O falecimento da atriz e cantora Sulli (Choi Jin-ri) entristeceu muitos fãs do K-pop. Alguns ficaram furiosos com as agências de entretenimento do K-pop por sua atitude em relação à saúde mental de seus cantores.

Foto: JTBC (programa Night of Hate Comments)

Kim Dong-wan, membro do grupo de K-pop de primeira geração Shinhwa, escreveu nas mídias sociais, que a fama e o dinheiro de muitos ídolos do K-pop vieram à custa de sua saúde mental. “As celebridades estão trabalhando sob extrema pressão e o nível de estresse que enfrentam aumenta à medida que a concorrência se torna mais intensa. Os jovens ídolos do K-pop não comem ou dormem adequadamente por causa de seus horários apertados e são solicitados a esconder suas emoções e sorrir, apenas mostrando atitudes positivas para seus fãs em público. Eles têm que ser sexy, mas não devem fazer sexo e ser durões, mas não devem lutar por nada”, escreveu Kim Dong-wan.

O cantor Kim Dong Wan acredita que as agências precisam fazer mais pelos seus artistas. Foto: SCM Post

De fato, muitos ídolos estreiam após anos de muito trabalho como trainees. No entanto, após sua estreia, eles são expostos a horários desumanos que os forçam a suportar longas horas de trabalho.

Eles não têm privacidade e sofrem constantemente com os comentários maliciosos de usuários da Internet, que se aproveitam do anonimato para assediar os famosos. Como resultado, algumas estrelas acabam tendo depressão ou transtorno de ansiedade.

Mina, integrante do grupo TWICE, teve que interromper sua carreira musical temporariamente devido ao estresse e ansiedade extremos. Ela não pôde participar do último álbum do grupo, pois foi diagnosticada com transtorno de ansiedade.

Mina, do Twice. Foto: Koreaboo

Taemin do SHINee também confessou que estava sob pressão para atender às crescentes expectativas de seus fãs. “Eu tenho que me autogerenciar, pois não há privacidade na minha vida e sempre preciso ter cuidado para não ter problemas, o que é difícil”, disse ele.

Taemin, do SHINee. Foto: Kpop Map

Muitas estrelas do K-pop começaram suas carreiras musicais quando eram muito jovens. Eles devem mostrar obediência absoluta às suas agências e não têm tempo livre para refletir sobre suas vidas. Estão estressados, mas infelizmente não vão ao hospital por medo disso levantar rumores e matérias sensacionalistas.

Sulli sofreu exatamente esses problemas. Em 2005, ela começou no ramo do entretenimento como atriz infantil aos 11 anos. Mais tarde naquele ano, ela passou por uma audição para se tornar uma trainee de K-pop na SM Entertainment, período em que viveu em um dormitório com colegas mais velhas.

Em 2009, ela ingressou no grupo feminino f(x) aos 15 anos, permanecendo no grupo até julho de 2014, quando anunciou uma pausa temporária em sua carreira devido a comentários maliciosos e rumores infundados.

Seu afastamento do grupo mais tarde se tornou permanente, e ela mudou seu foco para a atuação, além de iniciar uma carreira musical solo. Sua saída do f(x) pode ter sido um pedido de ajuda.

“Muitas celebridades que debutam muito jovens sofrem de depressão e ansiedade, pois precisam viver aos olhos do público. Eles podem ficar vulneráveis se receberem muita atenção”, disse Park Jong-seok, médico chefe da Yonsei Bom Psiquiatria em Seul.

“Eles passam pela adolescência sem experimentar amizades genuínas e estabilidade com grupos de amigos.”

Segundo Park, viver aos olhos do público pode levar as celebridades a terem falta de confiança, instabilidade emocional, comportamento obsessivo e incapacidade de se adaptar.

“Eles podem sentir uma sensação de privação pois não têm tempo suficiente com a família e os amigos. A obsessão de ter sucesso e sobreviver em extrema competição também pode levar a um complexo de inferioridade”, diz Park.

Sulli não é um caso isolado. Muitos artistas sul-coreanos estão sofrendo com depressão e infelizmente não conseguem um tratamento adequado e apoio de suas empresas.

Jonghyun do SHINee. Foto: Pinterest

Quando Jonghyun, do SHINee (SM Entertainment), faleceu em dezembro de 2017, surgiram críticas ao sistema de gerenciamento da agência para a saúde mental dos artistas.

Visando ajudar os artistas que sofrem, a Shiny Foundation, criada pela família de Jonghyun, auxilia artistas que precisam de tratamento médico, apoio e auxílio financeiro.

“A SM Entertainment é a agência que introduziu a cultura dos ídolos na Coreia nos anos 90 e, posteriormente, esse sistema tornou-se o padrão para a indústria do K-pop em geral”, disse Kang Moon, crítico de música.

“À medida que o número de cantores que cometeram suicídio aumentou, é hora das agências verificarem o sistema de treinamento para ver como elas podem ajudar a prevenir o suicídio e prestar mais atenção à saúde mental de seus cantoresGrandes agências têm programas de saúde mental com hospitais universitários, mas isso é impraticável devido às agendas lotadas de celebridades”, afirmou o médico.

“É mais importante educar as pessoas ao redor do paciente. A depressão vem principalmente do esgotamento extremo e é importante diagnosticá-lo em um estágio inicial antes que piore”.

A música solo de Sulli lançada recentemente continha uma letra que muitos dizem, anunciava a sua situação, como por exemplo a estrofe “Monte as peças do meu quebra-cabeça. É hora de ir para o pântano na vida real. Não está sendo um dia ruim, está tudo bem. Mas é verdade que eu estou bem cansada (Fonte: Lyrics Translate)

Descanse em paz Choi Jin-ri. Nossos pêsames aos familiares, integrantes do f(x), amigos e fãs dessa bela artista.

O Centro de Valorização a Vida (CVV) oferece apoio emocional aos que precisam conversar: Acesse cvv.org.br ou ligue 188. Você não está sozinho.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.