As descrições da Coreia pelos ocidentais no final do século XIX e início do século XX eram frequentemente negativas.

Falava-se sobre os esgotos a céu aberto, a sujeira, as crianças nuas brincando nas ruas e os cachorros sarnentos latindo para as pessoas.

Com exceção da parte de crianças nuas, o mesmo poderia ter sido dito sobre muitos lugares nos Estados Unidos ou na Europa.

No entanto, muitos desses primeiros visitantes da península notaram que seus anfitriões coreanos eram extremamente exigentes com suas roupas.

Muito dinheiro e tempo foram gastos em boa aparência.

Boa Aparência

Imagem: Jovem casal sul-coreano (Korea Times)

No final da década de 1880, Frank G. Carpenter, um jornalista americano, passou algumas semanas em Seul e pode tirar suas próprias conclusões:

“O coreano médio gasta tudo o que ganha com roupas e comida, e as pessoas, de acordo com suas rendas, gastam tanto em roupas quanto qualquer pessoa no mundo.”

As roupas eram extremamente caras e também seus acessórios. Os homens, independentemente da riqueza, sempre apareciam com um cachimbo – uma boa indicação do status era o comprimento e o material do qual o cachimbo era feito. Quanto mais longo o cabo, mais afluente o fumante era percebido.

Algumas pessoas, querendo causar boa impressão, alugavam roupas finas. Haviam lojas em Seul que alugavam as peças por cinco dias. A taxa era de cerca de 10% do valor do vestuário.

Apesar dessa obsessão por roupas finas, os coreanos eram frequentemente denegridos por parecerem sujos e surrados.

O reverendo George W. Gilmore se ofendeu com as generalizações casuais e injustas de seu colega ocidental:

“Deve-se ter em mente que os habitantes da península se vestem com roupas leves, como o algodão que usamos para lençóis, por isso, suas roupas são facilmente sujas. Um homem que começa de manhã com roupas recém lavadas pode retornar à noite com essas roupas em uma condição horrível. “

Lavar roupa era uma parte importante das tarefas domésticas e muitos ocidentais notavam os constantes sons de batida à noite enquanto as mulheres passavam as roupas (batendo nelas com remos).

Imagem: Korea Times

Era uma batalha incessante manter todas as roupas brancas limpas. Como as mães no Ocidente, elas  tinham problemas especialmente com roupas de meninos.

“As roupas dos meninos tendem a ficar muito sujas, especialmente as golas e a parte de trás de suas túnicas ou casacos. Seu cabelo é ungido com um óleo enegrecido para torná-lo brilhante, e como ele fica pendurado nas costas, naturalmente causa descoloração da roupa. Mas, os meninos não são mais descuidados do que em outros lugares, e o mesmo é em grande parte verdadeiro para os adultos ”.

Os colarinhos sujos desempenharam um grande papel durante o Ano Novo Lunar. Segundo um escritor, em 1903:

“É absolutamente certo na Coreia, do mais alto ao mais baixo, […] o ato de arrancar a gola de um casaco e distribuí-lo com um pedaço de dinheiro. Todo membro da família faz isso. O colarinho do casaco, continuamente esfregando contra o pescoço, é propenso a ficar sujo, e aqui reside a má sorte”.

A limpeza não era apenas uma questão de necessidade, era também proteção contra a má sorte.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.