No começo deste ano, a Fundação Coreana informou que existem aproximadamente 90 milhões de fãs do Hallyu em todo o mundo. Embora o K-pop seja apenas um subconjunto do que o termo Hallyu engloba, para a maioria dos fãs do gênero, essa descoberta não é nenhuma surpresa. Quer dizer, apenas dê uma olhada nas estatística do K-pop! No entanto, as visualizações no Youtube, as vendas de músicas e a quantidade de seguidores não são as únicas coisas que importam quando de trata de K-pop.

Um dos aspectos que geralmente não é levado em consideração é como as estrelas do K-pop administram sua saúde mental. Na verdade, discutir saúde mental é um tabu em toda a Coreia. Mas é importante que falemos a respeito, especialmente se tratando dos artistas no K-pop, já que especialistas em psicologia notaram que celebridades engajadas em atividades artísticas e com enorme quantidade de tempo gasto sob o olhar atento do público são particularmente mais suscetíveis à depressão.

Em 2017, o suicídio de Jonghyun do SHINee colocou mais uma vez em evidência esse tema dentro da indústria do K-pop, apontando a intensa pressão que as celebridades enfrentam regularmente. Quando se considera estes fatores ― sucesso ou a falta dele, competição, críticas, entre outros ― fica claro que ser uma celebridade do K-pop não se trata apenas de receber amor dos fãs e se apresentar em palcos luxuosos. Jonghyun disse uma vez em entrevista que foi difícil para ele expor seus sentimentos por medo de ser julgado injustamente pelo público e então pensou que não existia ninguém que realmente quisesse conhecê-lo de verdade. Ele provavelmente também não estava sozinho em se sentir assim, já que outras celebridades enfrentam os mesmo desafios.

*O clipe de “Home Is Far Away”, do grupo Epik High, descreve muito desse sentimento de luta pela saúde mental, trazendo assuntos como ansiedade, solidão e pressão social acerca da cobrança de sempre sermos melhores, a todo momento.*

Apesar de estarem sob maior risco de doença mental, os artistas do K-pop muitas vezes têm opções limitadas quando se trata de abordar adequadamente sua saúde mental, devido a seus altos padrões e estigma social. Ainda assim, algumas celebridades do K-pop têm sido muito abertas ao discutir saúde mental, com um número cada vez maior de estrelas começando a revelar suas lutas pessoais com depressão, ansiedade e outros distúrbios de saúde mental.

Tablo do Epik High e Suga do BTS são conhecidos entre os fãs de K-pop por serem defensores de se conhecer e discutir abertamente questões pessoais sobre saúde mental ao longo dos anos. O trabalho de Epik High sempre falou sobre questões de saúde mental, incluindo seu mais recente álbum “Sleepless In __________”. E em uma entrevista à Yonhap News, mais tarde publicada em inglês pela J-14, Suga chegou a dizer: “Ansiedade e solidão parecem estar comigo a vida toda. Eu ressignifiquei o modo como eu deveria lidar com isso, mas parece que eu tenho que trabalhar nisso pelo resto da vida”. Jiyeon do T-ara e a artista solo de longa data Younha são apenas algumas outras celebridades que também se abriram sobre suas lutas com a saúde mental nos últimos anos.

Infelizmente, as celebridades coreanas também são conhecidas por mostrar seus próprios preconceitos quando se trata de doenças mentais. No ano passado, o rapper San E criticou Womad e Megalia, comunidades feministas online conhecidas por visões radicais e ódio aos homens, enquanto se apresentava no palco, declarando que elas não eram feministas, mas que “tinham uma doença mental” (pular para 1:40 no vídeo abaixo).

Ironicamente, no ano anterior, San E lançou uma música acompanhada de um M/V, abordando o estigma da saúde mental, particularmente no que se refere ao aconselhamento e ao uso de medicamentos para tratar problemas psicológicos. Embora ele tenha tentado mudar a visão das pessoas sobre a saúde mental e ajudá-las a entender seu significado através de sua arte, usar a doença mental como parte de um ataque àqueles que o criticam é menos que admirável, para dizer o mínimo.

No entanto, as celebridades não são as únicas que lutam para falar sobre saúde mental. Como o estigma acerca de distúrbios mentais é algo ainda difundido na sociedade coreana, torna-se difícil para muitos – famosos ou não – discutir apropriada e livremente o que significa sofrer com uma doença mental. Para muitos coreanos, os problemas de saúde mental, além de necessitarem de ajuda profissional, são indicativos de fraqueza, podendo se tornar uma mancha permanente no histórico pessoal e profissional, além de não serem bem compreendidos. Mas há alguns sinais de que a sociedade coreana tem tentado superar suas barreiras ao tratamento de saúde mental, como, por exemplo, através da criação do Centro Nacional de Saúde Mental em 2016.

GIF of CL saying, “Você sabe, eu também sou uma pessoa”
Idols também são pessoas. Por favor, respeite todos eles.

Dito isso, embora os tempos estejam mudando, a Coreia tem consistentemente mantido a maior taxa de suicídio entre os países da OCDE por duas décadas, com uma média de 40 pessoas morrendo por suicídio todos os dias. Em 2015, o Serviço Nacional de Seguro de Saúde descobriu que aproximadamente 5 milhões de coreanos adultos têm depressão ou correm alto risco de desenvolvê-la, mas apenas 22,2% daqueles com diagnóstico de doença mental realmente procuraram tratamento. Além disso, um estudo recente do governo descobriu que a grande maioria das vítimas de suicídio tinha procurado tratamento não para problemas de saúde mental, mas para sintomas físicos como fadiga, falta de concentração, dores abdominais e dores de cabeça. A taxa de suicídio da Coreia tem diminuído continuamente desde 2010, mas continua sendo uma questão importante no país.

Embora acabemos nunca conhecendo a maioria das nossos artistas favoritos de K-pop a nível pessoal, é fundamental que não esqueçamos o fato de que eles ainda são humanos. Abaixo das personalidades cuidadosamente criadas, existem pessoas reais com seus próprios sonhos, desejos e problemas. Como o resto de nós, as celebridades podem se sentir isoladas e sem esperança. Eles podem ser feridos e se sentirem derrotados. Podem até cometer erros. E, no entanto, a expectativa principal do público é que eles sempre estejam dando o melhor de si, sempre sorrindo.

Quando as estrelas tem que lidar com dificuldades emocionais, tanto o público quanto aqueles próximos a eles muitas vezes não estão a par de suas lutas. Em uma entrevista para a BBC (mostrada acima), Park Kyung do Bloco B explicou que “as celebridades têm dificuldade em lidar com suas emoções…. Eles não têm muitas oportunidades de expressar como realmente se sentem, já que o trabalho deles exige que escondam suas emoções. Além de ter acesso limitado ao tratamento, as celebridades também costumam se ver carregando seus fardos sozinhos.

O gerente de um artista K-pop disse que, apesar de seus esforços para auxiliá-los contra o estresse e problemas de saúde mental potencialmente mais profundos, simplesmente não é possível protegê-los completamente. Por exemplo, muitos artistas admitiram ler regularmente comentários on-line sobre si mesmos, mesmo quando é difícil imaginar que poderiam ter tempo para isso em suas agendas lotadas.

Embora muitos desses comentários possam ser positivos e cheios de amor, RM do BTS expressou uma vez o quão prejudiciais os comentários negativos podem ser, dizendo: “Eu costumava refletir sobre um comentário maldoso escrito por um internauta em apenas cinco segundos, com um pensamento momentâneo de ‘Eu simplesmente não gosto desse cara’ pelas próximas cinco horas e cinco dias”.GIF of RM reading negative comments:

*lendo comentários negativos*
“Essas músicas são consideradas hip-hip? Absolutamente não.”
“Letra de rap do BTS? Isso é mesmo considerado uma letra de música?

Apagar o estigma da Coreia contra a discussão aberta e o tratamento adequado das doenças mentais não é tarefa fácil, e é provável que seja apenas parte do que está por trás das lutas das celebridades do K-pop. Afinal, a própria indústria serve como palco para muitas das dificuldades que os artistas enfrentam, criando um ambiente intensamente competitivo e de alta pressão antes que estes possam ter a oportunidade de debutar. Torcer por nossos cantores favoritos no K-pop quando ganharem um prêmio ou alcançarem algum outro marco é ótimo, mas é tão importante quanto mostrar aos artistas que seus fardos não precisam ser suportados apenas por eles e que nós os aceitamos como são, como seres humanos.

Existem artistas que ajudaram você em suas próprias lutas? Sinta-se à vontade para compartilhar abaixo. Eu adoraria ouvir suas histórias. Por favor, também deixe nos comentários algumas dicas que o ajudaram a compreender e a lidar com sua saúde mental.

Se você está tendo pensamentos suicidas ou conhece alguém que passa por isso, você pode receber ajuda imediata ligando gratuitamente de todo o Brasil para o número 188 (Centro de Valorização da Vida) ou acessando o site do CVV para mais informação.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



2 COMENTÁRIOS

  1. Acho que pelo contexto histórico da coreia( Culturalmente reclusa, sem falar que viveu boa parte como ditadura) é de se entender a forma como enxergam as coisas, mas como é um país com uma rápida globalização, especialmente nos últimos anos, pode-se ver pequenos avanços que me deixam feliz. Eu espero que com tudo que os fãs ao redor do mundo tem feito, ajude a deixar claro que mais que “Produtos para nossa felicidade” eles são pessoas. Muitos tendem a ir a extremos onde acreditam que ou tudo que fazem ou falam é artificial e criado ou que eles são seres perfeitos que não podem errar. Mas a realidade é que eles são pessoas se esforçando o máximo pra mostrar seu melhor lado, enquanto temem serem julgados por não serem perfeitos, mas ninguém realmente precisa ser. Eu pessoalmente aprendi tanto com eles, o que me ajudou a superar muitas dificuldades na minha vida e espero que algum dia eles possam se sentir seguros o bastante e saber que por ai tem muita gente que vai admira-los pelo que eles são, independente de qualquer coisa, porque todo ser humano merece ser aceito e amado.

  2. Perder o Jonghyun doeu muito. É muito triste essa situação na Coreia e entre os idols também. Eles não podem namorar, não podem fazer muita coisa, eles tem que ser idol 24 horas por dia… deve ser mto cansativo, o kpop é maravilhoso por um lado, mas tem um lado mto obscuro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.