak removeu o concreto e recuperou a hidrovia – um mega-projeto que se tornou o primeiro marco de renovação urbana da nação. O sucesso do projeto contribuiu para a vitória de Lee na eleição presidencial de 2007. Para melhor atrair visitantes, a cidade tem oferecido uma variedade de exposições e eventos gratuitos ao longo dos 12 km de comprimento da trilha. Desde sua inauguração o local já recebeu mais de 191 milhões de visitantes.

Vila Cultural de Gamcheon – Busan

Imagem: Shutterstock
Imagem: Shutterstock

A Gamcheon Culture Village, um amálgama de edifícios coloridos em forma de legos, está situada no topo de uma colina em Busan. As casas em tons pastel são agrupadas, dispostas em em um labirinto de ruelas estreitas entre elas.

No passado, Gamcheon Village foi um bairro de má qualidade que funcionava como um centro para refugiados da Guerra da Coréia, e mais tarde para os praticantes da pequena religião Taeguk. A sua elevada altitude fez com que o local não fosse atraente para os construtores civis, o que permitiu que a área mantivesse suas estruturas originais.

Hoje, a vila é decorada com murais e esculturas, e antigos prédios vazios foram transformados em espaços de exposições, ganhando o nome de a “Santorini da Coreia, no Mar do Sul” (uma alusão à ilha grega de Satorini). Como os velhos edifícios para banho público, os poços e os degraus íngremes ficaram intactos, Gamcheon é citada como um excelente exemplo de renovação sem destruição.

A Cidade de Livros de Paju – Província de Gyeonggi

Imagem: The Korea Herald
Imagem: The Korea Herald

A Paju Book City, a 30 quilômetros de Seul, tornou-se uma grande atração turística como uma ilha de empresas e lojas dedicadas a tudo que se refere à livros. Localizada na cidade fronteiriça de Paju, província de Gyeonggi, este gigante complexo cultural foi criado com o apoio do governo através de uma subvenção para o desenvolvimento nacional e industrialização.

Em um esforço para destacar o complexo como um marco artístico, arquitetos de renome como Florian Beigel, Kim Jong-kyu e Kim Yong-joon criaram um guia de “orientação arquitetônica da Book City”. O resultado é uma bela área florescente de editoras, cafés e lojas que oferecem aos bibliófilos tudo o que desejem no que diz respeito aos livros.

Songwol-dong – A Aldeia dos Contos de Fada – Incheon

Imagem: The Korea Herald
Imagem: The Korea Herald

Songwol-dong em Incheon, era originalmente um bairro rico, lar de comerciantes estrangeiros no final do século 19, na sequência da abertura do Porto de Incheon. Após a década de 1970, a área começou a minguar com o colapso econômico da região e, eventualmente, tornou-se um bairro a ser evitado.

Em abril de 2013, a cidade de Incheon iniciou um novo projeto para reviver a comunidade e trazer a atenção de volta para o bairro abandonado. A fim de tornar possível a regeneração urbana, sem destruir os edifícios históricos, as estruturas permanentes em cada rua foram cuidadosamente analisadas para acomodar murais coloridos e peças de arte sem destruí-los.

Hoje, os visitantes vêem as estruturas em ruínas transformadas para retratar cenas e personagens de contos clássicos, tanto coreanos como ocidentais. A área, brilhantemente colorida, fica ao lado da Chinatown de Incheon.

SoDA Museum – Hwaseong, Província de Gyeonggi

Imagem: The Korea Herald
Imagem: The Korea Herald

O proprietário de um terreno de 6.500 metros quadrados em Hwaseong, província de Gyeonggi, inicialmente tentou construir uma sauna seca, em 2007. Quando a estrutura do edifício estava totalmente construída, de repente, ele suspendeu o trabalho, alegando falta de viabilidade do negócio.

Abandonado por anos, o local tornou-se ponto de encontro para gangs de rua. Mas em 2013, foi repaginado como um museu de artes. O arquiteto remodelou a estrutura existente e acrescentou alguns containers para criar um espaço cultural para exposições, um mercado de pulgas e cursos diversos.

Inaugurado em abril do ano passado, o Espaço de Design e Arquitetura tornou-se um local icônico de turismo. O Museu SoDA foi premiado em segundo lugar no Good Place Award no ano passado, em reconhecimento do pioneirismo do espaço cultural para moradores da comunidade na área suburbana.

Vila Primavera – Condado de Seocheon, Chungcheong do Sul

Imagem: The Korea Herald
Imagem: The Korea Herald

Vila Primavera é um projeto público que transformou o antigo mercado tradicional em uma comunidade rica e num centro cultural. A moderna praça é cercada por cinco edifícios de concreto, sem quaisquer entradas particulares, oferecendo acesso aberto para seus moradores e visitantes.

A propriedade ficou abandonada por muitos anos após comerciantes mudarem-se para um novo mercado em 2004. Apoiado pelo Ministério da Cultura, os dirigentes do condado transformaram o local em um espaço público onde os moradores podem se reunir e socializar. Cinco edifícios oferecem vários programas, tais como aulas de música, aulas de esportes e cursos de dança. Em 2012, a vila recebeu o Prêmio Coreano de Arquitetura na categoria setor social público. A praça também abriga um museu para uso educacional para as crianças do bairro.

Vila Tradicional de Changpo – Wanju, Jeolla do Norte

Pequeno riacho na floresta de musgos em Wanju. Imagem: Shutterstock
Pequeno riacho na floresta de musgos em Wanju. Imagem: Shutterstock

Ao contrário de muitos outros projetos de regeneração, os esforços na Changpo Traditional Village em Wanju, Jeolla do Norte, não visam necessariamente trazer pessoas de outras regiões, mas sim focar em envolver a comunidade existente.

Como muitas outras cidades agrícolas, Changpo enfrentou dificuldades econômicas quando os jovens mudaram-se para a cidade. Para aliviar a situação, os funcionários municipais têm construído centros comunitários em toda Wanju para compartilhar ideias. A Changpo Traditional Village possui um centro de energia renovável, um centro de processamento agrícola, e um mercado de comida local para facilitar o aumento da eficiência e da procura de empreendimentos agrícolas locais.

Além disso, a vila também possui uma “Granny Dadeumi Band,” um grupo de mulheres que realiza apresentações de percussão usando dadeumi, um método tradicional de suavização de rugas no tecido usando varas de madeira – misturando tradição e cultura.

Viaduto da Estação de Seul – Seul

Imagem: The Korea Herald
Imagem: The Korea Herald

O governo da cidade de Seul planeja transformar o viaduto de 1 km de comprimento da Estação de Seul, em uma passarela de pedestres, como parte dos projetos de renovação urbana da cidade. Considerada a versão coreana do High Line Park, em Nova York, o projeto visa impulsionar o comércio da área e preservar o patrimônio histórico.

Os arranha-céus tem sido considerados uma parte do patrimônio de Seul desde a industrialização iniciada nos anos 70, mas as preocupações com a segurança têm crescido ao longo do tempo. O plano foi adiado várias vezes no passado em face da resistência dos comerciantes locais, que temem perder clientes, e também por oposição da polícia que temia que o trabalho de construção pudesse agravar ainda mais o tráfego. Contudo após a aprovação de uma proposta da cidade para reduzir o tráfego, a construção finalmente iniciou-se no mês passado. O parque de pedestres está programado para estar em funcionamento em 2017.

O renomado arquiteto holandês Winy Missa foi encarregado de transformar o viaduto em um jardim de arranha céus, como uma árvore gigante com vários galhos. Luzes especiais serão instaladas nas 17 ruas adjacentes para fazê-las parecer com galhos de árvores.

Imagem Principal: Chokchai Suksatavonraphan / Shutterstock.com
Imagens Turísticas: The Korea Herald


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.