“Começa com um leve bater [de asas]” é a mensagem do grupo de 12 integrantes no vídeo do último single “Butterfly”.

Foto: The Daily Dot

O grupo feminino de K-pop LOONA vem fazendo manchetes em todo o mundo pelo videoclipe de seu último single “Butterfly” que entrou para o chart da Billboard. O vídeo causou agitação nas redes sociais desde o seu lançamento no último dia 19 de fevereiro.

Quando a mania do K-pop está em todo o lugar, o que exatamente distingue LOONA e sua música e vídeo dos demais?

É ambicioso e arriscado, esse grupo feminino que é o LOONA (estilizado como LOOΠΔ) ou Idalui Sonyeo (이달의 소녀), que se traduz como “Garota do mês”. O grupo primeiro criou uma agitação no underground do K-pop em 2016, quando a agência Blockberry Creative (BBC) anunciou que iria contra os debuts tradicionais de um grupo de K-pop. A companhia disse que não iria debutar os talentos como um grupo, mas individualmente, uma por uma, agrupando-as em três subgrupos ao longo do caminho, até que todas as 12 integrantes estivessem apresentadas.

Este foi um movimento muito corajoso de uma agência desconhecida e relativamente nova. Naquela época as pessoas estavam divididas sobre o modo como LOONA estava sendo promovido. Alguns elogiaram as meninas e a agência por ir contra o fluxo da indústria. Alguns também os elogiaram pelo tempo, esforço e dinheiro investido na criação de músicas e vídeos individuais. A maioria das músicas possuem produtores locais e internacionais bem reconhecidos e vídeos com alto custo de produção, filmados em países como França, Irlanda, Japão e Estados Unidos.

Alguns, entretanto, estavam céticos com a introdução individual quando eram os grupos de K-pop que estavam sendo demandados em todo o mundo.

LOONA debutou como um grupo completo de 12 integrantes em agosto de 2018 com as músicas “Hi High” e “favOriTe”. Até então a popularidade dos talentos individuais aumentava constantemente e combinavam-se para impulsionar o nome do grupo.

O grupo e sua agência não são apenas conhecidos por seus vídeos musicais de alta qualidade e alto orçamento, esteticamente agradáveis, mas também por ser um dos poucos grupos de K-pop que contam histórias interconectadas em seus vídeos, promoções e até músicas. Seus fãs, chamados de “Orbits”, chamam esse conceito de “Loonaverse”.

Em seu videoclipe de “Butterfly”, o grupo dá um passo para trás dessa abordagem e, em vez disso, coloca em evidência questões de autoaceitação e empoderamento. Você geralmente não vê isso no K-pop, especialmente de um grupo que acabou de lançar seu segundo single.

Filmado na Coreia do Sul, Paris, Hong Kong, Islândia e Estados Unidos, o videoclipe apresenta mulheres comuns e suas condições em qualquer país de origem. Elas representam diferentes perfis, origens, culturas e religiões. O videoclipe destaca essas mulheres, mais do que as integrantes do LOONA, em uma clara mensagem de força em suas “falhas” e “fraquezas”, de orgulho em quem são.

A descrição do videoclipe diz: “LOONA causa um efeito Borboleta através da música para os ouvintes ganharem coragem, encontrarem-se e elevarem a voz. Qualquer um sob influência é outra LOONA.”

“Butterfly” é apenas um primeiro passo. Mais uma vez, é um pequeno bater de um par de asas. Mas se um grande nome do K-pop como LOONA pode escolher ser uma voz inspiradora e poderosa para as mulheres, por que o restante de seus fãs não pode?

Confira o vídeoclipe “Butterfly” do LOONA!


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.