K-pop é passado? Ou apenas está sofrendo com as dores do crescimento? Sete grupos sul-coreanos de K-pop se separaram nos últimos 12 meses – dois desde o início de 2017 – levantando questões sobre o futuro do gênero de música manufaturado e popular, que levou a Ásia à loucura.

O mega grupo Wonder Girls lançou seu último single no começo de Fevereiro. O grupo de dez anos de idade foi o primeiro de K-pop a entrar na lista ‘EUA Billboard Hot 100‘, com seu hit “Nobody” em 2009.

Os números da indústria apontam para 2017 como um ano “crucial” e “transitório” para o K-pop, com alguns se perguntando sobre o futuro do gênero. Fãs no Twitter, de lugares como St. Louis, Missouri, até as Filipinas, estavam lamentando sobre o “fim de uma era“. “É muito triste ver esses grupos se dispersarem“, disse Paul Han, co-fundador do Allkpop, um site de fofocas e notícias do K-pop, que tem 10 milhões de leitores mensais em todo o mundo. “Você pode ver que a popularidade (de um certo grupo) diminui e, naturalmente, recebe menos promoção e, eventualmente, se dissolve“.

Em janeiro, os “reis do k-pop”, Big Bang, fizeram seu último concerto antes de entrar em hiato – depois de dominar as paradas por 10 anos. Grupos de garotas como Kara, 2NE1, 4Minute, I.O.I e Rainbow dissolveram-se depois de carreiras sólidas onde venderam milhões de álbuns e encheram estádios em todo o mundo.

O K-pop surgiu na Coreia do Sul no início da década de 1990 e empresas como JYP, DSP e YG construíram a indústria pop do país, criando um esquema de treinamento que produziu estrelas para a música, novelas e filmes.

Em 2009, o gênero teve a atenção global com as Wonder Girls, que abriu os shows da turnê dos Jonas Brothers. Em 2011, o Big Bang lançou “Alive“, que foi o primeiro álbum de K-pop em língua coreana a entrar na ‘Billboard 200‘.

Mas foi o PSY em 2012, que realmente cimentou a sua popularidade quando o seu single, “Gangnam Style“, subiu para o nº 2 na ‘Billboard 100‘ e quase quebrou o YouTube.

“O K-pop realmente gerou um tumulto fora da Ásia“, disse Tamar Herman, que cobre a parte do K-pop para a Billboard.com.

Contudo, os rompimentos recentes devem-se a uma série de razões. Os contratos de música no K-pop geralmente duram sete anos, disse Herman, e com muitos dos maiores estreando em 2009 e 2010, isso significa que mais grupos podem se separar em breve.

Ainda assim, é justo dizer que muitos grupos de K-pop ultrapassaram ou pelo menos ficaram no mesmo nível da vida útil de muitos grupos pop ocidentais – as Spice Girls duraram quatro anos, Destiny’s Child nove, NSYNC sete e o One Direction está no mercado a seis anos.

Escândalos

O sucesso do K-pop também depende de uma imagem altamente polida. As estrelas coreanas, tipicamente, não podem ser vistas namorando, fazendo cirurgia plástica ou se envolvendo em qualquer tipo de escândalo, disse Herman. O 2NE1, um grupo de hip-hop-pop que se separou no final de novembro, ainda era popular, mas se desfez quando uma integrante saiu e outra lidou com o que seu CEO de gravadora descreveu no início deste ano como “um problema de saúde”, segundo a agência de notícias Yonhap.

As gravadoras DSP (Kara e Rainbow) e JYP (Wonder Girls) se recusaram a comentar com a CNN, exceto para confirmar que os grupos estavam se dissolvendo. A equipe de imprensa da JYP acrescentou que a dissolução do Wonder Girls foi uma “questão sensível“.

O grupo Big Bang entrou em hiato para que seus integrantes possam ir para o serviço militar, obrigatório na Coreia do Sul. Isso pode levar o grupo a ficar fora do cenário por pelo menos quatro anos e se eles vão se reagrupar é algo incerto ainda.

Meninas vs Meninos

A maioria dos grupos que se separaram foram grupos femininos, porque os grupos masculinos mostram-se “melhores investimentos“, disse Jeff Benjamin, editor senior da Fuse TV, que cobre o gênero. “Em média, as vendas de grupos de garotos superam em grande parte os grupos de garotas e eles tem mais tours na Ásia.”

No final, parece que há, em última instância, uma janela de investimento mais curta com grupos feminos – que tendem a vender mais singles do que grupos masculinos, mas isso não ajuda tanto quanto as vendas de álbuns e tours –  e parece que esses fatores podem ser predominantes para a disssolução mais rápida de um grupo“.

Alguns grupos são concebidos como tendo vida útil limitada. O I.O.I, foi criado como parte de um reality show em 2016, criando um super grupo de 11 diferentes empresas de entretenimento. O I.O.I foi teve sua data limite de um ano de promoções e terminou em janeiro passado. “É desesperante, porém, é um movimento que acontece em outros setores da indústria – descartar o velho e ficar com o que está  ‘quente e novo‘ no momento“, disse Han.

https://youtu.be/_AADHVsit4A

O Futuro do K-Pop

Quanto ao futuro do K-pop, as figuras da indústria acreditam que uma nova geração de grupos – como o grupo misto KARD, mais o grupo feminino Black Pink e os cantores G-Dragon (do Big Bang) e CL (do 2NE1) podem sustentar o gênero.

Casas de show e até estádios, como o Staples Center e o Prudential Center, ainda estão lotando com shows de K-pop. Os artistas também estão fazendo mais colaborações em toda a Coreia do Sul e EUA. E, o tráfego de acessos no site allkpop tem aumentado, com mais usuários nos EUA do que qualquer outro país, disse Han.

Tenho que admitir que fiquei nervoso quando vi grupos como Big Bang, Girls Generation, 2NE1, Wonder Girlslíderes de uma geração de K-pop – não tão ativos como eram antes e me perguntei sobre o futuro da cena, especialmente com os fãs internacionais“, disse Benjamin. “Novos grupos estão ganhando fanbases internacionais muito mais rápido do que seus predecessores, provavelmente graças às redes sociais, ao YouTube, e ao fato de que esses fãs já fazem parte da cena do K-pop, e isso é muito promissor.”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.