Quem me acompanha na coluna “Coisas de Coreano” já deve ter percebido que sempre tento mostrar o lado positivo de ser um imigrante coreano vivendo no Brasil. Não que eu não tenha experiências ruins para contar ou que os coreanos sejam perfeitos, longe disso. Mas é que acredito que positividade atrai positividade e não há razão em apontar para erros alheios ou colocar dedos em feridas que certamente poderiam cicatrizar com o tempo. Lembro da história que um amiga não descendente de coreanos me contou sobre ser maltratada em uma mercearia coreana tempos atrás. Pois é… acontece mesmo e é triste. Mas isso não significa que todos os coreanos sejam mal-educados.

Dito isso, farei uma reflexão sobre algo que me incomodou. Não que eu vá mudar o mundo, mas gostaria de compartilhar a minha opinião com vocês. Recentemente, vi um texto publicado em um “site kpop” onde alguém que se apresenta como ex-estudante de língua coreana e ex-futura-intercambista na Coreia insinua ser “especialista” em comportamento de coreanos e joga um monte de generalizações sobre os coreanos que vivem na Coreia. Não vou colocar o link do texto aqui, mas gostaria de citar algumas passagens e fazer considerações sobre o assunto.

Não desejo soar arrogante, mas para mim é complicado ver pessoas de origem não coreana e que nunca visitaram a Coreia ou que viveram lá tempo insuficiente dizendo que entendem os coreanos ou a cultura coreana. Eu mesmo não entendo, apesar de viver imerso dentro de um universo que provavelmente grande parte dos apreciadores de cultura coreana não tem total acesso. E se essa pessoa não fala ou não lê coreano o suficiente para entender as nuances de uma cultura completamente diferente da cultura brasileira, mais complicado ainda. Cabe mencionar que tenho vários amigos brasileiros que vivem na Coreia há anos cujas opiniões considero extremamente relevantes, mas nesse caso, eles tem acesso a mais informações do que a maioria que vive no Brasil.

O texto a que me refiro começa falando sobre a “lavagem cerebral” que o kpop faria sobre os fãs. Tudo bem, concordo em partes. O kpop é um produto de marketing, assim como são Hollywood, Champions League, Olimpíadas etc. Fazendo analogia, não é por isso vamos falar mal sobre o cinema, futebol e demais esportes, certo? Não tem nada de mal perder algumas horinhas com o kpop como distração, mas claro, sua vida não pode se pautar somente nisso. Tenho algumas outras opiniões sobre o assunto mas enfim, são opiniões estritamente pessoais e não posso colocar isso como se fosse uma verdade absoluta.

Só que a partir daí o tal texto começa a fazer uma análise comportamental dos coreanos, passando por clichês como o assunto do “ódio aos estrangeiros”, “alienação do padrão de beleza” e finalmente o “alto número de suicídios”. Mas por exemplo no caso dos suicídios, não cita que há uma agenda paralela das empresas farmacêuticas para vender mais remédios tarja preta na Coreia ou que na Coreia não existe uma barreira religiosa como a cristã, que condena o suicídio. Sim, a Coreia tem seus defeitos e suas qualidades assim como qualquer outro país e não desejo ficar justificando, mas repetir generalizações sem uma boa argumentação e sem embasamento é errado. Enfim, toda discussão é válida. Lembro até de um texto que vi anos atrás dizendo que os coreanos seriam campeões em justificar seus erros e em desqualificar opiniões negativas sobre a Coreia, ou seja, eu nem poderia “defender” ou mostrar o meu ponto de vista contrário pois já saio sendo acusado de não aceitar críticas.

E vou aproveitar para dizer que tenho visto um monte de gente escrevendo sobre a Coreia sem base alguma ou colocando suas impressões como se fossem verdades absolutas. Claro que é uma minoria, mas é absolutamente triste ver que muitas pessoas acabam influenciadas por esses “autores especialistas em Coreia”. Como por exemplo um “autor” que afirmou em um texto no seu blog sobre cultura coreana que coreanos seriam “pessoas inteligentes com o super talento da decoreba, mas analfabetos emocionais”, ou que coreanos “não são experts somente em maquiar os rostos, mas também ao maquiar seus pontos negativos”. Lembro também de um outro “autor” que afirmou categoricamente que “os coreanos querem sair da Coreia”, baseado em uma reportagem em inglês de um jornal notadamente polêmico.

Sejamos sinceros, os coreanos são perfeitos? Não. Mas é necessário mais do que achismos para fazer uma análise justa. E os coreanos são todos iguais? Não. Mesmo dentro da comunidade coreana ou dentro da sociedade coreana lá na Coreia existem diferentes tipos de pessoas e não é possível generalizar. E eu, Bruno Kim, sou o dono da verdade? Não. Este texto também expõe uma opinião estritamente pessoal que não deve ser vista como verdade absoluta. Ou seria pretensioso demais da minha parte, pois também não sou especialista em análise comportamental.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



5 COMENTÁRIOS

  1. Nossa Bruno nem fala… Se eu que não sou coreana nem descendente fico irritada, imagino vc?!
    Moro aqui desde 2012 e nunca vi esse ódio pelos estrangeiros tão pouco essa alienação k-pop, muito pelo contrário sempre fui muito bem tratada em todos os lugares além de serem muito prestativos. K-pop? Minha filha tem 13 anos e tem muitas amiguinhas por aqui, elas gostam de k-pop, cantam, dançam mas não vejo nada de diferente dos adolescentes do Brasil que curtem Anita ou qualquer outro, eu mesma era alucinada pelos Menudos e dancei muito “não se reprima” na vida kkkkkk.
    Quando cheguei aqui não se ouvia falar muita coisa sobre a Coreia, de um tempo para cá estou vendo isso crescer, parece que descobriram o país e ele está cada dia mais em foco, e com isso começam a falar e escrever o que querem, todos começam a se achar conhecedores.
    Quando criei o canal do YouTube a ideia foi justamente essa, mostrar um outro lado. Mostrar o país e sua cultura pq tudo que via era KPop e drama e a Coreia está muito longe de ser só isso! Nunca faço um vídeo ou dou alguma informação sem antes pesquisar e perguntar a algum coreano se aquilo realmente procede ou não.
    Todo país tem suas coisas boas e ruins, em todo lugar existem pessoas boas e ruins o que não podemos jamais é GENERALIZAR e temos sempre que respeitar cada cultura.

  2. Bruno, concordo 100% com seu texto. No meu humilde ponto de vista tem muita gente que simplesmente tem inveja do sucesso dos coreanos e tentam achar coisa pra criticar sem mostrar o lado bom. Parabéns pelo artigo!

  3. Bom dia Bruno,

    Como você mesmo disse, “você não é dono da verdade …” mas concordo com o seu comentário. Sou descendente de japoneses, e sei bem como os orientais são taxados em todos os sentidos e aspectos.
    Não existe nacionalidade melhor ou pior, país melhor ou pior. O que realmente existe na minha humilde opinião são pessoas alienadas que não conseguem enxergam além da sua “caixinha”, ou que seguem modismos e não conseguem pesquisar e entender tradições, costumes, hábitos e entre muitas coisas.
    Entender e respeitar a opinião alheia é importante, já vivi fora do Brasil há oito anos e presenciei na pele estas dificuldades. O mundo hoje é globalizado e mais um motivo para respeitarmos a multiculturalidade.
    Deixo aqui minha indignação às pessoas que ainda possuem uma visão limitada e ate mesmo discriminatória. E como não somos donos da verdade, lembro que o mundo já sofreu duas grandes guerras mundiais, e aqui no Brasil estamos passando por sério problema político onde pessoas não respeitam opiniões contrárias, então pergunto:
    – Até onde vale a pena impor a força como meio de prevalecer a minha opinião?

    Um abraço, IONE

  4. AMEI SEU TEXTO ,SEMPRE QUE POSSO FICO ATENTA A ELES.
    VOCE ESCREVE MUITO BEM, MOREI UM TEMPO NO JAPÃO E ALGUNS MESES NA COREIA POR DUAS VEZES.
    DE TUDO O QUE SE VÊ POR AI IRRITA TANTOS EXPECIALISTAS E DOUTORES.
    CADA POVO TEM SUA CULTURA , VI E VIVI MOMENTOS UNICOS, NÃO SEI QUE O OUTRAS PESSOAS DIRIAM POIS A RECEPÇÃO TAMBÉM DEPENDE DA ENTRADA DO VISITANTE , ENTENDO QUE UM VISITANTE NÃO PODE IMPOR SEUS COSTUMES NA CASA DO OUTRO.
    NÃO FUI MALTRATADA NEM DESCRIMINADA.
    GRANDE ABRAÇO AMIGO

  5. Parabéns pela bela colocação de sua opinião. Realmente já percebi em minha leituras, que tem muita gente falando sobre, sem ter vivência pessoal daquilo que escreve.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.