A bem-sucedida turnê mundial da banda de K-pop BTS provou ser um enfático sim a anos de perguntas persistentes sobre a capacidade do K-pop em quebrar e superar o mainstream da cultura pop norte-americana.

Com um show final em Seul no dia 29 de outubro, a boy band composta por sete integrantes trouxe sua turnê mundial “Love Yourself: Speak Yourself” a um final muito bem sucedido, encerrando uma jornada de shows e viagens de 14 meses.

Lotando e agitando os maiores locais de concertos em 26 cidades da Ásia, América do Norte, Europa e Oriente Médio, incluindo o Citi Field em Nova York e o Wembley Stadium em Londres, a série de shows foi um fenômeno global, elevando o BTS ao status de verdadeiro ícone pop.

A turnê de 14 meses também foi o clímax na carreira do septeto que, naquele momento ou pouco antes, havia sido três vez número 1 na Billboard 200, tornando-se a primeira banda desde os Beatles a conquistar a parada de álbuns por três vezes em menos de um ano.

BTS se apresentou no 2019 GMA Summer Concert Series no Central Park, em Nova Iorque (foto: Walt Disney Television/Paula Lobo)

Com o raro feito do BTS nos EUA apontado como “a invasão coreana”, em comparação com o sucesso fenomenal dos Beatles na América, que foi tido como “a invasão britânica”, o K-pop expandiu sua presença nos EUA e em todo o mundo.

A rápida ascensão do BTS no cenário musical global, geralmente atribuída aos altos níveis de conectividade em todo o mundo e à difusão generalizada das mídias sociais e dos conteúdos do YouTube, ofereceu um sinal claro de uma grande mudança na forma como os pop stars internacionais são criados e como sua música é consumida.

Com sua música atada a mensagens sociais, o BTS também trouxe para o cenário musical mundial uma nova cultura fandom que reúne fãs de diferentes grupos étnicos e nacionalidades sob a bandeira dos ARMY.

Esses fatores levaram ao surgimento de um exército de voluntários bilíngues que têm traduzido as letras os videoclipes em coreano do BTS para o inglês quase em tempo real, tornando o conteúdo imediatamente disponível para os que não falam coreano e desafiando as barreiras linguísticas.

BTS performando no Estádio Wembley em Londres (foto: Big Hit Entertainment)

O fenômeno provou que o K-pop, incluindo as músicas do BTS, tem o poder de atrair uma audiência internacional, apesar das barreiras linguísticas”, afirmou Jeff Benjamin, colunista da Billboard e escritor contribuinte do New York Times, em entrevista em julho.

Existem muitos conteúdos adicionais, elementos para deixar as pessoas empolgadas com a música e superar a barreira linguística. A linguagem não é tão importante quando se trata da música em si”, observou ele.

Os fãs ávidos do BTS memorizaram as letras coreanas originais das músicas e cantaram junto com a banda nos shows, uma imagem que inspirou e impressionou muitos membros da indústria da música e da mídia.

Com a influência do BTS cruzando fronteiras nacionais e barreiras culturais, a Arábia Saudita decidiu convidar a banda ao país em um gesto simbólico de moderação no início deste mês.

V, Jimin, Jungkook e Jin cantando ‘The Truth Untold’ em Riade, na Arábia Saudita (foto: Jennifer Barretto/Gulf News)

O show histórico no Estádio Internacional King Fahd, em Riade, em 11 de outubro, fez da banda o primeiro grupo pop não árabe a se apresentar em um estádio da Arábia Saudita, mais uma vez testemunhando o poder da música.

Falando a um fórum local no início deste mês, Phil Quartararo, um ex-presidente da Virgin Records America e da Warner Bros. Records, apontou para a história de sucesso do BTS nos EUA, o maior mercado pop do mundo, e como o grupo abriu as portas para mais artistas de K-pop no mercado.

O BTS é uma grande história de sucesso, mas o BTS quebrou o gelo, ele não é o gelo“, disse ele.

Para o BTS, estávamos abrindo a porta. Podemos enviar muitos outros depois do BTS[…] Acredito que haverá muitas outras oportunidades para grandes artistas que lideram muito bem esse mercado”, segundo Quartararo.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.