Um membro sênior do Comitê Olímpico Internacional (COI), disse nessa sexta-feira que o maior desafio para PyeongChang, cidade anfitriã dos Jogos de Inverno de 2018, será promover o evento em todo o mundo.

A Comissão de Coordenação do COI para PyeongChang, encabeçada por Gunilla Lindberg, encerrou sua sétima visita ao local na semana passada. Após realizar reuniões com os funcionários do Comitê Organizador de PyeongChang para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Inverno (POCOG) e visitar locais de construção, Lindberg disse que ela e sua equipe ficaram “muito satisfeitos” com o progresso que viram.

Os mascotes de PyeongChang - O tigre Soohorang e o urso Bandabi
Os mascotes de PyeongChang – O tigre Soohorang e o urso Bandabi

Não há dúvidas de que os locais estarão prontos para os eventos-teste que estão próximos” disse ela, numa coletiva de imprensa realizada em Pyeongchang, cerca de 180 quilômetros ao leste de Seul. Ela estava se referindo aos 26 eventos Olímpicos em 20 modalidades esportivas regulares que ocorrerão como um “teste” das instalações entre Novembro e Abril, incluindo o snowboard, patinação de velocidade em pista curta, luge, patinação artística e hóquei.

Gunilla Lindberg, chefe da Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, fala em uma coletiva de imprensa realizada em Pyeongchang, Província de Gangwon. Foto: Yonhap.

Os eventos-teste serão uma grande oportunidade para sensibilizar e gerar entusiasmo para PyeongChang 2018 e para mostrar o nível de preparação da cidade,” acrescenta Lindberg. “Uma Olimpíada bem-sucedida exige uma transição rápida desde o planejamento até a operação. Vamos nos envolver mais estreitamente com as principais partes interessadas“. O desafio mais importante, no entanto, será permitir que o mundo entre na cidade-sede sul-coreana, disse Lindberg.

O maior desafio no momento é a forma de promover os Jogos em todo o mundo, porque este é um lugar pequeno“, disse ela. “Não é o Rio de Janeiro e não é Londres (os anfitriões dos dois últimos Jogos de Verão). Temos de tomar medidas o mais rápido possível. Teremos uma série de eventos de teste, e os atletas virão. Nós teremos uma grande cobertura por parte da TV e as pessoas vão estar cientes dos Jogos em Pyeongchang. os Jogos Pyeongchang serão uma oportunidade para estrangeiros visitarem a Coreia do Sul e ver os esportes de inverno aqui“.

O logo oficial dos Jogos de 2018.
O logo oficial dos Jogos de 2018.

Lee Hee-Beom, presidente da POCOG, ecoou o sentimento de Lindberg. “Das inúmeras coisas que temos feito até agora e que ainda precisam ser feitas, a tarefa mais importante é incentivar as pessoas a nos apoiarem e participarem dos Jogos Olímpicos“, disse Hee-Beom. “Temos embaixadores honorários que estão trabalhando para promover os Jogos de Pyeongchang nacional e internacionalmente.

Para ajudar a maximizar os efeitos promocionais, Lee Hee-Beom disse que a POCOG atrasou o início das vendas de ingressos desse mês para Fevereiro do próximo ano. Hee-Beom disse ainda que isso será programado juntamente com a contagem regressiva de um ano para os Jogos, em Fevereiro.

Sentimos que o início da contagem regressiva de um ano vai nos ajudar a tirar o máximo de proveito das nossas estratégias de marketing“, disse ainda Lee Hee-Beom, acrescentando que o POCOG levou em consideração sugestões feitas durante os jogos de Sochi de 2014. “Vamos nos concentrar na preparação para os eventos-teste e aumentar o interesse das pessoas em esportes de inverno na próxima temporada“.

Um funcionário do POCOG comenta que embora PyeongChang esteja “totalmente pronta tecnicamente para começar a venda de ingressos agora“, o COI propôs a mudança, e os dois lados concordaram que será benéfico para os organizadores adiarem a data. “Isso vai nos dar mais oportunidade para envolver o público nos esportes de Inverno e reunir mais impulso para o lançamento da vendas de ingressos“, disse uma autoridade sob a condição de anonimato. “Isso também irá permitir-nos trabalhar com nossos parceiros para melhorar e construir mais programas de hospitalidade e outras ofertas ligadas às vendas de ingressos“.

Lindberg disse que os planos locais para a posterioridade – ideias sobre como fazer o melhor uso de espaços após os Jogos Olímpicos – também estavam na ordem no dia, e que era hora de finalizar os detalhes. Lee Hee-Beom disse que estava ciente da ênfase dos lugares que o COI exigiu, e que o POCOG se comprometeu a não deixar os locais olímpicos irem para o lixo depois dos Jogos. “Isso é algo que vai continuar a ser discutido mesmo após os Jogos Olímpicos“, disse ele. “Chegamos à conclusão de planos de utilização pós-jogos para 10 dos nossos 12 locais. Nós vamos finalizar os planos para as duas unidades restantes em breve.

A Coreia tem uma história de vitórias em Jogos Olímpicos de Inverno.
A Coreia tem uma história de vitórias em Jogos Olímpicos de Inverno.

Lee Hee-Beom ainda disse que uma ideia a ser discutida é trazer os atletas dos Jogos de Inverno de Pequim de 2022 para PyeongChang para seu treinamento. Com os dois próximos Jogos Olímpicos a serem realizados em países vizinhos, os ministros de Esporte e organizadores olímpicos chefes das duas nações anfitriãs, já discutiram reforçar a sua cooperação.

Apesar dessas e outras questões, Lindberg disse que nunca perdeu a fé na capacidade de PyeongChang de realizar uma Olimpíada de sucesso. “PyeongChang 2018 está entrando em sua última fase de preparação, e há sempre um monte de trabalho a fazer nessa fase de preparação para os Jogos“, disse ela. “Meus colegas e eu estamos mais confiantes do que nunca em Pyeongchang. Estamos absolutamente convencidos de que a entrega dos Jogos acontecerá a tempo e que vai ser um grande sucesso“.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.