É comum que, visto de fora, as pessoas possam julgar o pop coreano como algo repetitivo, e empresas já foram referidas como “máquinas de fazer idols“, e apesar de acreditar que nem todas as músicas sejam profundas e alguns momentos os artistas sejam submetidos à músicas que se rendem à tendência do momento, acredito que muitas tenham seu diferencial e, vistas sob uma análise mais profunda, podem oferecer muito mais do que apenas danças em caixas. Esse é o caso em Spring Day.

Como um dos grupos que teve a ascensão mais feroz na cena atual do Pop Coreano, hoje vamos falar de Spring Day, do BTS. Ao contrário do que a maioria dos fãs esperava, esses dois vídeos não sanaram as dúvidas que restaram sobre os vídeos anteriores e, muito provavelmente, apenas levantaram mais perguntas. Aqui nós vamos analisar algumas delas.

Spring Day (봄날) é um vídeo de atmosfera nostálgica e cores vibrantes em certos momentos e, em outros, de-saturado e ligeiramente mórbido. O primeiro a aparecer é V, parado em uma estação de trem aparentemente abandonada, que remete à uma das referências vistas no Prólogo, o curta que é introdução à Run. O curta acaba ao som de Non, Je Ne Regrette Rien, por Édith Piaf, uma música que foi relembrada atualmente pelo seu contexto no filme A Origem. Curiosamente, nessa cena V se deita nos trilhos do trem, como se estivesse esperando por algo, e a frase icônica do filme é um paralelo muito intrigante dentro de Spring Day… já chegaremos lá.

Mal, deitada nos trilhos, conforme aguarda sua morte.
Mal, deitada nos trilhos, conforme aguarda sua morte.
Como em A Origem, V se deita sobre os trilhos.
Como em A Origem, V se deita sobre os trilhos.

Ao referenciar A Origem, podemos traçar um significado mais profundo ao restante do vídeo. O filme evidencia que existem níveis no nosso subconsciente onde alojamos informações que talvez um dia foram enterradas e normalmente não atingem a superfície do nosso psique… Okay, traduzindo: reprimimos sentimentos, memórias, que talvez não sejam acessíveis numa situação normal.

No Prólogo, também podemos ver evidências de que muito aconteceu com a vida desses jovens e, talvez, essa seja uma forma de resgatar esses momentos e considerando o passado de V nos outros vídeos, o assassinato, o aprisionamento, podemos traçar esse paralelo com as memórias que ele deseja esquecer. Como a citação do filme, “Uma verdade que ela preferiu esquecer.” Alternativamente, o ato de deitar-se sobre trilhos também remete ao suicídio, que é o pretendido no filme A Origem, também. No caso, eles morreriam no nível mais profundo do subconsciente para retornarem à superfície.

No trem, Jungkook presencia a transição de tempo.
No trem, Jungkook presencia a transição de tempo.

Um significado comum para um trem é a travessia. Um exemplo clássico seria o trem para Hogwarts, onde atravessam a realidade como um portal que desprende um mundo mundano de um mundo sobre-humano onde feitiços são possíveis, fantasmas falam e tudo é possível. Outro exemplo seria a viagem de trem de Chihiro em “A Viagem de Chihiro”, onde ela viaja sobre as águas e as paradas do trem parecem conectar diversos mundos, ou até mesmo dimensões. E essa seria uma das teorias mais prováveis para esse vídeo.

Se você já ouviu falar em Teoria das Cordas, isso é algo que você vai conseguir compreender sem problemas. Será que todas as vidas vividas pelos jovens podem ser reencarnações? Podem ser diversos universos diferentes onde os acontecimentos diferem, mas acabam seguindo para uma mesma direção? Os diversos paralelos desse vídeo e de Run poderiam ser um indício desse paralelo?

Essa cena pode ser um indicativo disso, onde Jungkook pensando estar sozinho, sente um estranhamento por um segundo, quase uma previsão do que poderia acontecer antes de ser acompanhado pelos amigos, a sensação que isso causa na audiência é quase um alívio, um suspiro, quando eles se encontram. Contudo, logo em seguida, ele se vê por um segundo no trem, e tudo parece estranhamente deslocado.

Jungkook se depara com seu outro eu.
Jungkook se depara com seu outro eu.
Jungkook se depara com seu outro eu.
Jungkook se depara com seu outro eu.
Jungkook se depara com seu outro eu.
Jungkook se depara com seu outro eu.

Tudo parece estar normal, mas no segundo seguinte, isso também é colocado em perspectiva.

Um terceiro paralelo é a palavra “Omelas” – que também aplica o conceito de aprendizagem tangencial ao vídeo como o grupo veio apresentando em Blood, Sweat and Tears, na aparição de diversas obras de arte e esculturas que conectam os pontos da narrativa. Para quem não sabe, aprendizagem tangencial é uma forma de induzir a vontade de aprender, o que torna os fãs capacitados a procurarem sobre a literatura envolvida nos vídeos e se educarem autonomamente. Isso acontece também em Spring Day, e aqui ocorre o paralelo com o conto “Aqueles Que Saem de Omelas”.

O intertexto com "Aqueles que Saem de Omelas"
O intertexto com “Aqueles que Saem de Omelas”

Omelas, como visto em diversas cenas do vídeo, referência um conto curto chamado “Aqueles Que Saem de Omelas” (The Ones Who Walk Away From Omelas), de Ursula K. Le Guin. O conto apresenta uma história com uma reviravolta um tanto macabra. Uma cidade onde a felicidade reina, e todos podem ser felizes sem roubo, sem matança, sem sentimentos egoístas. Mas isso só é capaz de acontecer por conta de um acordo, uma criança deve ser mantida longe de todos, sem carinho e sem amor, recebendo apenas cereais molhados, deixada para definhar e não pode receber sequer um gesto de gentileza.

Quando os cidadãos de Omelas se tornam cientes dessa condição, podem ocorrer muitas reações. A maioria se frustra pela incapacidade de fazer algo, mas acabam por conviver com isso, e vivem felizes. Outros, incapazes de presenciar tal ato de crueldade, saem pelos portões, em direção à floresta para não retornarem.

Retornando momentaneamente aos curtas, os teasers de Blood, Sweat and Tears, um deles apresenta um conceito semelhante à criança que foi abandonada, trancada abaixo da cidade, sem qualquer contato humano. Essa cena não parece familiar?

V em um possível paralelo à criança de Omelas.
V em um possível paralelo à criança de Omelas.

Até mesmo no nome, pode ser que o papel de V no curta “Stigma” seja o papel de um personagem que carrega o mártir da felicidade de outrem, pode ser que ele realmente seja aquele que sofre quando todos estão felizes. Essa é uma teoria amplamente aceita dentro da comunidade, mas a análise dos teasers fica para outra hora. Por hoje, será mencionado apenas como uma possibilidade. Vamos voltar para Spring Day.

A vista límpida e clara do carrossel, um paralelo com Omelas.
A vista límpida e clara do carrossel, um paralelo com Omelas.

A mensagem de “You Never Walk Alone” também pode remeter ao ato de não apenas observar atos desumanos, não apenas testemunhar algo que ocorre e se tornar um espectador, que também é uma mensagem muitas vezes transmitida por músicas do BTS, até mesmo as primeiras músicas do grupo, e mesmo suas faixas pré-debut. Nesse momento o céu é limpo, a impressão da cena é de algo vivido, as cores são saturadas, mas não há movimento. Na cena seguinte, ao anoitecer, a movimentação na cidade se assemelha aos festivais relatados no conto, contudo, por fim, ele se desloca, e sai do transe. Por fim, ele observa o carrossel de outra perspectiva, não de costas, não ignorando, mas observa como ele é, e quando colocado em perspectiva, já não parece tão grande, e tão majestoso como era há algumas cenas atrás.

Agora a cidade se movimenta, enquanto Jungkook é o espectador.
Agora a cidade se movimenta, enquanto Jungkook é o espectador.
O carrossel sendo visto por outra perspectiva.
O carrossel sendo visto por outra perspectiva.

Contudo, também há uma outra especulação sobre o papel do Jungkook que, em determinado momento, se perde de tudo e todos, e se vê sozinho transitando pelo que parecem ser memórias de sua juventude com os outros e, agora, encontra Omelas vazia, apagada e abandonada, um lado diferente da Omelas vívida que foi vista anteriormente. Jungkook pode ter sido deixado para trás, pode estar vendo um lado diferente da cidade, o lado sombrio e solitário como relatado no destino da criança miserável debaixo da cidade.

Jungkook encontra Omelas vazia, escura.
Jungkook encontra Omelas vazia e escura.

Em contradição às cores vívidas, as cenas de Jimin mostram tons de-saturados, quase como se essa fosse uma cena morta, uma vida que já se esvaiu, e sobraram como lembranças apenas os sapatos. O ato de pendurar os sapatos também pode significar morte, um memorial à alguma vida que existiu, que usou, que desgastou aqueles sapatos. Também pode simbolizar a morte de uma era – em justaposição com o mar – a água traz um novo simbolismo, a transição para um novo começo.

Jimin segura os sapatos, em evidencia.
Jimin segura os sapatos, em evidencia.
Sapatos pendurados por Jimin.
Sapatos pendurados por Jimin.

Também há quem diga que sapatos pendurados podem significar que tem traficante na área – fiz uma pesquisa muito séria sobre o assunto, mas acho que podemos eliminar essa hipótese, certo?

Novamente, pode se especular que Jimin tenha o mesmo destino que a criança, mas nesse ponto, podemos também associar a criança à juventude como um todo, e como a repressão pode ocorrer enquanto os adultos, alienados, fingem não presenciar, e sofrem de uma espécie de síndrome do espectador, sem agir, apenas observando a crueldade.

O Jimin é visto com esses sapatos durante o vídeo e chega a lavá-los, não apenas ele, mas diversos integrantes aparecem lavando a roupa. E até mesmo a roupa suja tem significado dentro dessa história de símbolos e signos, porque acredite ou não: a montanha de roupa suja pode ser um paralelo à obra do artista Christian Boltanski. Sim, até mesmo uma montanha de roupas sujas é, potencialmente, uma referência para algo muito mais do que apenas roupas amontoadas. Se você está descrente, eu apresento a obra que reflete e medita a mortalidade e o destino, Personnes.

Personnes, de Christian Boltanski.
Personnes, de Christian Boltanski.
Personnes, de Christian Boltanski.
Personnes, de Christian Boltanski.

Uma reflexão sobre o quão mundano podem ser roupas, mas como também podem refletir a mortalidade, a fatalidade de viver e, eventualmente, morrer. Visto o simbolismo claro da morte, suicídio, vida após a morte ou apenas o vazio, essa reflexão vem de mãos dadas com a forte mensagem do vídeo representado pelo grupo. Uma pilha de roupas pode ser apenas uma pilha de roupas, ou poderia ela representar as milhares de vidas que se foram vividas até esse momento, aparentemente esquecidas, mas nós não esquecemos. Não esquecemos a tragédia em Omelas, o bem de todos pela miséria daqueles que estão em baixo. O trecho a seguir é extraído de um artigo do The Guardian, uma interpretação de Personnes:

“Sessenta e nove campos, mas não tem tendas e não tem pessoas vivendo, apenas milhares de roupas velhas caidas no chão. Seria alí onde elas cairam ou onde foram colocadas? A metáfora irresistível aparece literal na mente dos visitantes, como se roupas pudessem ter corpos ou faces.

Você anda, você olha, você procura por evidências dentre as capas de chuva mofadas e os jeans surrados. Aqui tem uma jaqueta de veludo cotelê, quase nova, e um gabardine desbotado; ali tem um cardigan tricotado para um bebê. Eles eram jovens, eles eram velhos, eles não estavam prontos para morrer, pobres almas que deixam nada para trás que não sejam peças usadas de vestuário. Ceifados, atirados ao chão em grupos, eles todos encontraram um terrível fim. Isso é aparente sem uma única mancha de sangue ou nome; As evidências de Boltanski são mais – ou menos – do que provas.

Personnes, a peça é chamada: pessoas, mas ao mesmo tempo, ninguém.”

O artigo completo pode ser visto neste link, original em inglês, contudo vale a pena a leitura. É uma reflexão que, embora pesada, é necessária.

Isso também pode se tornar um paralelo com aquela teoria, aquela análise que fizemos no começo, a teoria das cordas, se lembra? O que poderiam significar milhares de roupas, milhares de vidas perdidas no fluxo do tempo e da vida, vidas que podem ter sido vividas anteriormente, ou paralelamente, para talvez encontrar todas o mesmo destino? Ou nesse caso, talvez seja diferente, talvez algo aconteça. Em Spring Day, Duas cenas evidenciam a diferença: Suga, sentado sozinho em uma pilha de roupas, no escuro, em solidão. Contudo, quando está junto dos outros, a pilha está ao ar livre, está diante do sol, e talvez um pequeno conforto possa existir quando partilhamos o peso da nossa existência.

Suga e a pilha de roupas, no escuro, sozinho.
Suga e a pilha de roupas, no escuro, sozinho.
A pilha agora iluminada com a presença de todos.
A pilha agora iluminada com a presença de todos.

Bem, essas são apenas especulações. É divertido especular, conversar, debater e é importante que consigamos ter um olhar crítico e digerir tudo que nos é vendido. Não apenas nos alienar em músicas e vídeos e nossos idols favoritos, e talvez o incentivo à essa tendência à narrativas complexas seja a melhor coisa que tenha acontecido nos últimos tempos, não apenas com o grupo BTS, mas muitos outros. E é com esse objetivo que estaremos aqui, no mesmo horário, mesmo local, com mais análises e mais teorias, expondo e dissecando os vídeos.

E você, tem alguma teoria que conseguiu ver no MV de Spring Day? Comente abaixo suas teorias favoritas, e outros MVs que gostaria de ver sendo dissecados, eu já estou com meu bisturi preparado para o que vier. Enquanto isso, re-assista Spring Day e veja se consegue identificar todos os pedaços da análise!

Texto Autoral

Disclaimer: As opiniões dos autores não refletem necessáriamente a opinião do Koreapost.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



6 COMENTÁRIOS

    • Eu gosto muito quando os grupos abrem tanto espaço para interpretação e permitem que a gente possa escrever tanto, pesquisar tanto e se educar mais e mais sobre literatura que a gente nem conhecia! Obrigado pelo comentário!

  1. Sempre encontro vídeos explicando teoria, mas achei essa forma escrita muito melhor e mais completa! Agora entendi muito mais e meu deus será que eles tem inspiração em Inseption mesmo??? Eu lembro da musica usada no fim do prologo e eu fiquei : MEU DEUS ESSA NÃO É aquela musica???
    Com certeza eles tem inspiração nesses filmes.

    (mas acho que o jimin ta avisando de traficante mesmo viu SJGFJSGDFGASDGFJASDG)

    Por favor, faça mais teorias sobre BTS (quero entender os teasers!!!!!!!!!!!). E se possível, faça de Monsta X na proxima semana? Eles fazem comeback terça de madrugada!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.