Um livro, lançado em 2016, que fala sobre igualdade de gênero foi transformado em filme – convidando o público a refletir sobre a discriminação e o preconceito.

Como mãe de dois filhos, filha e alguém que vive nesta sociedade, havia muitas partes (no livro) com as quais eu pude me relacionar“, disse a diretora Kim Do-yeong sobre “Kim Ji-young, nascida em 1982” (82년생 김지영), seu primeira longa-metragem.

Como o livro apresentou vários tópicos de discussão para a sociedade, houve pressão sobre se eu poderia ou não criar um filme e preservar o valor do original, sendo este meu primeiro longa-metragem. Mas, pensei que era uma história que valia a pena contar, que deveria ser contada.

O filme, como o livro, conta a história (fictícia) de uma mulher chamada Kim Ji-young, nascida em 1982. O livro consiste em episódios de discriminação que Kim experimentou como filha, estudante, jovem adulta, mãe e mulher na sociedade sul-coreana.

Imagem: Asian wiki

Jung Yu-mi interpreta a personagem principal e Gong Yoo interpreta seu marido, Dae-hyeon. Os dois compartilharam a tela no filme de apocalipse zumbi de 2016 “Train to Busan”.

Eu não sou casada e não criei um filho. Então, ao invés de me enxergar na história, isso me lembrou muitas pessoas ao meu redor. Eu me senti culpada, me perguntando se eu estive ou não evitando esses temas com a desculpa de que estar sempre ocupada“, disse Jung Yu-mi. “Eu tive a chance de refletir sobre mim mesma.

Gong Yoo disse que o roteiro lembrava sua família, o que o deixava muito emocionado às vezes.

(Ao ler o roteiro), senti que me tornei Dae-hyeon, o que me fez pensar que tinha que pegar o papel. Fiquei tão emocionado que liguei para minha mãe e, pela primeira vez, falei sobre o quão difícil deve ter sido para ela me criar”, disse o ator. Ele também disse que sua colega, um ano mais nova que a personagem que ela interpreta, é “exatamente como a personagem“.

A diretora disse que sua maior tarefa seria de transformar uma série de acontecimentos independentes presentes no livro em uma história com uma narrativa central.

Tinha que ser uma história através da qual o público pudesse simpatizar com Kim Ji-young e ver através dos olhos dela. As histórias dos personagens periféricos precisavam ser mais detalhadas”.

Embora o filme seja baseado em um dos livros mais vendidos de 2016, o material original também foi objeto de controvérsia. Alguns críticos apontaram suas falhas como uma peça literária, enquanto outros a criticam por simplificar e exagerar a questão de gênero.

O filme estreia nos cinemas locais em outubro e o livro está em pré-venda na Amazon (e-book em inglês).


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.