O novo drama coreano Squid Game (오징어 게임), lançado em 17 de Setembro de 2021, se tornou rapidamente um dos programas mais vistos da Netflix em pouquíssimo tempo. 

Agora, depois de quase um mês do lançamento do drama, eu, como uma estrangeira morando na Coreia, gostaria de falar sobre a minha opinião sobre o drama e o impacto que ele teve aqui. 

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]

Eu comecei a assistir o drama mais ou menos dois dias depois do lançamento. Dizer que eu fiquei em choque com o primeiro episódio seria pouco, a cena do “무궁화 꽃이 피었습니다” (ou em português, o “batatinha 1,2,3”), me deixou bem em choque. 

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
* eu chocada *. Foto: Netflix

Os jogos seguintes foram tão brutais quanto os outros, mas sinto que o que me deixou mais com raiva foi a cena da matança durante a noite. Porque é ali que você tem o primeiro gostinho do que o ser humano é capaz de fazer, e na minha opinião, é isso que faz o Squid Game ser tão assustador. Não tem monstros, fantasmas, nada sobrenatural, somente a crueldade humana.

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Netflix

Uma realidade normalmente acobertada

O que eu achei mais interessante é que eles mostraram uma realidade da Coreia que não é mostrada com frequência.

Durante muitos anos só o que se soube da Coreia é que é um país lindo (verdade!) onde o amor está no ar (nem tanto…). Isso porque o que primeiro chegou ao mundo, foram os dramas coreanos, recheados de estórias de amor e sofrência, com atores e atrizes lindos e paisagens paradisíacas.

Isso começou a mudar um pouco depois que Parasita ficou famoso, mas geralmente, pobreza, dívida e mal caratismo das pessoas (que tem em qualquer lugar) era uma parte que a Coreia não queria mostrar. O cinema, sempre foi mais realista,  mas na TV, apenas a um ou dois anos é que estes temas começaram a ser discutidos (como em Extracurricular, Itaewon Class e Tudo Bem Não Ser Normal). Mas eu tenho a impressão que demonstrando esse lado mais sensível e cheio de profundidade, a Coreia vai conseguir adentrar o mercado externo cada vez mais. 

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]

A Representatividade Estrangeira

Primeiramente, como estrangeira eu tenho que mencionar o Ali. Por mais que seja uma situação meio bizarra para querer representatividade, fico feliz do cinema e televisão coreanos estarem incluindo mais estrangeiros em seus programas, porque querendo ou não, somos parte da sociedade também. O ator que faz o personagem é sensacional, veio pra Coreia para fazer mestrado em atuação e está trabalhando aqui a 10 anos. Fala coreano fluentemente, e por mais que ele tenha um suave sotaque falando coreano na série, é preferível do que dar a impressão que nenhum estrangeiro fala coreano direito. 

[AVISO DE SPOILERS] Depois não fala que eu não avisei. 

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]

Obviamente que eu fiquei extremamente brava com a morte do Ali, não só por ele ser o representante estrangeiro, mas também porque desde o começo, o Ali só foi fofo com todo mundo, ajudou todo mundo e ainda por cima tinha mulher e filho. E filho de uma… do Sang woo, que literalmente ia se matar, deixar a mãe endividada e sem casa, foi e enganou ele. Foi de um egoísmo absurdo, e acho que é uma “morte de série” que eu nunca vou conseguir superar. 

E outro adendo em relacao ao Ali que eu queria fazer, é que sim, ele realmente é um trabalhador ilegal, mas eu achei importante eles mostrarem o que os trabalhadores estrangeiros, principalmente os ilegais, passam aqui na Coreia. Todo o preconceito, toda a enganação e gaslighting* que a gente às vezes sofre por não entender a língua completamente, ou não entender a cultura, ou simplesmente porque nunca pertenceremos a sociedade dos coreanos. 

Xenofobia é algo com que, quase todos nós que moramos aqui, em algum momento vamos sofrer. É compreensível que a população mais idosa, que passou pela dominação japonesa, tenha esse fantasma de ver uma outra nação, se apossando da deles e fazendo com que eles mais uma vez percam a sua identidade. O Japão dominou a Coreia por 40 anos + e durante este período muitos monumentos históricos coreanos foram destruídos, eles eram obrigados a registrar os filhos com nomes japoneses e aprender japonês na escola, ou seja, eram obrigados a negar a sua própria cultura, sua identidade mesmo.

Para nós brasileiros, isso é inconcebível, pois o nosso país, graças à Deus não soube nem o que foram as guerras.

Então, quando uma pessoa mais velha aqui me distrata, eu relevo. Porém, os mais novos, já tem conhecimento o suficiente e vivem num mundo globalizado, porém, até pela sociedade ser fechada e muito partriarcal, não há uma lei de proteção aos estrangeiros, então eles não se sentem como se tivessem fazendo algo errado (será?). Na verdade, existe uma LEI ANTIDISCRIMINAÇÃO que está para ser apovada a muitos anos na Coreia, requerida inclusive pela ONU, porém ela sofre resistência da população, até porque trata de outras minorias (clique aqui para saber mais sobre o assunto).

Gente, obviamente que não são todos. Há pessoas extremamente bacanas e receptivas à estrangeiros, estas provavelmente se dão conta de que a imigração é muito importante pra Coreia, pois o problema da natalidade aqui está cada vez pior (neste link você poderá encontrar diversas matérias que o Koreapost já fez sobre o assunto).

A Violência Doméstica

Outra que foi extremamente triste, foi a da Ji-yeong. Uma personagem que a gente não teve uma exposição muito grande, mas o que a gente pode saber sobre a história dela, reflete muito uma realidade aqui da Coreia, que é o da violência doméstica. 

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]

Para nós brasileiros, um dos países com o maior índice de feminicídio, não é desconhecida a realidade da violência doméstica. Porém aqui na Coreia, as coisas são um pouco diferentes. Por mais que existam leis contra a violência doméstica aqui na Coreia, até os policiais costumam ignorar chamadas de ajuda. Brigas que acontecem na rua são geralmente ignoradas por todos, raramente alguém pára pra ajudar. O que é uma triste realidade. E a gente acaba sabendo sobre um caso pela Ji-yeong, que conta sobre a mãe dela, e o que ela acabou fazendo pra vingar a morte da mãe.

Para concluir essa parte do texto, eu só queria deixar claro que por mais que a Coreia tenha suas mazelas, que são mostradas nessa série, ainda é uma país maravilhoso, no qual eu me sinto muito feliz e abençoada de estar morando, pois assim como qualquer lugar do mundo, tem muitas coisas boas, sendo que eu sempre gosto de destacar, como principal, a segurança. Minha mãe já viveu nos Estados Unidos, Europa e Africa e minha tia, presentemente, mora no Canadá. Pelo que eu ouço delas, a Coreia é um dos lugares mais seguros para se viver. 

O Impacto da Série na Coreia

Agora vamos falar sobre o impacto que a série causou na Coreia.  

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Yonhap News

A primeira consequência suave foi a ressurgência do doce de Dalgona, porque todo mundo agora quer fazer #squidgamedalgonachallenge, até os cafés estão fazendo eventos especiais com Dalgona e desafios com a decoração de Squid Game.  

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Yonhap News

A exposição pop-up da Netflix que foi feita na estação de Itaewon ficou tão famosa, que as filas para participar do evento começaram a interditar a estação, e eles tiveram que fechar mais cedo. Infelizmente eu não consegui ir, por causa das filas mesmo. 

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Yonhap News
Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Yonhap News
Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Yonhap News

E para terminar, a música nova da Lisa do Blackpink, “Money”. Não sei se foi planejado ou se foi por acidente, mas por conta da música falar muito sobre dinheiro, e ter saído mais ou menos na mesma época, o pessoal aqui começou a associar os dois juntos. 

Ah e pra quem não acompanhou desde o começo. O número de telefone que foi usado para o Squid game era um numero que ja existia, a pobre da pessoa dona do número começou a receber tantas ligações que a bateria do celular nao aguentava, ao ponto que os criadores da série tiveram que pagar idenização para o dono do número e reeditar a série com um cartão com número diferente.

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Esse é o numero antigo. Foto: Netflix
Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
E esse é o numero novo! Foto: Netflix

E como última informação, estes dias mesmo, uma multidão de coreanos saiu às ruas para protestar por mais direitos e segurança para os trabalhadores sul-coreanos, vestidos com as roupas dos soldados de Squid Game.

Squid Game e Coreia do Sul: Expectativa x Realidade [Semana Especial Squid Game/Round 6]
Foto: Dazed

De acordo com o jornal The Straits Times, os protestos aconteceram em diversas cidades da Coreia do Sul, alcançando um número de 80 mil pessoas pelo país. Os trabalhadores reunidos pediam melhores condições de trabalho e um aumento do salário mínimo. Você pode conferir a matéria toda, no Instagram do Koreain.

Para quem não assistiu ainda, deixo aqui minha recomendação!

* Gaslighting é um tipo de abuso que atinge as pessoas de forma sutil, mas muito grave. … Nele, outra pessoa distorce, omite ou cria informações, fazendo com que o outro duvide de si mesmo, de seus sentimentos, da sua capacidade e às vezes até de sua sanidade.

Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

13 − 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.