Via: The Korea Herald

Você pode não ter ouvido falar de Eshy Gazit, mas pode apostar que você conhece um dos artistas com quem ele trabalhou: BTS.

Em fevereiro, Gazit anunciou que seu tempo na Big Hit Entertainment havia chegado ao fim. Tendo partido apenas com boas lembranças, ele é agora o gerente internacional do Monsta X, responsável pelas atividades do grupo na América do Norte, América do Sul, Europa e Austrália.

Gazit é o fundador da Gramophone Media, uma empresa de música sediada em Nova York e Los Angeles, e está no jogo há algum tempo. Depois de assumir o novo projeto, seu dia típico agora implica trabalhar com membros da equipe do outro lado do mundo, na Coreia.

Embora a diferença de horário e a agenda lotada signifiquem que seus dias e noites se misturam, ele está animado para trabalhar com o Monsta X, já que ele vê um grande potencial neles.

“Depois que eu concluí meu tempo com a Big Hit e o BTS, eu estava procurando por um novo parceiro em quem eu realmente acreditasse e sentisse que posso fazer a diferença. Eu encontrei o Monsta X para almoçar e imediatamente me apaixonei. Eu posso dizer imediatamente se alguém é uma estrela e eu soube imediatamente que eles todos são”, disse Gazit em uma entrevista exclusiva ao The Korea Herald.

Conheça o homem que espera quebrar barreiras com o Monsta X
Via: The Korea Herald

O grupo anunciou no fim de maio a assinatura de um acordo com a Epic Records, que abriga nomes como Mariah Carey e Camila Cabello.

“Estamos entusiasmados em nos juntar à Epic Family ao lado de alguns dos artistas que mais admiramos. Isso é como um sonho realizado e ainda não podemos acreditar que isso está acontecendo conosco”, disse o grupo em um comunicado.

Embora o grupo de sete integrantes tenha lançado o novo single “Who Do U Love”, com French Montana, logo após o lançamento da notícia, a música é apenas a mais recente de uma série de projetos em que o Monsta X esteve envolvido. O grupo colaborou com Steve Aoki em “Play It Cool” e também apareceu na série de animação “We Bare Bears“.

Quando perguntado sobre o que torna o Monsta X especial, ele diz que é sua autenticidade.

“O que eu posso dizer é que os integrantes do Monsta X são muito autênticos e o que você vê é o que você ganha no palco (e) fora dele. Eu acho que isso faz uma grande diferença para as pessoas e isso as ajuda a se conectar. ”

Embora o K-pop tenha certamente atraído a atenção nos últimos dois anos no Ocidente, ele acrescenta que promover atos do K-pop ainda não é tarefa fácil.

“Acredito que quebrar a ‘cota de K-pop’ é um dos principais desafios no momento. (As pessoas devem) julgar cada artista por si mesmo, não importa de onde eles sejam, em vez de dizer: “Minha cota de K-pop para este ano está cheia, eu já tive X e Y no meu programa.”

Conheça o homem que espera quebrar barreiras com o Monsta X
Via: Starship Ent.

Sua experiência com a cota do K-pop vem contra um pano de fundo da crescente popularidade que o gênero tem desfrutado nos últimos anos nos EUA, que viu grupos como BTS e Blackpink aparecerem em vários programas de TV de alto perfil como “Good Morning América.”

“Acredito que costumava haver um estigma, e provavelmente ainda existe para alguns, sobre o K-pop. Eu acho que é importante perceber que toda banda é diferente e todo artista é diferente. Eu acredito muito em quebrar categorias para música, pessoas e assim por diante. ”

O Monsta X está atualmente em turnê pelo mundo, parando em 18 cidades da Ásia, Europa, Austrália e América do Norte e do Sul. Em setembro, o grupo se tornará o primeiro artista de K-pop a se apresentar no iHeartRadio Music Festival, em Las Vegas, mas virá antes ao Brasil, no dia 19 de Julho.

Disclaimer

As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.